Pesca em mares extraterrestres

Tempo de leitura: 3 min.

Por Avi Loeb

Escrevi em uma mensagem recente ao cientista Eric Weinstein: “Devemos ultrapassar a fronteira extraterrestre de nosso conhecimento ou então não teremos uma perspectiva mais ampla para sobreviver como espécie.

O quão empolgado você quer ficar, professor?”, ele perguntou.

Tão empolgado quanto seja a realidade”, foi minha resposta.

Eric estava preocupado com nosso horizonte limitado, dada a potencial escalada da guerra na Ucrânia, mas tentei oferecer algumas palavras para acalmá-lo. “O nosso é apenas um entre bilhões de planetas habitáveis ​​apenas na Via Láctea”, eu disse a ele. “Há muitos peixes em mares extraterrestres.

Os humanos tendem a se considerar como atores principais no palco cósmico. Mas o jogo cósmico começou com o Big Bang 13,8 bilhões de anos atrás, muito antes de chegarmos aqui. E, como argumentou Galileu Galilei, obviamente não somos o centro das atenções.

Tendemos a atribuir significado cósmico às nossas ações. Mas mesmo nossas “guerras mundiais” mais ferozes geraram uma quantidade insignificante de entropia e fizeram uma contribuição minúscula para o caos cósmico. Devemos ter em mente que toda a biomassa terrestre é uma fração de um bilionésimo da massa da Terra. Ao todo, a entropia gerada por micróbios em todos os planetas habitáveis ​​dentro do volume observado do Universo é muito menor do que a entropia produzida durante o processo de formação de um único buraco negro de massa estelar. Uma guerra nuclear na Terra não produzirá uma explosão forte o suficiente para ser percebida por astrônomos com telescópios como o nosso no exoplaneta habitável mais próximo, Proxima b.

O reconhecimento de que nosso atual nível de desenvolvimento tecnológico não representa um desafio para nossos vizinhos cósmicos pode explicar porque não estamos atraindo a atenção global. Uma resposta ao paradoxo de Fermi, “onde está todo mundo?” é “eles não se importam conosco”. Em seu aplicativo de namoro interestelar, eles podem ter nos deslizado para a esquerda. Mas há alguma chance de que eles tenham lançado equipamentos que monitoram nosso progresso.

A maneira mais simples de descobrir é procurando por objetos espaciais incomuns. No momento da redação deste artigo, membros do Projeto Galileo estão andando no telhado do Harvard College Observatory e montando o primeiro sistema de telescópio para esta expedição de pesca.

Antes de identificar anomalias, a equipe do Projeto Galileo deve calibrar o histórico. Esta é uma prática padrão em outras pesquisas. Por exemplo, experimentos com o objetivo de detectar diretamente partículas de matéria escura, primeiro calibram seu fundo e depois procuram um sinal que seja estatisticamente significativo em relação às flutuações naturais nesse fundo.

O que constitui o fundo do nosso céu? Além de drones, balões meteorológicos, aviões, foguetes, mísseis ou satélites feitos pelo homem, rotineiramente notamos objetos voadores que a natureza fabricou. Estes incluem moscas, pássaros e partículas elementares do cosmos. Também notamos raras bolas de fogo em nossa atmosfera. Estes são desencadeados por objetos espaciais colidindo com a Terra e queimando por sua fricção no ar. Também vemos asteroides e cometas que não colidem com a Terra. Dada a escuridão do espaço, encontram-se à semelhança das “chaves debaixo do poste de luz”, através do seu reflexo da luz solar. Até a década passada, todas essas rochas espaciais eram blocos de construção que sobraram do processo de formação de planetas no sistema solar.

Esses objetos familiares são análogos aos membros da família que residem em nosso lar cósmico. Mas apenas na última década, notamos alguns visitantes interestelares que se originaram da vizinhança cósmica mais distante.

Curiosamente, o primeiro meteoro interestelar CNEOS 2104-01-08 e o primeiro objeto interestelar, `Oumuamua, eram discrepantes em relação aos nossos mebros familiares. A bola de fogo gerada pelo CNEOS 2104-01-08 a uma altitude de apenas 18,7 quilômetros e velocidade de 44,8 quilômetros por segundo implicava que era mais resistente que os meteoritos de ferro, que por sua vez compõem os 5% mais resistentes de todos os meteoritos do sistema solar. Além disso, a velocidade do meteoro fora do sistema solar foi mais rápida que 95% de todas as estrelas próximas. A chance de ambas as raridades é menor do que algumas partes em mil. O `Oumuamua tinha diferentes anomalias que o tornavam ainda mais raro da população conhecida de asteroides ou cometas.

Os primeiros visitantes interestelares deveriam se parecer com objetos familiares. Suas propriedades peculiares implicam que estamos perdendo algo sobre nossa vizinhança cósmica?

A chave para obter conhecimento é coletar mais dados. Surpreendentemente, temos um fio científico para puxar.

Estamos planejando uma expedição para fazer uma varredura no fundo do oceano próximo à Papua Nova Guiné, em busca de fragmentos do CNEOS 2014-01-08. Durante a bola de fogo, um meteorito geralmente derrete em pequenas pelotas, cada uma com menos de um milímetro de tamanho. O vapor que sobe do impacto dessas pelotas quentes na superfície do oceano deve ter sido uma bela visão, e um guarda-chuva não teria sido muito eficaz como proteção contra essa chuva quente. Além do sinal de radiação da bola de fogo, estamos triangulando o local do impacto usando dados acústicos, levando em consideração o vento e as correntes oceânicas no movimento dos fragmentos antes de se estabelecerem no fundo do oceano. Nossa “rede de pesca” incluirá um ímã e uma câmera. A montagem desses fragmentos constituirá a primeira vez que mãos humanas tocam o material de um objeto de escala métrica de fora do sistema solar. Assemelhamo-nos a crianças que descobriram um objeto na rua de sua vizinhança e estão curiosas para saber se é de origem natural ou artificial.

A melhor maneira da humanidade conquistar o respeito dos vizinhos cósmicos é buscar novos conhecimentos por meio de evidências. O futuro de longo prazo pertence a uma civilização que consegue manter a mente de um iniciante por mais tempo.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO… e (importante) se puder, ajude na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo:

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!