Guerra nuclear entre duas nações pode desencadear fome global

Tempo de leitura: 3 min.

São muitos os relatos de avistamentos de OVNIs em bases militares que lidam com armamentos nucleares, inclusive com algum tipo de intervenção causada por esses misteriosos objetos. Seria o que é documentado no artigo abaixo a razão desses “visitantes” estarem tão preocupados com a possibilidade de uma guerra nuclear neste planeta?

Guerra nuclear entre duas nações pode desencadear fome global
Esperemos que isto nunca aconteça.

Mesmo um pequeno conflito em que duas nações lançam armas nucleares uma contra a outra pode levar à fome em todo o mundo, sugere uma nova pesquisa. A fuligem das cidades em chamas cercaria o planeta e o esfriaria refletindo a luz do Sol de volta ao espaço. Isso, por sua vez, causaria falhas nas colheitas globais que – no pior cenário – poderiam colocar 5 bilhões de pessoas à beira da morte.

Lili Xia, cientista climática da Universidade Rutgers em New Brunswick, Nova Jersey, que liderou o trabalho, informou:

“Uma grande porcentagem das pessoas passará fome. Isto é realmente ruim.”

A pesquisa, publicada na Nature Food, é a mais recente de um experimento de décadas sobre as consequências globais da guerra nuclear. Parece especialmente relevante hoje, pois a guerra da Rússia contra a Ucrânia interrompeu o abastecimento global de alimentos, ressaltando os impactos de longo alcance de um conflito regional.

Cenários grandes e pequenos

A guerra nuclear vem com uma série de impactos letais, desde matar pessoas diretamente em explosões atômicas até os efeitos prolongados da radiação e outras poluições ambientais. Xia e seus colegas queriam analisar as consequências mais longe da cena da guerra, para explorar como as pessoas ao redor do planeta também poderiam sofrer.

Como uma pequena guerra nuclear transformaria todo o planeta

Eles modelaram como o clima mudaria em várias partes do mundo após uma guerra nuclear e como as culturas e a pesca responderiam a essas mudanças. Os cientistas analisaram seis cenários de guerra, cada um dos quais colocaria diferentes quantidades de fuligem na atmosfera e diminuiria as temperaturas da superfície de qualquer lugar entre 1 e 16 °C. Os efeitos podem durar uma década ou mais.

Uma guerra nuclear entre a Índia e o Paquistão, talvez desencadeada na disputada região da Caxemira, poderia lançar entre 5 milhões e 47 milhões de toneladas de fuligem na atmosfera, dependendo de quantas ogivas foram implantadas e cidades destruídas. Uma guerra nuclear total entre os Estados Unidos e a Rússia poderia produzir 150 milhões de toneladas de fuligem. A mortalha que circunda o globo persistiria por anos até que os céus finalmente clareassem.

Usando dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a equipe de Xia calculou como o declínio das colheitas e da pesca após uma guerra nuclear afetaria o número de calorias disponíveis para as pessoas comerem. Os cientistas estudaram várias opções, como se as pessoas continuaram a criar gado ou se encaminharam algumas ou todas as culturas destinadas ao gado para os seres humanos. O estudo presumiu que haveria algum reaproveitamento de cultivos de biocombustíveis para consumo humano, e as pessoas reduziriam ou eliminariam o desperdício de alimentos. Também presumiu que o comércio internacional pararia quando os países optassem por alimentar as pessoas dentro de suas próprias fronteiras em vez de exportar alimentos.

Xia observa que o estudo se baseia em muitas suposições e simplificações sobre como o complexo sistema alimentar global responderia a uma guerra nuclear. Mas os números são fortes. Mesmo para o menor cenário de guerra, de um conflito Índia-Paquistão que resulta em 5 milhões de toneladas de fuligem, a produção de calorias em todo o planeta pode cair 7% nos primeiros cinco anos após a guerra. Em um cenário de 47 milhões de toneladas de fuligem, as calorias médias globais caem até 50%. No pior caso de uma guerra Estados Unidos-Rússia, a produção de calorias cai 90% três a quatro anos após a guerra.

“Vamos para a Austrália”

As nações mais afetadas seriam aquelas de latitudes médias a altas, que já têm uma estação curta para o cultivo e que esfriariam mais dramaticamente após uma guerra nuclear do que as regiões tropicais. O Reino Unido, por exemplo, veria quedas mais acentuadas na disponibilidade de alimentos do que um país como a Índia, localizado em latitudes mais baixas. Mas a França, que é um grande exportador de alimentos, se sairia relativamente bem – pelo menos nos cenários de emissões mais baixas – porque, se o comércio fosse interrompido, teria mais alimentos disponíveis para seu próprio povo.

Outra nação menos afetada é a Austrália. Isolada do comércio após uma guerra nuclear, a Austrália dependeria principalmente do trigo para alimentação. E o trigo cresceria relativamente bem no clima mais frio induzido pela fuligem atmosférica. No mapa da equipe que mostra grandes porções do mundo colorido de vermelho, por fome, a Austrália brilha em um verde intocado, mesmo nos cenários de guerra severa.

Xia diz:

“A primeira vez que mostrei o mapa ao meu filho, a primeira reação que ele teve foi ‘vamos nos mudar para a Austrália’.”

O estudo é um passo útil para entender os impactos alimentares globais de uma guerra nuclear regional, diz Deepak Ray, pesquisador de segurança alimentar da Universidade de Minnesota em Saint Paul (EUA). Mas é necessário mais trabalho para simular com precisão a complexa mistura de como as culturas são produzidas em todo o mundo, diz ele. Por exemplo, a pesquisa levou em consideração os números nacionais de produção agrícola, mas a realidade é muito mais sutil, com diferentes culturas sendo cultivadas em diferentes regiões de um país para diferentes propósitos.

A guerra nuclear pode parecer uma ameaça menor do que durante a Guerra Fria, mas ainda existem nove países com mais de 12.000 ogivas nucleares entre eles. Compreender detalhadamente as consequências potenciais da guerra nuclear pode ajudar as nações a avaliarem melhor os riscos.

Ray diz:

“É raro acontecer – mas se acontecer, afeta a todos. São coisas perigosas.”

(Fonte)


Com base no histórico de avistamentos de OVNIs em bases nucleares por todo o planeta, há quem pense que se fosse iniciada uma guerra nuclear os “responsáveis” pelos OVNIs interfeririam para evitar o pior. Mas será que devemos mesmo contar com isso?

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo:

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!