Cientistas detectam mutações genéticas no sangue de astronautas

Tempo de leitura: 2 min.

Uma investigação determinou que todos os astronautas estudados apresentam ‘mutações genéticas’ no sangue. Isso pode aumentar a chance de câncer e doenças cardíacas.

Cientistas detectam mutações genéticas no sangue de astronautas
Crédito: NASA

Uma equipe da Escola de Medicina Icahn do Hospital Mount Sinai (EUA) publicou na Nature Communications Biology um estudo usando amostras de sangue de astronautas da NASA que voaram em missões do programa de ônibus espaciais entre 1998 e 2001.

Astronautas revelam mutações somáticas

A análise de DNA revelou mutações conhecidas como somáticas (adquiridas ao longo da vida e não transmitidas) no sistema de formação do sangue (células-tronco hematopoiéticas) dos quatorze astronautas estudados.

As mutações identificadas são caracterizadas pela super-representação de células sanguíneas derivadas de um único clone, processo denominado hematopoiese clonal (HC). Esses tipos de mutações são frequentemente causados ​​por fatores ambientais, como exposição à radiação ultravioleta ou a certos produtos químicos, e podem ser resultado de quimioterapia ou radioterapia contra o câncer.

Embora o HC não seja necessariamente um indicador de doença, está associado a um risco aumentado de doença cardiovascular e câncer no sangue.

Ambiente Extremo

David Goukassian, do Icahn Mount Sinai, disse em um comunicado:

“Os astronautas trabalham em um ambiente extremo onde muitos fatores podem dar origem a mutações somáticas, especialmente radiação espacial, o que significa que existe o risco de que essas mutações se transformem em hematopoiese clonal.”

Os astronautas estudados voaram em missões relativamente curtas (cerca de doze dias), tinham uma idade média de cerca de 42 anos; aproximadamente 85% eram homens e seis estavam em sua primeira viagem espacial.

Surpresa dada a pouca idade dos astronautas

As amostras estudadas, que foram armazenadas a -80 graus por cerca de 20 anos, foram colhidas 10 dias antes do voo e no dia do pouso, e glóbulos brancos três dias depois. A frequência de mutações somáticas nos genes testados pelos pesquisadores foi inferior a 2%, que é o limite técnico para mutações somáticas em células-tronco hematopoiéticas a ser considerado hematopoiese clonal de potencial indeterminado (CHIP). A CHIP é mais frequente em indivíduos idosos e está associada a um risco aumentado de desenvolver doenças cardiovasculares e cânceres hematológicos e sólidos.

Goukassian disse em um comunicado:

“Embora a hematopoiese clonal que observamos fosse relativamente pequena em tamanho, o fato de termos visto essas mutações foi surpreendente, dada a idade e a saúde relativamente jovens desses astronautas.”

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO… e (importante) se puder, ajude na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo:

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!