web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Não devemos temer a busca por vida alienígena

Tempo de leitura: 3 min.

Mas, em vez de esperar que os extraterrestres tenham lançado sinais em nossa direção, vamos bater na porta deles e chamar sua atenção.

Não devemos temer a busca por vida alienígena
Essas antenas, cada uma com cerca de 6 metros de diâmetro, fazem parte do Allen Telescope Array, na Califórnia, a cerca de 400 quilômetros ao norte de São Francisco. O Array, que possui 42 antenas no total, foi construído pelo Instituto SETI para ser otimizado para suas buscas por transmissões extraterrestres. Crédito: Seth Shostak / SETI


Por Seth Shostak, astrônomo sênior do Instituto SETI

Por mais de seis décadas, um pequeno grupo de cientistas (inclusive eu) vem tentando captar transmissões de rádio de outros sistemas planetários, motivados pelo fato de que isso demonstraria que alguém inteligente está por aí. Esse esforço, conhecido como SETI (Search for ExtraTerrestrial Intelligence), é direto e tecnicamente bastante simples, pois não requer viagens interestelares para os alienígenas ou os terráqueos. É um esforço estritamente passivo que usa grandes antenas com receptores altamente sensíveis para detectar sinais em uma ampla faixa do dial de rádio. Caso em questão: reportagens desta semana dizem que pesquisadores chineses podem ter captado sinais de civilizações alienígenas (ou talvez fosse apenas interferência de rádio).

Em vez de esperar que os extraterrestres tenham lançado sinais em nossa direção, talvez pudéssemos bater na porta deles e chamar sua atenção.

De qualquer forma, alguns pesquisadores acreditam que deveríamos ter um papel mais ativo na sondagem do espaço próximo. Eles argumentam que devemos estimular os alienígenas com nossos próprios sinais, convidando-os a responder; uma ideia conhecida como “SETI ativo”.

Na prática, isso equivale a apontar sequencialmente um poderoso transmissor de rádio em um sistema estelar após o outro enquanto transmite uma mensagem amigável (talvez semelhante à placa gravada que foi afixada às sondas espaciais Pioneer na década de 1970) que, espera-se, desencadeará um resposta amigável.

Isso parece simples, mas ainda requer algumas decisões a serem tomadas. Para começar, como codificamos a mensagem de uma maneira que os alienígenas do espaço, cujas habilidades de falar inglês são certamente inferiores, entenderão? Além disso, que informações devemos transmitir? Peças de Shakespeare? Os livros da “prateleira de um metro e meio de Harvard”?

Recentemente, surgiu uma nova ideia sobre sinalização cósmica. É o trabalho de uma equipe global de pesquisadores liderada por Jonathan Jiang do Jet Propulsion Laboratory em Pasadena, Califórnia. Como muitos de seus predecessores, o novo esquema de comunicação remonta ao pequeno pictograma transmitido pelo radiotelescópio de Arecibo, Porto Rico, em 1974. Matemática, física, astronomia e biologia são as pedras de toque para esses pictogramas – todos os assuntos que se presume curso obrigatório para extraterrestres. Não compartilharemos uma linguagem comum com alienígenas avançados, mas podemos presumir com segurança uma familiaridade compartilhada com ciência e matemática.

No entanto, a ideia de tentar iniciar o contato não é bem vista por todos na comunidade de pesquisa; os críticos dessa abordagem mais agressiva veem a possibilidade de um resultado calamitoso de trair nossa existência a seres desconhecidos. Isto tem sido comparado a gritar em uma floresta escura. As consequências potenciais podem ser terríveis, então não devemos correr riscos. Devemos manter a cabeça baixa.

Este é um ponto de vista popular – foi até endossado por Stephen Hawking. Mas eu não concordo. Ficar quieto pode parecer um seguro barato contra catástrofes, mas minha opinião é que os custos potenciais podem superar quaisquer benefícios potenciais.

O Homo sapiens pode (pode!) estar por aí por um longo tempo, e insistindo que nunca, jamais devemos apontar um poderoso transmissor de rádio para o céu, pois pode ser um pesado albatroz sobrecarregando nossos descendentes.

Lembre-se, só podemos ser ameaçados por espécies que têm os meios para vir aqui ou enviar suas armas em nossa direção. Qualquer uma das opções exige um grau de sofisticação técnica que está muito além do nosso. E se esses alienígenas já são tão avançados, então pode-se presumir que eles têm grandes antenas e equipamentos sensíveis de recepção de rádio, e têm essas tecnologias há algum tempo. Isso significa que, independentemente de suas naturezas pessoais, eles provavelmente podem detectar os sinais de televisão, rádio e radar que estamos lançando em direção ao céu desde a Segunda Guerra Mundial.

Em outras palavras, é tarde demais para se preocupar em entregar nossa posição. Além disso, se concordarmos que as tentativas de sinalizar alienígenas desconhecidos devem ser proibidas de alguma forma, o que acontece quando estabelecemos colônias ou estações de passagem em outro lugar em nosso sistema solar?

Estabelecemos limites para quaisquer transmissões para esses postos avançados por causa do inevitável “derramamento” de radiação que continuaria no espaço profundo? E o uso do radar para estabelecer as órbitas dos cometas de longo período como forma de defesa contra o tipo de impacto mortal que condenou os dinossauros? Abrimos mão disso também?

O artigo de Jiang et al. descreve em detalhes um esquema de envio de um cartão postal informativo para outros habitantes da Via Láctea. A reação do público a este trabalho foi modesta, e grande parte da cobertura da imprensa fixou-se na proposta de incluir imagens de humanos nus. Pode-se concluir deste relato que o verdadeiro problema com o SETI ativo é a impropriedade de transmitir imagens de humanos pelados. Em outras palavras, os guardiões do decoro terrestre parecem menos preocupados com a possível destruição do planeta do que em impedir que os alienígenas vejam como somos por baixo de nossas roupas. Do meu ponto de vista, ambas as preocupações são malucas.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!

Por favor, para ajudar manter o OH vivo, considere desativar seu bloqueador de anúncios ou colocar o OH na lista de sites permitidos (whitelist).

Agora, mais do que nunca. isto é importante.

Seu acesso sempre foi e sempre será gratuito, e você não é obrigado a clicar em nenhum anúncio, embora isso ajude muito na continuidade do site.

Muito obrigado.