web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Poderia a humanidade encarar as diferenças entre nós e os ETs?

Tempo de leitura: 3 min.

A busca por vida extraterrestre é um objetivo importante não apenas para a NASA, mas para muitos de nós na comunidade científica para abordar a antiga questão de estarmos sozinhos no Universo. Mas e se realmente descobrirmos vida alienígena?

Poderia a humanidade encarar as diferenças entre nós e os ETs?
Crédito: depositphotos

Podemos facilmente imaginar um encontro amigável (E.T., O Dia em que a Terra Parou) quanto uma luta até a morte (Guerra dos Mundos, Dia da Independência). De qualquer forma, esperamos que os extraterrestres sejam muito diferentes de nós. Está implícito na palavra que usamos para descrevê-los: alienígenas.

Examinar essas visões conflitantes é um dos objetivos de uma nova iniciativa chamada Exploring Otherness on Earth and Beyond (Explorando a Alteridade na Terra e Além), financiada pela Fundação Einstein na Alemanha, que realizou seu primeiro workshop no início deste mês no Centro Aeroespacial Alemão em Berlim. Ao incluir perspectivas das ciências naturais, ciências sociais e humanidades, a iniciativa espera aproveitar as ideias discutidas durante um simpósio sobre Astrobiologia e Sociedade realizado em 2015 na Biblioteca do Congresso em Washington, D.C.

O fato de que isso pode até ser um tópico de discussão séria sugere que o contato com extraterrestres não é mais considerado um sonho improvável.

Enquanto a maioria dos cientistas gostaria de receber a descoberta de vida alienígena e a chance de aprender mais sobre isso, tal descoberta é muitas vezes percebida como estranha ou assustadora pelo público em geral. Alguns receberiam os alienígenas de braços abertos e esperariam que eles resolvessem nossos problemas, desde as mudanças climáticas ao câncer. Alguns podem até tratá-los como deuses. Outros teriam medo de que os alienígenas tomassem a Terra e nos deixassem à sua mercê. Qual atitude prevalecerá provavelmente dependerá do tipo de comportamento que reconhecemos nos extraterrestres como sendo como o nosso.

“Alteridade”

Historiadores, filósofos e cientistas sociais há muito lutam com a ideia de “alteridade”. A história humana é um longo desfile de culturas colonizando e subjugando umas às outras, e as políticas raciais e tribais ainda estão muito conosco hoje. Embora muitos em nossa sociedade estejam se tornando mais tolerantes com a alteridade em áreas como sexualidade e neurodiversidade, a separação entre “nós” e “eles” está bem viva.

E isso é apenas entre os humanos. Se considerarmos nossos semelhantes na Terra, a “alteridade” é um problema ainda maior. Por que alguns animais nos repelem, enquanto outros queremos abraçar? Um urso é muito mais perigoso para os humanos do que uma tarântula – o ursinho de pelúcia de uma criança convenientemente deixa de fora os dentes e as garras – mas nos sentimos mais à vontade com nosso companheiro mamífero. Como os ursos estão mais relacionados aos humanos do que as tarântulas, é mais fácil para nós ler as emoções de um urso. E a maioria de nós fica assustada com a aparência e o comportamento sobrenaturais de uma tarântula – os múltiplos olhos e os movimentos estranhos. De fato, as aranhas em geral tendem a se classificar altamente entre os animais mais temidos / repugnantes, com coelhos residindo no outro extremo da escala. Isso pode explicar a preponderância de alienígenas de filmes que se assemelham a artrópodes. (O filme Distrito 9 – uma poderosa acusação da “alteridade” social – vem à mente.)

A ciência está apenas começando a entender a variedade impressionante de comportamentos “alienígenas” em nosso próprio planeta, desde tartarugas marinhas que detectam campos magnéticos até plantas que se comunicam entre si por meio de produtos químicos transportados pelo ar. Se nos aventurarmos em um universo habitado, provavelmente encontraremos seres que evoluíram sob circunstâncias físicas inteiramente diferentes. Vamos encontrá-los como curiosos, amigáveis, companheiros exploradores? Predadores e presas? Ficaremos encantados ou enojados com sua estranheza?

Essa dinâmica pode depender se “eles” são mais avançados tecnologicamente do que nós. Se forem, eles provavelmente tomarão as decisões, não nós. Mas vamos supor por um momento que somos as espécies mais avançadas. Daríamos mais proteção a um micróbio extraterrestre do que aos nossos próprios micróbios, que matamos aos bilhões em nossos experimentos de laboratório sem pensar duas vezes? E se o alienígena for uma forma de vida mais complexa – digamos, semelhante a um de nossos companheiros animais terrestres? Não deveríamos tratá-lo eticamente? O que isso significaria para uma sociedade como a nossa que ainda come outros animais, mesmo aqueles com quem estamos intimamente relacionados?

A psicologia do contato alienígena

Como lidamos com a vida alienígena, se chegarmos a isso, será um dos maiores desafios para a humanidade. Certamente queremos evitar falhas de comunicação e mal-entendidos que possam ter consequências terríveis e possivelmente fatais. E precisamos considerar a possibilidade de encontrar formas de vida inteligentes que simplesmente não podemos entender, como no romance Solaris de Stanisław Lem. Podemos ficar tão confusos com sua alteridade que nem os reconhecemos como seres vivos.

Pode haver uma maneira de contornar esse dilema: robôs artificiais podem ser emissários mais bem-sucedidos entre civilizações interplanetárias, pois podem assumir uma forma mais neutra. Outra solução seria o mimetismo. Muitos alienígenas de ficção científica, de The Man Who Fell to Earth (bra: O homem que caiu na Terra / prt: O homem que veio do espaço) à Invasion of the Body Snatchers (bra: Os Invasores de Corpos, ou Invasores de Corpos; prt: A Invasão dos Violadores), assumem a forma humana quando vêm visitar.

Questões religiosas também entram em jogo quando se discute a alteridade dos alienígenas. Como as principais religiões do nosso planeta lidariam com a descoberta de alienígenas inteligentes? Na reunião da Biblioteca do Congresso de 2015, o irmão Guy Consolmagno, do Observatório do Vaticano, disse que certa vez lhe perguntaram se ele batizaria um alienígena. Achei a resposta dele muito inteligente. Ele disse que sim, mas apenas se o alienígena quisesse.

É claro que algumas tradições orientais, como o budismo, eliminariam completamente as noções de “eu” e “outro”. Talvez essa seja a visão chave que nos permitirá, e talvez outras civilizações que esperam viajar entre as estrelas, nos encontrarmos de braços abertos, em vez de com armas em punho – mesmo que alguns de nós (ou eles) ainda tenham uma profunda sentimento irritante dentro de ser repelido pela alteridade alienígena.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!