web analytics
Tempo de leitura: 4 min.

Prepare-se: Pioneiro da tecnologia alerta sobre invasão alienígena

Tempo de leitura: 4 min.

Por Louis Rosenberg
Uma espécie alienígena está se dirigindo ao planeta Terra e não temos motivos para acreditar que será amigável. Alguns especialistas preveem que chegará aqui dentro de 30 anos, enquanto outros insistem que chegará muito mais cedo.

Prepare-se: Pioneiro da tecnologia alerta sobre invasão alienígena
Crédito da ilustração: depositphotos

Ninguém sabe como ela será, mas compartilhará duas características principais conosco, humanos – será inteligente e autoconsciente.

Não, esse alienígena não virá de um planeta distante – ele nascerá aqui na Terra, chocada em um laboratório de pesquisa em uma grande universidade ou grande corporação. Estou me referindo à primeira inteligência geral artificial (de sigla em inglês, AGI) que atinge (ou excede) a cognição em nível humano.

Enquanto escrevo estas palavras, bilhões estão sendo gastos para dar vida a esse alienígena, pois seria visto como uma das maiores conquistas tecnológicas da história humana. Mas, ao contrário de nossas outras invenções, esta terá uma mente própria, literalmente. E se ela se comportar como todas as outras espécies inteligentes que conhecemos, colocará seus próprios interesses em primeiro lugar, trabalhando para maximizar suas perspectivas de sobrevivência.

Inteligência Artificial (IA) à nossa própria imagem

Devemos temer uma inteligência superior impulsionada por seus próprios objetivos, valores e interesses próprios? Muitas pessoas rejeitam essa pergunta, acreditando que construiremos sistemas de IA à nossa própria imagem, garantindo que elas pensem, sintam e se comportem exatamente como nós. É extremamente improvável que isso aconteça.

Mentes artificiais não serão criadas escrevendo software com regras cuidadosamente elaboradas que as façam pensar como nós. Em vez disso, os engenheiros alimentam enormes conjuntos de dados em algoritmos simples que ajustam automaticamente seus próprios parâmetros, fazendo milhões e mais milhões de pequenas mudanças em sua estrutura até que uma inteligência surja – uma inteligência com funcionamento interno que é complexo demais para que possamos compreender.

E não – alimentá-la com dados sobre humanos não a fará pensar como os humanos. Esse é um equívoco comum – a falsa crença de que, ao treinar uma IA em dados que descrevem comportamentos humanos, garantiremos que ela acabe pensando, sentindo e agindo como nós. Não irá.

Em vez disso, construiremos essas criaturas de IA para conhecer humanos, não para serem humanos. E sim, elas nos conhecerão por dentro e por fora, serão capazes de falar nossas línguas e interpretar nossos gestos, ler nossas expressões faciais e prever nossas ações. Elas entenderão como tomamos decisões, para o bem e para o mal, lógicas e ilógicas. Afinal, teremos passado décadas ensinando aos sistemas de IA como nós humanos nos comportamos em quase todas as situações.

Mas profundamente diferente

Mas ainda assim, suas mentes não serão nada parecidas com as nossas. Para nós, elas parecerão oniscientes, ligando-se a sensores remotos de todos os tipos, em todos os lugares. Em meu livro de 2020, Arrival Mind, retrato a AGI como “tendo um bilhão de olhos e ouvidos”, pois suas habilidades perceptivas poderiam facilmente abranger o globo. Nós, humanos, não podemos imaginar como seria perceber nosso mundo de uma maneira tão expansiva e holística, e ainda assim presumimos que uma mente como essa compartilhará nossa moral, valores e sensibilidades. Não irá.

As mentes artificiais serão profundamente diferentes de qualquer cérebro biológico que conhecemos na Terra – desde sua estrutura e funcionalidade básicas até sua fisiologia e psicologia geral. Claro, vamos criar corpos semelhantes a humanos para essas mentes alienígenas habitarem, mas elas serão pouco mais do que fachadas robóticas para nos sentirmos confortáveis ​​em sua presença.

Na verdade, nós, humanos, trabalharemos muito para fazer com que esses alienígenas se pareçam conosco e falem como nós, até sorriam e riam como nós, mas no fundo eles não serão nada como nós. Muito provavelmente, seus cérebros viverão na nuvem (total ou parcialmente) conectados a recursos e funções dentro e fora das formas humanoides que os personificamos.

Ainda assim, a fachada funcionará – não temeremos esses alienígenas – não do jeito que temeríamos as criaturas que correm em nossa direção em uma misteriosa nave estelar. Podemos até sentir um sentimento de parentesco, vendo-as como nossa própria criação, uma manifestação de nossa própria ingenuidade. Mas se deixarmos esses sentimentos de lado, começamos a perceber que uma inteligência alienígena nascida aqui é muito mais perigosa do que aquelas que podem vir de longe.

O perigo dentro

Afinal, uma mente alienígena construída aqui saberá tudo sobre nós desde o momento em que chegar, tendo sido projetada para entender os humanos por dentro e por fora – otimizada para sentir nossas emoções e antecipar nossas ações, prever nossos sentimentos, influenciar nossas crenças e influenciar nossas opiniões. Se criaturas que correm em nossa direção em naves espaciais prateadas e lustrosas tivessem um conhecimento tão profundo de nossos comportamentos e tendências, ficaríamos aterrorizados.

Já a IA pode derrotar nossos melhores jogadores nos jogos mais difíceis da Terra. Mas, na verdade, esses sistemas não dominam apenas os jogos de xadrez, pôquer e Go, eles dominam o jogo dos humanos, aprendendo a prever com precisão nossas ações e reações, antecipando nossos erros e explorando nossas fraquezas. Pesquisadores de todo o mundo já estão desenvolvendo sistemas de IA para nos superar, negociar e manobrar.

Há algo que possamos fazer para nos proteger?

Certamente não podemos impedir que a IA fique mais poderosa, pois nenhuma inovação jamais foi contida. E enquanto alguns estão trabalhando para colocar salvaguardas, não podemos supor que será suficiente para eliminar a ameaça. De fato, uma pesquisa da Pew Research indica que poucos profissionais acreditam que o setor implementará práticas significativas de “IA ética” até 2030.

Então, como podemos nos preparar para a chegada?

O melhor primeiro passo é perceber que a AGI acontecerá nas próximas décadas e não será uma versão digital da inteligência humana. Será uma inteligência alienígena tão estranha e perigosa como se viesse de um planeta distante.

Trazendo urgência à ética da inteligência artificial

Se enquadrarmos o problema dessa maneira, podemos abordá-lo com urgência, pressionando para regular os sistemas de IA que monitoram e manipulam o público, sentindo nossas emoções e antecipando nossos comportamentos. Essas tecnologias podem não parecer uma ameaça existencial hoje, pois estão sendo desenvolvidas principalmente para otimizar a eficácia da publicidade orientada por IA, não para facilitar a dominação mundial. Mas isso não diminui o perigo – as tecnologias de IA projetadas para analisar os sentimentos humanos e influenciar nossas crenças podem ser facilmente usadas contra nós como armas de persuasão em massa.

Também devemos ser mais cautelosos ao automatizarmos decisões humanas. Embora seja inegável que a IA possa ajudar na tomada de decisão eficaz, devemos sempre manter os humanos informados. Isso significa usar a IA para aprimorar a inteligência humana em vez de trabalhar para substituí-la.

Quer nos preparemos ou não, mentes alienígenas estão vindo em nossa direção e podem facilmente se tornar nossos rivais, competindo pelo mesmo nicho no topo da cadeia alimentar intelectual. E embora haja um esforço sério na comunidade de IA para promover tecnologias seguras, também há falta de urgência. Isso porque muitos de nós acreditam erroneamente que uma IA senciente criada pela humanidade será de alguma forma um galho da árvore humana, como um descendente digital que compartilha um núcleo muito humano.

Isso é um desejo. É mais provável que uma verdadeira AGI seja profundamente diferente de nós em quase todos os aspectos. Sim, será notavelmente hábil em fingir ser humano, mas sob uma fachada amigável, cada uma será uma mente rival que pensa, sente e age como nenhuma criatura que já conhecemos na Terra. A hora de se preparar é agora.

Louis Rosenberg, PhD, é pioneiro em tecnologia nas áreas de VR, AR e IA. Ele é conhecido por desenvolver o primeiro sistema de realidade aumentada para a Força Aérea dos EUA em 1992, por fundar a empresa de realidade virtual Immersion Corp (Nasdaq IMMR) em 1993 e fundar a empresa de AR Outland Research em 2004. Atualmente é fundador e CEO da Unanimous AI.

(Fonte)


Avisados fomos!

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!

Por favor, para ajudar manter o OH vivo, considere desativar seu bloqueador de anúncios ou colocar o OH na lista de sites permitidos (whitelist).

Agora, mais do que nunca. isto é importante.

Seu acesso sempre foi e sempre será gratuito, e você não é obrigado a clicar em nenhum anúncio, embora isso ajude muito na continuidade do site.

Muito obrigado.