web analytics
Tempo de leitura: 5 min.

O governo dos EUA sabe algo sobre a vida após a morte? Isso é ruim para nós?

Tempo de leitura: 5 min.

Por Nick Redfern

Essa é uma pergunta bastante inflamatória de se fazer. Quanto à resposta à pergunta, bem, isso também é controverso. Qualquer que seja sua opinião sobre a vida após a morte (ou sobre a falta de vida após a morte), parece haver um certo grau de interesse – por trás de portas fechadas – quando se trata do que acontece conosco depois que morremos.

O governo dos EUA sabe algo sobre a vida após a morte? Isso é ruim para nós?
Crédito da imagem: Karin Henseler/Pixabay

Eu vi isso demonstrado mais visivelmente quando eu estava pesquisando e escrevendo meu livro de agosto de 2010, “Final Events: and the Secret Government Group on Demonic UFOs and the Afterlife” (“Eventos Finais: e o Grupo de Secreto do Governo sobre OVNIs Demoníacos e a Vida Após a Morte”, em tradução livre). O livro estava focado em um pequeno (muito pequeno, na maior parte do tempo) grupo no governo dos Estados Unidos, que foi referido como a Elite Collins, e que estava preocupado com o fenômeno OVNI ser realmente demoníaco por natureza, e depois que morrermos, vamos para algum tipo de mundo tipo Matrix onde nossas almas são colhidas de algum tipo de energia estranha que alimenta as criaturas do submundo. Não é um bom cenário, para dizer o mínimo.

Quanto mais eu conseguia falar com pessoas de dentro, comecei a perceber que não apenas havia pessoas no Pentágono que temiam essa teoria em um grau significativo e que estavam tentando parar a situação; mas eles não tinham ideia de como pará-lo. E, eles não sabiam como dizer isso ao resto de nós.

Quanto à editora, Anomalist Books, eles disseram sobre os eventos finais:

“Por décadas, histórias de abduções alienígenas, encontros com OVNIs, avistamentos de discos voadores e a Área 51 levaram milhões de pessoas a acreditar que extraterrestres estão secretamente entre nós. Mas e se esses milhões de pessoas estiverem erradas? E se o fenômeno OVNI tiver origens muito mais sombrias e sinistras?

Por quatro anos, a autoridade OVNI, Nick Redfern, tem investigado o mundo estranho e assustador de um grupo secreto dentro do governo dos EUA conhecido como Elite Collins. O grupo acredita que nossos supostos visitantes alienígenas são, na realidade, demônios enganosos e anjos caídos. Eles são os asseclas de Satanás, que estão colhendo e escravizando nossas próprias almas e preparando o caminho para o Armagedom e o Dia do Julgamento.

Em FINAL EVENTS, você aprenderá sobre os arquivos secretos do governo sobre os ocultistas Aleister Crowley e Jack Parsons e suas conexões com o mistério dos OVNIs; revelações da ligação demoníaca com a famosa “queda de OVNIs” em Roswell, Novo México, em 1947; a divulgação de investigações governamentais sobre experiências de vida após a morte e fora do corpo; e um exame da agenda satânica por trás das abduções alienígenas. FINAL EVENTS revela as verdades cruéis e terríveis sobre os OVNIs que alguns no governo preferem manter em segredo.”

Em muitas ocasiões, fui questionado sobre essa história e o que eu penso sobre ela. Eu acho que o cenário é real? Bem, eu acredito que o grupo acredita nisso. Quanto a mim, preciso primeiro de evidências concretas. E, eu não vi isso. Em outras palavras, a história do livro FINAL EVENTS é muito parecida com um livro antigo e religioso: você acredita nisso, não acredita, ou cai na categoria “Não tenho certeza”‘. Estou no número três.

No entanto, o que descobri ao fazer a pesquisa foi que havia um conjunto de dados que sugeria que uma facção do governo dos EUA estava preocupada com “algo depois desta vida”, como um dos caras me disse. Quer você acredite nisso ou não, há pelo menos um certo grau de dados circunstanciais disponíveis, como você verá agora.

Um dos mais notáveis ​​encontros de OVNIs já registrados ocorreu pouco depois das 23h. em 18 de outubro de 1973. O fato das principais testemunhas estarem servindo a membros da Reserva do Exército dos EUA só aumentou a credibilidade do relatório. Tendo partido de Port Columbus, Ohio, o helicóptero UH-1H estava se dirigindo para sua base no Aeroporto de Cleveland Hopkins. A bordo estavam o capitão Lawrence J. Coyne; o sargento John Healey, o médico-aviador; o primeiro-tenente Arrigo Jezzi, engenheiro químico; e um técnico de informática, o sargento Robert Yanacsek. Tudo parecia normal enquanto a tripulação subia no ar e mantinha o helicóptero a uma altitude constante de 2.500 pés (760 m). Mas a cerca de dezesseis quilômetros de Mansfield, eles notaram uma “única luz vermelha” a oeste que se movia lentamente na direção sul. Inicialmente, eles pensaram que o objeto poderia ser uma aeronave F-100 operando em Mansfield. Mesmo assim, Coyne aconselhou Yanacsek a “ficar de olho nisso”. Essas foram palavras sábias, pois de repente a luz não identificada mudou seu curso e começou a se dirigir diretamente a eles. Felizmente não houve colisão fatal.

Curiosamente, em várias ocasiões logo após seu encontro, o Capitão Coyne recebeu telefonemas de pessoas do Departamento do Exército, Gabinete do Cirurgião Geral, perguntando se ele, Coyne, tinha tido algum “sonho incomum” após o incidente com o OVNI. Por acaso, não muito antes do chamado do Exército, Coyne havia passado por uma experiência extracorpórea muito vívida. O Sgt. John Healey também relatou ter sido chamado sobre o incidente e suas consequências.

Healey disse:

“Com o passar do tempo, o Pentágono nos chamava e nos perguntava: ‘Bem, esse incidente aconteceu com você desde a ocorrência?’. E em dois dos casos de que me lembro, o que eles me questionaram foi, em primeiro lugar: alguma vez sonhei com a separação do corpo? E eu havia sonhado. Sonhei que estava morto na cama e que meu espírito ou o que quer que fosse, estava flutuando, olhando para mim morto na cama. E a outra coisa [que perguntaram] era se eu algum dia tivesse sonhado com algo em forma esférica; o que definitivamente não me ocorreu.”

Que o Gabinete do Cirurgião Geral do Exército (SGO) estava interessado em experiências fora do corpo e na natureza da morte e da vida após a morte no início a meados de 1970 não há dúvida. Por exemplo, um documento de setembro de 1975 intitulado “Pesquisa de Parapsicologia Soviética e Tchecoslovaca”, que foi preparado para a Agência de Inteligência de Defesa pela Agência de Informações e Inteligência Médica da SGO, contém uma seção intitulada Fenômenos Fora do Corpo, que se concentra na pesquisa de Sheila Ostrander e Lynn Schroeder, que “relatou que os soviéticos estavam estudando fenômenos fora do corpo em iogues”.

Enquanto, na década de 1980, a maioria dos autores de livros sobre o assunto de abduções alienígenas focava exclusivamente no ângulo simplista de que “cientistas extraterrestres estão aqui para roubar nosso DNA”, Whitley Strieber não o fez. Certamente, Strieber cavou fundo nessa questão em particular. No entanto, ele certamente não se esquivou de alguns dos aspectos muito mais controversos de suas próprias experiências com o que ele chamou de não alienígenas ou extraterrestres, mas como Visitantes. Era um termo que Strieber usava por um bom motivo: ele não tinha certeza de que seus captores eram alienígenas – pelo menos na maneira como interpretamos a palavra. Talvez, ele sugeriu, eles representassem algo tão estranho que estão completamente além de nossa compreensão atual. Como Strieber notou, os Visitantes tinham um profundo interesse pela alma humana; aquela parte solitária de nós que, acreditam bilhões, nunca morre. Não só isso, ao longo dos anos Strieber teve encontros estranhos com pessoas que tinham ligações com o governo/militares dos EUA, como você verá agora.

Strieber não foi o único que percebeu que o fenômeno de abdução alienígena era muito mais estranho do que a maioria imaginava – talvez ainda mais estranho do que a maioria jamais poderia imaginar. Um deles foi o já mencionado professor John E. Mack, que trabalhava em Harvard. Ecoando as palavras de Strieber em um grau notável, Mack disse que dos muitos e variados abduzidos que ele ajudou e aconselhou, alguns sentiram que as entidades que encontraram eram nada menos do que ladrões de almas.

Então, há Ed Conroy. Em 1990, Conroy, um jornalista, escreveu um livro sobre as experiências de abdução alienígena de Whitley Strieber, autor de um best-seller de 1987, Comunhão. O livro de Conroy foi intitulado “Report on Communion” (“Relatório sobre Comunhão”, em tradução livre). Quanto mais Conroy mergulhava nas experiências de Strieber, mais ele se tornava vítima das invasões de helicópteros negros. Então, houve problemas misteriosos com a secretária eletrônica de Conroy – como se alguém a tivesse adulterado. Em uma ocasião, enquanto Conroy estava fora da cidade, sua mensagem na secretária eletrônica foi inexplicavelmente alterada. Uma tentativa de figuras sombrias de intimidar Conroy e dissuadi-lo de se intrometer no caso Strieber? Quase com certeza.

Por fim, há um caso muito polêmico envolvendo os chamados “contêineres”. É um fato que a maioria das pessoas que estudaram as alegações de Bob Lazar focam suas atenções no que ele tinha a dizer sobre os OVNIs supostamente detidos na instalação S-4 da Área 51, bem como suas declarações sobre o Elemento 115. Há uma questão que não recebe a atenção que realmente deveria. É uma parte da história de Lazar que leva as coisas por um caminho cheio de revelações perturbadoras envolvendo a vida após a morte. Um dos muitos documentos informativos que Lazar disse ter lido em S-4 afirmava que os alienígenas se referiam a nós, a raça humana, como o que chamaríamos de “contêineres”. Mas, contêineres de quê?

Bem, é aí que as coisas ficam realmente controversas. Lazar disse a George Knapp da KLAS-TV:

“A religião foi criada, então temos algumas regras e regulamentos com o único propósito de não danificar os contêineres.”

Quanto aos “contêineres”, a discussão Knapp-Lazar passou então para a questão das almas humanas e sua importância.

Quanto a tudo isso (alguma coisa, tudo ou nada) ser verdade, devo dizer que não sei. Porém, o que eu sei com certeza é que há pessoas no governo dos EUA e na comunidade de inteligência dos EUA que acreditam que essa é a imagem real. E, da perspectiva deles, é por isso que não teremos um desacobertamento completa. Teremos um desacobertamento do tipo higienizado. Porque, dizem eles, é muito mais fácil para todos.

(Fonte)


Quando lembro que há elementos no governo dos EUA que pensam que os “visitantes” são demônios, fico aqui pensando: então eles acham que todo o universo é habitado por demônios; ou, pelo menos, todos aqueles com tecnologia para viajar entre mundos são demoníacos?

Ao bem da verdade, ninguém realmente sabe se isso é fato, e toda essa estória de demônios em OVNIs pode muito bem ser um subterfúgio para que esses elementos do governo mantenham os segredos relacionados à tecnologia dos OVNIs somente para eles. Ou será que eles estão certos quanto às suas crenças?

Seja lá o que a verdade sobre esse assunto for, é incontestável que o bem e o mal existem, e eles podem permear em todo o Universo. Assim, não custas ficarmos atentos ao que tem ocorrido e ao que ainda está por vir quanto a este respeito.

Mas sempre com olhos no céu e pés na Terra!

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
hit counter code