web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Cientista importante da NASA disse que viu sinais de vida em Marte

Tempo de leitura: 3 min.

Gilbert V. Levin colocou sua reputação em risco ao insistir que havia encontrado evidências de vida em Marte, e foi até ridicularizado por alguns colegas, mas manteve suas afirmações até o dia de sua morte.

Cientista importante da NASA disse que viu sinais de vida em Marte
Um objeto em forma de verme avistado em fotos de um jipe-sonda em Marte provocou alegações de que era uma ‘prova’ de vida no Planeta Vermelho (Imagem: NSA-UFOSD)

Quando o cientista da NASA, Gilbert V. Levin, morreu no início deste ano, na idade avançada de 97, ele foi para o túmulo acreditando ter encontrado evidências de vida em Marte.

Quarenta e cinco anos atrás, Levin supervisionou um experimento na sonda Viking Mars da NASA. O experimento Labeled Release foi projetado para detectar todos os gases que os microorganismos do solo marciano “exalaram”.

Levin escreveu:

“Em 30 de julho de 1976, o LR [teste de liberação rotulada] retornou seus resultados iniciais de Marte. Surpreendentemente, eles foram positivos.”

O experimento foi executado quatro vezes, em quatro locais diferentes. Os resultados foram, disse Levin, “semelhantes aos produzidos por testes LR de solos na Terra”.

Deveria ser motivo de comemoração, mas a NASA não tinha tanta certeza. Outro instrumento na sonda, o Experimento de Análise Molecular Viking, falhou em detectar matéria orgânica no solo marciano seco e fortemente irradiado e a NASA concluiu que o que quer que o instrumento de Levin tenha detectado era algo que “imitava vida, mas não vida“.

No entanto, Levin não estava convencido. Até o fim de sua vida, ele afirmou que o experimento LR detectou vida no Planeta Vermelho.

Ele escreveu em 2019:

“Inexplicavelmente, ao longo dos 43 anos desde a Viking, nenhuma das sondas subsequentes de Marte da NASA carregou um instrumento de detecção de vida para acompanhar esses resultados emocionantes.”

O apoio obstinado de Levin às suas descobertas custou-lhe sua reputação científica.

Ele disse:

“Eu dei uma palestra na National Academy of Sciences dizendo que detectamos vida, e houve um alvoroço.”

Ele foi questionado e os participantes jogaram camarões do bufê nele. Um membro da audiência disse a ele: “Você desgraçou a si mesmo e a ciência”.

Levin expôs as razões pelas quais acreditava que suas descobertas estavam corretas.

Levin morreu acreditando ter encontrado evidências de vida em Marte. (Imagem: Gilbert Levin)

Ele citou água suficiente para sustentar microorganismos encontrados pelas sondas Viking, Pathfinder, Phoenix e Curiosity da NASA, o rápido desaparecimento do metano da atmosfera marciana e o fato de que a atmosfera marciana está em desequilíbrio.

Levin disse:

“Seu CO2 deveria há muito ter sido convertido em CO pela luz ultravioleta do Sol.”

Sua afirmação mais espetacular foi uma “característica semelhante a um verme estava em uma imagem tirada pelo Curiosity”.

A maioria dos cientistas planetários rejeitou as conclusões de Levin. Mas sua fé de que o experimento LR havia funcionado exatamente como deveria nunca vacilou.

Em 2012, uma equipe internacional de cientistas – que incluía Levin, reexaminou os resultados do Viking LR. Eles concluíram que o teste detectou “vida microbiana existente em Marte“.

Levin também sugeriu que microrganismos vivos poderiam ter viajado entre a Terra e Marte em meteoritos dezenas de vezes ao longo dos milênios.

O cientista da NASA Chris McKay concordou com ele, dizendo que Marte e a Terra quase certamente estão “trocando saliva” por bilhões de anos.

Um experimento para mostrar que microorganismos poderiam sobreviver do lado de fora da Estação Espacial Internacional, apesar de serem expostos ao frio mortal e à radiação do espaço, encorajou a ideia de que a Terra e Marte poderiam compartilhar algumas formas de vida.

A equipe internacional por trás do experimento escreveu:

“Os resultados apresentados neste estudo podem aumentar a consciência sobre as preocupações com a proteção planetária, por exemplo, a atmosfera marciana que absorve radiação UV abaixo de 190-200 nm”.

Em algum ponto, é quase certo que a humanidade encontrará algum tipo de vida microbiana em outras partes do sistema solar. Mas se Levin estava certo, já o fizemos.

(Fonte)


E quase que certamente Levin estava certo. Uma pena ele ter morrido sem a “ciência” se desculpar dele.

O preconceito de grande parte dos cientistas para com a descoberta de vida fora de nosso planeta – o que é paradoxal, pois uma das missões da ciência é encontrar essa vida – impede o progresso nesta área. Mas talvez as coisas estejam mudando agora e essa resistência poderá se apagar à medida que mais pessoas de mentes abertas e sem o “medão” de encontrar vida lá fora entram no campo científico. …Ou não.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

USE O CUPOM OVH10 E GANHE 10% DE DESCONTO!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp