web analytics
Tempo de leitura: 4 min.

Um estranho encontro de um avião militar com OVNI sobre o Japão

Tempo de leitura: 4 min.

Uma grande área do fenômeno OVNI sempre foi a evidência de assinaturas de radar, ou às vezes a falta delas. Desde que fomos capazes de patrulhar os céus com radar, coisas estranhas conseguiram se aproximar, e uma delas tem a distinção de estar entre as primeiras.

Um estranho encontro de um avião militar com OVNI sobre o Japão
Northrop P-61 Black Widow

O ano era 1948 e, na época, o Northrop P-61 Black Widow, desenvolvido durante a Segunda Guerra Mundial, foi o primeiro avião de guerra operacional dos EUA projetado como um caça noturno e a primeira aeronave projetada para usar radar. A aeronave tinha uma tripulação de três pessoas, um piloto, um artilheiro e um operador de radar e, na época, era bastante revolucionária, visto que estava em ação durante a guerra no Teatro Europeu, no Teatro Pacífico, no Teatro China Burma Índia e no Teatro Mediterrâneo, onde bem servida como um interceptor dia/noite de longo alcance para todos os climas.

Em 1948, o P-61 ainda estava em uso, e uma noite de outubro de 1948 uma tripulação a bordo de um desses aviões teria um dos primeiros contatos de radar com um OVNI nos céus do Japão, o que também seria uma das primeiras “combates aéreos” com OVNIs.

Em 15 de outubro de 1948, uma viúva negra P-61 da USAF estava em uma patrulha de rotina sobre os céus de Fukuoka, uma ilha no sudeste do Japão. Esta foi uma patrulha totalmente normal, durante a qual nenhum membro da tripulação esperava encontrar qualquer problema, certamente não a estranheza que estavam prestes a testemunhar.

Aproximadamente às 23h05, o operador de radar do avião obteve uma captação de radar em um alvo desconhecido a uma altitude de cerca de 6.000 pés (1.800 m) e um alcance inicial de cerca de 10 milhas (16 km). O objeto estava inicialmente se movendo a cerca de 200 mph (320 km/h) e embora o retorno do radar parecesse comparável ao de uma aeronave convencional, quando foi visualmente localizado, foi descrito como uma aeronave não convencional, mas sim com cerca de 20 a 30 pés (6 a 9 m) de comprimento e em forma de ‘bala de rifle’, sem asas discerníveis ou estruturas da cauda e “um acabamento escuro ou opaco”. Curioso para saber o que esse intruso poderia ser, a decisão foi tomada para se aproximar do objeto, em que iniciou uma forte aceleração e várias acrobacias aéreas impressionantes.

Parecia que toda vez que o P-61 tentava se aproximar, o objeto não identificado acelerava rapidamente, muito além do que uma aeronave normal deveria ser capaz, alcançando rapidamente uma velocidade de 1.200 mph (1.900 km/h), e também mergulharia abruptamente sob eles. Foi tudo muito intrigante para a tripulação do avião, com seis tentativas de fazer uma passagem no objeto desconhecido que foram impedidas por sua manobrabilidade.

Um relatório da inteligência das Forças Aéreas do Extremo Oriente informou:

“O observador do radar estimou que em três dos avistamentos, o objeto viajou sete milhas (11 km) em aproximadamente vinte segundos, dando uma velocidade de aproximadamente 1200 mph.

Quando o F-61 se aproximou a 12.000 pés (3.600 m), o alvo fez uma curva de 180 graus e mergulhou sob o F-61. O F-61 tentou mergulhar com o alvo, mas não conseguiu acompanhar o ritmo. [O objeto] podia ir quase direto para cima ou para baixo fora dos limites de elevação do radar. Acredita-se que o objeto não foi perdido do escopo devido ao salto normal de zonas nulas comuns a todos os equipamentos de radar.

O piloto e o observador sentem que foi a alta velocidade do objeto que permitiu seu desaparecimento tão rapidamente. Esta aeronave parecia estar ciente da localização do F-61 o tempo todo. Ele tinha uma alta taxa de aceleração e podia ir quase direto para cima ou para baixo fora dos limites de elevação do radar.

Havia luar suficiente para permitir que uma silhueta fosse discernida, embora nenhum detalhe tenha sido observado. No momento do avistamento apenas visual, o alvo estava no mesmo nível da aeronave de observação. Sob a visibilidade noturna, tudo o que era visível era uma silhueta. O tipo de estabilizadores de cauda é desconhecido.

Classificação geral – corpo muito curto dando uma aparência atarracada. O dossel, se presente, foi moldado no corpo da aeronave para dar ao objeto linhas de corte nítidas e não era perceptível.”

O objeto continuou este jogo de gato e rato, como se estivesse brincando com o P-61, normalmente realizando suas manobras evasivas aparentemente impossíveis sempre que o avião americano se aproximasse de 400 jardas (⁓ 400 m). Na verdade, o objeto parecia pular tanto que a tripulação começou a pensar que estava lidando com mais de um deles.

O piloto do P-61, o 1º Ten Oliver Hemphill, disse sobre suas seis passagens no alvo do radar:

“O alvo ganhou uma tremenda explosão de velocidade e mergulhou tão rápido que não conseguimos acompanhá-lo. A aeronave imediatamente nos ultrapassou. O terceiro alvo foi localizado visualmente por mim. Tive uma silhueta excelente do alvo atirado contra um casco muito reflexivo por uma lua cheia. Percebi neste momento que não se parecia com nenhum tipo de aeronave que eu estivesse familiarizado, então entrei imediatamente em contato com minha Estação de Controle de Solo. O quarto alvo passou diretamente por cima da minha nave, da popa à proa, a uma velocidade quase duas vezes maior que a da minha aeronave, 320 km/h. Tive apenas um vislumbre fugaz da aeronave; apenas o suficiente para saber que ele havia passado. O quinto e o sexto alvos foram tentativas de interceptação por radar, mas sua alta velocidade os colocou imediatamente fora de nosso alcance.”

Estranhamente, embora o P-61 estivesse captando o misterioso objeto no radar, as estações de radar terrestre da USAF em Shigamo-Shima e Fukae-Shima só foram capazes de ver a aeronave americana, mas não o objeto anômalo.

A duração das seis tentativas de interceptação foi de 10 minutos, após o qual o objeto ou objetos deixaram a área para desaparecer. O caso foi para os arquivos do Projeto Blue Book e estudado pelo chefe da organização, Edward Ruppelt, que escreveeu sobre ele em seu livro “The Report on the Unidentified Flying Objects” (“O Relatório sobre os Objetos Voadores Não Identificados”, em tradução livre), de 1955, bem como pelo Físico Sênior do Instituto de Física Atmosférica e professor do Departamento de Meteorologia da Universidade do Arizona, Tucson, Arizona, Dr. James E. McDonald.

Tornou-se um caso conhecido como uma das primeiras vezes em que os pilotos usaram radar aerotransportado para rastrear um OVNI e, portanto, é um acréscimo único à história da ovnilogia e um caso importante, mas pouco conhecido.

Brent Swancer

(Fonte)


E há muito mais que nem mesmo foi reportado. Sim, eles estão nos nossos mares, céus e no espaço ao redor do nosso planeta. Precisamos saber quem são e o que querem.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

USE O CUPOM OVH10 E GANHE 10% DE DESCONTO!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp