Novo artigo científico mostra que o Efeito Mandela é real, mas não como você pensa

Tempo de leitura: 2 min.

O ‘Efeito Mandela‘ é um termo usado para descrever o fenômeno em que grupos de pessoas coletivamente se lembram mal de coisas, mas continuam a insistir que suas memórias são de fato verdadeiras, o que pode ou não ser uma indicação de que alguém está mexendo com a nossa realidade.

Novo artigo científico mostra que o Efeito Mandela é real

Considere o caso dos Ursos Berenstain, que nunca foram chamados de Ursos Berenstein; ou manteiga de amendoim Jiffy, que nunca existiu (embora JIF seja o nome real); ou a citação errada no filme Guerra nas Estrelas, “Luke, eu sou seu pai“, quando a citação real era “NÃO, eu sou seu pai“.

Agora que cobrimos o básico, vamos à atração principal: um trabalho de pesquisa da Universidade de Chicago intitulado “The Visual Mandela Effect as evidence for shared and specific false memories across people” (“O Efeito Mandela Visual como evidência de falsas memórias compartilhadas e específicas entre as pessoas”, de sigla em inglês VME) que adota uma abordagem científica sincera para entender o fenômeno.

Os pesquisadores trouxeram 100 participantes e apresentaram a eles uma variedade de imagens relacionadas à cultura pop – a maioria das quais foi alterada para não corresponder às memórias reais e demonstráveis ​​que as pessoas deveriam ter. Os pesquisadores então pediram às pessoas que identificassem quais imagens eram as “reais” (originais, inalteradas) e avaliassem o quão confiantes estavam em sua escolha. Mais tarde, eles apontaram as imagens corretas para os participantes e pediram que eles estudassem e memorizassem.

E nas duas vezes, a maioria dos participantes escolheram as imagens alteradas ou não canônicas. Mesmo quando eles estudaram e memorizaram especificamente as imagens corretas, eles ainda insistiram que testemunharam a imagem sendo manipulada… mesmo que não. Ainda mais bizarro é que as pessoas tendiam a compartilhar as mesmas memórias falsas.

Veja o que os pesquisadores descobriram:

“A ocorrência de erros VME durante a recordação de curto e longo prazo sugere que as pessoas geram espontaneamente esses erros específicos; o VME não é um fenômeno somente de reconhecimento. Dada a variabilidade da frequência de erro, também sugere que a facilidade de geração espontânea desses erros pode depender da imagem aparente VME específica. Além disso, o fato de que erros de VME podem ocorrer durante a recordação de curto prazo, apesar da familiaridade limitada com a imagem, pode sugerir que há algo intrínseco a esses estímulos que estimula esses erros.

[…]

Embora tenhamos mostrado que é improvável que esses erros sejam explicados por diferenças visuais de atenção ou de baixo nível, o VME pode ser impulsionado pelo conhecimento perceptual baseado em esquema para alguns ícones e impulsionado pela experiência visual com a versão não canônica para outros.

A explicação não testada para o VME baseou-se apenas na teoria do esquema da falsa memória: as pessoas são mais propensas a se lembrar de detalhes quando se alinham com as expectativas da imagem. Embora essa explicação seja limitada, pois não explica completamente a consistência e a especificidade do VME, ela pode desempenhar um papel na condução de erros VME resultantes de uma experiência perceptual incompleta.

[…]

O VME não pode ser explicado universalmente por um único relato. Em vez disso, talvez imagens diferentes causem um VME por diferentes razões – algumas relacionadas ao esquema, algumas relacionadas à experiência visual e algumas relacionadas a algo totalmente diferente nas próprias imagens.”

E o verdadeiro impacto do comunicado de imprensa:

“’Esse efeito é realmente fascinante porque revela que existem essas consistências entre as pessoas em falsas memórias que elas têm para imagens que nunca viram’, disse Asst. Profa Wilma Bainbridge, neurocientista e investigadora principal do Brain Bridge Lab no Departamento de Psicologia da UChicago.

[…]

‘Você pensaria que, porque todos nós temos nossas próprias experiências individuais ao longo de nossas vidas, todos temos essas diferenças idiossincráticas em nossas memórias’, disse Bainbridge. ‘Mas, surpreendentemente, descobrimos que tendemos a lembrar os mesmos rostos e fotos que os outros. Essa consistência em nossas memórias é realmente poderosa, porque isso significa que posso saber o quão memoráveis ​​são certas fotos, posso quantificá-las. Posso até mesmo manipular a memorização de uma imagem.'”

Em outras palavras, o Efeito Mandela existe, e não há razão discernível para isso – exceto que alguém está manipulando a realidade e alterando nossas memórias culturais coletivas.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO… e (importante) se puder, ajude na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo:

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!