web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Sondas Voyager agora transmitem sinais que intrigaram os cientistas

Tempo de leitura: 3 min.

As sondas Voyager 1 e 2 são as primeiras espaçonaves na história da humanidade direcionadas para além do sistema solar. A missão delas começou há mais de trinta anos e os dispositivos ainda estão transmitindo dados inestimáveis ​​para a Terra.

Sondas Voyager agora transmitem sinais que intrigaram os cientistas
Ilustração mostrando a posição das sondas Voyager 1 e Voyager 2 da NASA fora da heliosfera. Foto © NASA / JPL-Caltech

Assim que os veículos começaram a se aproximar da fronteira do nosso sistema solar, adentrando o espaço interestelar, elas começaram a registrar sinais bastante estranhos que empolgaram a comunidade científica e a dividiram em dois campos.

Alguns acreditam que esses sinais são transmitidos por outras civilizações, enquanto outros presumem que os sinais sejam de origem natural.

Voyager 1 e 2 – sua principal missão e descobertas que deram ao mundo

As missões Voyager 1 e Voyager 2 foram lançadas pela NASA em 1977. Graças a essas duas espaçonaves, agora temos imagens de alta qualidade de Saturno, Netuno, Júpiter, Urano.

Foi graças às Voyagers que os cientistas da Terra descobriram que existem vulcões ativos no satélite de Io, e foram essas sondas que possibilitaram a descoberta de 24 satélites próximos aos planetas distantes do sistema solar.

Em 2012, um evento histórico aconteceu – a Voyager 1, foi a primeira espaçonave da história da humanidade que entrou no espaço interestelar.

Mas já durante a aproximação da fronteira condicional, as Voyagers começaram a transmitir dados incomuns para a Terra. Os sensores instalados nos aparelhos passaram a registrar pulsos curtos de rádio com a mesma amplitude, repetidos ao mesmo tempo.

Além disso, os espectrômetros transmitiram dados de que mundos potencialmente habitados poderiam estar localizados perto de espaçonaves.

No momento, ambos os dispositivos transmitiram cerca de 700 gigabytes de dados exclusivos para a Terra (nada mal para computadores criados há mais de 40 anos). Atualmente, os veículos já entraram na chamada “trilha magnética” – a área onde o campo magnético do Sol está conectado ao espaço sideral.

Sinais incomuns e sua provável natureza de origem

Assim, enquanto descriptografavam os dados obtidos, os cientistas descobriram esses sinais estranhos que são registrados por ambos os dispositivos (a distância entre eles é de “apenas” alguns bilhões de quilômetros).

Inicialmente, esse fenômeno foi atribuído à radiação de fundo da heliosfera, que envolve nosso sistema como uma enorme bolha e o protege de cerca de 70% do fluxo de radiação interestelar.

Como os cientistas sugeriram, essa ‘bolha’ pode muito bem gerar pulsos eletromagnéticos, mas uma análise mais aprofundada dos dados mostrou que esses sinais vêm do espaço profundo para a zona de fronteira do sistema solar.

Além disso, em maio deste ano, a Voyager transmitiu à Terra uma gravação de áudio do zumbido interestelar, onde, entre o ruído das ondas de plasma do gás interestelar, alguns cientistas registraram certos padrões.

Mas até agora, não foi possível decifrar os sinais que emanam do Sol, de sinais de outros mundos do ruído geral. E os cientistas que estudam esse fenômeno estão divididos em dois campos.

Alguns acreditam que as Voyagers gravaram sinais enviados por outros seres inteligentes, enquanto outros acreditam que esses sinais são o resultado de uma falha de equipamento ou os dispositivos apenas gravam sinais provenientes de objetos espaciais de origem natural.

Deve-se notar que apenas uma pequena parte dos 700 gigabytes de informação foi descriptografada, e não se sabe o que os cientistas poderão descobrir quando forem capazes de descriptografar tudo.

Os cientistas também notaram que os sinais detectados no “ruído” se assemelham vagamente às chamadas rajadas rápidas de rádio (de sigla em inglês, FRBs), nas quais os cientistas estão interessados ​​há muito tempo.

A radiação FRB é um pulso de RF extremamente poderoso que dura apenas alguns milissegundos e, em um dos casos, se repete a cada 16 dias.

Não há coincidência completa com os dados obtidos das Voyagers e rajadas FRB, mas o fato de que eles (sinais) não têm conexão, os cientistas também não podem dizer com certeza absoluta, uma vez que ainda não foram decifrados dados suficientes.

Os cientistas estão 100% convencidos de que a maior parte do “ruído” interestelar não chega à Terra e é atrasado pela heliosfera, o que significa que se alguém realmente deseja entrar em contato com a Terra, o sinal deve ser capturado fora do sistema.

O que você acha, esses sinais são apenas ruído natural ou são propagados por outra civilização inteligente (ou civilizações)?

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code