web analytics
Tempo de leitura: 2 min.

Zoólogos questionam a “definição de vida” elaborada pela NASA

Tempo de leitura: 2 min.

Os astrônomos observam o céu noturno há milhares de anos na tentativa de entender melhor o universo, mas foi apenas no século passado que desenvolvemos a tecnologia para estudar o espaço além do que nossos olhos podem ver.

Zoólogos questionam a "definição de vida" elaborada pela NASA
Imagem meramente ilustrativa.

No entanto, com todos os telescópios e equipamentos à nossa disposição, ainda não descobrimos [oficialmente] nenhum sinal de vida em nenhum planeta além do nosso.

Mas uma possível razão pela qual ainda não descobrimos alienígenas pode ser porque estamos procurando todas as coisas erradas nos lugares errados. Alguns cientistas argumentam que não precisamos procurar muito longe para encontrar alienígenas, e eles podem realmente estar vivendo entre nós na Terra em uma dimensão diferente.

Uma teoria há muito elogiada por ovniólogos, incluindo o astrônomo Jacques Vallée, que co-desenvolveu o primeiro mapa computadorizado de Marte para a NASA em 1963, é a hipótese interdimensional, ou IDH (sigla em inglês), que sugere que os alienígenas podem existir em outras “realidades” ou “dimensões” paralelas à nossa.

Sem uma definição clara do que a vida realmente é, cientistas e astrônomos podem estar cometendo um grande erro ao supor que a vida além do nosso planeta é algo parecido com o que existe na Terra.

Falando ao The Guardian, a astrobióloga Helen Sharman disse:

“Existem tantos bilhões de estrelas no universo que deve haver todos os tipos de formas diferentes de vida. Elas serão como você e eu, feitas de carbono e nitrogênio? Talvez não. É possível que elas estejam aqui agora e simplesmente não possamos vê-las.”

A geobióloga Victoria Orphan, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, também sugeriu que alguns seres vivos podem existir em uma “biosfera nas sombras”.

Dirigindo-se aos participantes de uma reunião da Associação Americana para o Avanço da Ciência em 2015, Orphan disse que os cientistas que buscam a vida no dogma central de que todos os seres vivos dependem do mesmo punhado de elementos químicos para sobreviver podem estar “perdendo o barco” devido à sua falta de considerações para organismos que “fazem as coisas de forma ligeiramente diferente“.

Atualmente, a definição não oficial da NASA para vida é “um sistema químico autossustentável capaz de evolução darwiniana”.

Lynn Rothschild, que atende o centro de pesquisa Ames da NASA como astrobióloga, disse ao The News Alerts:

“Você não pode caçar algo se não tem ideia do que seja.

Acredito que o que temos agora são definições não naturais de vida, porque temos apenas um ponto de dados. Eu me pergunto se a vida é exatamente o que definimos que seja.

Enquanto isso, o zoólogo da Universidade de Cambridge, Arik Kershenbaum, autor do livro “The Zoologist’s Guide to the Galaxy” (“O Guia do Zoólogo Para a Galáxia”, em tradução livre), explica:

“A NASA precisa de uma definição de vida para saber como construir detectores e que tipos de instrumentos usar em suas missões.

Seria errado supor que nossa bioquímica familiar é o que vamos encontrar em outros planetas.”

O zoólogo acrescenta:

“Podemos descobrir sistemas tão estranhos e inesperados que não conseguimos decidir se estão vivos ou não.

Mas se descobrirmos algo realmente interessante e complexo que não se encaixa na definição de vida, isso ainda é uma conquista realmente emocionante. Não vamos ignorá-lo porque não se encaixa em nossa definição!”

(Fonte)

Plugin Kapsule Corp

hit counter code