web analytics
Tempo de leitura: 6 min.

Transumanistas se reúnem para mudar o mundo

Tempo de leitura: 6 min.

Por Joe Allen

O transumanismo é uma religião futurista que exalta a tecnologia como o poder máximo. O objetivo do movimento é fundir o homem com a máquina. Suas profecias mais extravagantes parecem ridículas no início, até que você considere os avanços vertiginosos da biônica, robótica, neuroprostética, realidade virtual, inteligência artificial e engenharia genética.

Transumanistas se reúnem para mudar o mundo
É assim que “eles” querem que fiquemos? Crédito da imagem: depositphotos

Figuras proeminentes se reuniram na conferência TransVision 2021 em Madrid no fim de semana de 16 de outubro. Ouvindo os procedimentos online, ouvi uma ampla gama de esquemas totalizantes. Não havia Luditas ou Amish no palco, mas é claro, a Espanha é um longo caminho para uma charrete. Além disso, nenhuma pessoa não vacinada pode atravessar legalmente a fronteira espanhola.

Os transhumanistas sustentam que a condição humana de ignorância, solidão, tristeza, doença, velhice e morte pode ser transcendida por meio de dispositivos aprimorados. Muitos acreditam que o tribalismo também será eliminado – talvez por meio de implantes cerebrais – mas essa camarilha de elite tende a ser tão convicta, que os humanos legados não terão voz no assunto.

Suas ideias radicais dificilmente são marginais. Os valores transumanos foram implicitamente adotados pelos tecnólogos mais ricos do mundo. Considere Bill Gates empurrando vacinas universais, a busca de Jeff Bezos por “prolongamento da vida”, os implantes cerebrais propostos por Elon Musk, as incursões de Mark Zuckerberg no Metaverso e os planos de Eric Schmidt para uma tecnocracia americana competindo contra a China.

Se Big Tech é a igreja estabelecida, os transumanistas são os Padres do Deserto na vastidão.

O Culto da Singularidade

Naturalmente, o tom dominante na TransVision foi definido por transumanistas durões: Max e Natasha More, José Cordeiro, David Wood, Jerome Glenn, Phillipe van Nedervelde, Ben Goertzel, Aubrey de Gray, Bill Faloon e, mesmo em sua ausência, Ray Kurzweil, im importante diretor de P&D da empresa Google e fundador da Singularity University. Cada proponente tem um ângulo único, mas eles convergem em um mito compartilhado.

Permitindo a variação, os transhumanistas confessam que não existe outro Deus senão o futuro Deus Computador. Eles acreditam que a neuroprostética permitirá a comunhão com essa divindade artificial. Eles acreditam que os companheiros robôs devem ser normalizados. Eles acreditam que a tecnologia da longevidade conferirá uma imortalidade aproximada. Eles acreditam que a realidade virtual oferece uma vida que vale a pena ser vivida. Acima de tudo, eles acreditam que a Singularidade está próxima.

De acordo com o Culto da Singularidade e seu profeta, Ray Kurzweil, veremos inteligência geral artificial em 2029. Ao contrário de algoritmos estreitos que executam tarefas específicas, AGI será uma cognição robusta realizada por redes neurais, muito mais rápido do que qualquer cérebro humano.

Em 2045 (ou 2049), atingiremos a Singularidade – quando a superinteligência artificial ultrapassar o intelecto humano a ponto de não podermos compreender seu resultado. Humanos puramente orgânicos serão deixados na poeira inteligente. Nossa única chance de sobrevivência a longo prazo é fundir nossas mentes e corpos com a Máquina Todo-Poderosa – para nos tornarmos uma nova espécie pós-humana.

Portanto, nosso significado na vida é garantir que o futuro Deus Computador seja benevolente, enquanto ainda temos tempo. (Na maioria dos casos, ‘benevolente’ é sinônimo de ‘globalista esquerdista’.) Os sistemas de aprendizado de máquina atuais são solicitados por programadores e, em seguida, treinados com nossa linguagem e comportamento por meio de extração de dados em massa.

À medida que os computadores avançam para a superinteligência, a história continua, sua produção se inclinará em direção à bússola moral da humanidade. Eventualmente, esta divindade digital pode colonizar galáxias distantes – transformando toda a matéria utilizável em mente computadorizada – então nossas ações hoje podem determinar o destino de todo o universo.

Lembro-me dos mutantes subterrâneos que adoravam a bomba atômica em “Beneath the Planet of the Apes” ((bra: “De Volta ao Planeta dos Macacos”; prt: “O Segredo do Planeta dos Macacos”). Muitos mamíferos usam ferramentas para sobreviver, mas mesmo um chimpanzé sabe melhor do que levantar uma vara e chamá-la de “Deus”.

Tecnocracia e seus descontentamentos

De volta à Terra, a fase inicial deste esquema está longe do céu. Assim como a TV manteve os americanos pacificados e grudados em seus sofás, a revolução digital tem profundos efeitos desmoralizantes e desumanizadores.

Para seu crédito, a TransVision convidou um punhado de críticos a soar o alarme. A especialista em ética Sara Lumbreras discutiu o impacto devastador dos smartphones e das mídias sociais na capacidade de atenção, memória e autocontrole.

Ela perguntou:

“Se você pode apenas pesquisar as informações no Google, por que isso importa? Por que lembrar das coisas é a única maneira de usarmos essas informações para o pensamento crítico e criativo.”

Tanto os transumanistas quanto os luditas veem a dependência 24 horas nos sete dias da semana nos smartphones como uma fase inicial de nossa simbiose com as máquinas. Apesar de toda a conveniência obtida, muitos professores temem que a mudança para as plataformas digitais esteja tornando as crianças anti-sociais e funcionalmente analfabetas. Uma geração inteira está se perdendo no prazer próprio.

O Mito Wireheading

O filósofo de Oxford, Anders Sandberg, discutiu um experimento de 1954 em neuroprostética. Usando eletroestimulação, o cientista James Olds descobriu o centro do prazer no cérebro de um rato. Ele instalou vários ratos, permitindo que eles se estimulassem pressionando uma alavanca. Esses roedores “wireheads” (algo como “cabeças cabeadas”) pararam de fazer qualquer coisa além de empurrar a alavanca. Um por um, eles morreram com sorrisos em seus rostos.

Os videogames e os opioides corporativos nos encontram em uma situação semelhante. Mesmo na era vitoriana, explicou Sandberg, os intelectuais se perguntavam se os humanos já estavam se tornando parasitas nas máquinas:

“Eles conectaram isso a descobertas na biologia de que os parasitas muitas vezes parecem ser formas simplificadas de espécies mais antigas [e eles pensaram] que poderíamos nos tornar algum tipo de craca parada na infraestrutura tecnológica, perdendo lentamente nossos cérebros.”

Daí o “Mito Wireheading” – a narrativa de que a civilização pode entrar em colapso devido ao tecno-hedonismo. Sandberg insistiu que, embora esta história não seja completamente falsa, também não é inevitável:

“Construir a verdadeira felicidade é algo realmente complexo, mas sabemos que podemos aumentá-la.”

Em conclusão, ele se perguntou:

“Podemos usar a ambição transumana para dizer …‘Quero ser muito mais feliz, quero que sociedades inteiras sejam mais felizes. … Eu quero que minhas inteligências artificiais busquem o bem verdadeiro e daimônico?’”

De Atari a Alpha Centauri

Sandberg é um otimista, mas não sem reservas. Ele contemplou os perigos da superinteligência artificial rigorosamente. Essa entidade digital seria totalmente imprevisível para meras mentes humanas e talvez incontrolável. Em um sentido real, a IA avançada é comparável ao desenvolvimento de ogivas termonucleares.

Uma hipótese humorística é um sistema de IA que faz clipes de papel. E se tudo der errado e transformar tudo na Terra em clipes de papel, incluindo nós? Mais realisticamente, e se uma IA avançada for programada para resolver a mudança climática e chegar à conclusão direta de que os humanos devem ser exterminados?

Sandberg leva esses riscos existenciais a sério, mas no final, ele está pronto para ir para isso.

Um ciborgue mais bondoso e gentil

O termo “transumanismo” evoca tal repulsa, as pessoas normais recuam imediatamente. Então, o alfa-dog transhumanista Max More – uma figura importante no laboratório de criônica da Alcor – exortou o público a abandonar palavras carregadas como ‘imortalidade’ em favor de ‘extensão da vida’. Enquanto isso, 184 clientes falecidos ficaram congelados em suas instalações, cerca de US $ 200.000 no buraco, esperando para serem ressuscitados.

Nós, mortais, temos preocupações mais urgentes. Discutindo o deslocamento de pessoas reais por robôs e inteligência artificial, Jerome Glenn do Projeto Millennium foi enfático ao dizer que “artistas, magnatas da mídia e animadores” deveriam preparar psicologicamente o público para aceitar a obsolescência econômica.

O alarme mais alto foi dado pela especialista em ética em tecnologia Nell Watson, consultora da Apple e presidente do IEEE.

disse ela, chocando todos ao acordá-los:

“As crises globais de saúde estão sendo usadas como desculpa para um maior autoritarismo. [E] isto pode acabar como um Cavalo de Troia para algum tipo de sistema de monitoramento de crédito social.”

Ela ainda advertiu:

“Hoje, são as terapias de imunidade, mas em 10 ou 15 anos, podem ser pessoas que rejeitam algum tipo de interface cérebro-computador … ou uma tecnologia financeira que está ligada à biometria”.

Ela temia que os transumanistas pudessem se tornar bodes expiatórios para políticas opressivas pelas quais eles não são responsáveis.

Em resposta, Anders Sandberg usou o Twitter para defender os mandatos das vacinas no local de trabalho. A conferência avançou rapidamente.

O futuro já chegou

Como uma ideologia ampla, o transumanismo é tão relevante para o século XXI quanto o comunismo foi para o século XX. Em meados de 1800, Karl Marx e sua equipe eram meros intelectuais socialistas. Em 1923, os bolcheviques conquistaram a Rússia. Em 1949, Mao havia conquistado a China. Em nossa era de tecnologia onipresente, sociedades inteiras são revolucionadas antes que alguém possa compreender a mudança.

Os futuristas que se reuniram em Madri naquele fim de semana – junto com aqueles que pregam a tecnocracia no Fórum Econômico Mundial – estão lançando as bases intelectuais para uma ordem social totalmente digitalizada. Hoje, é a Quarta Revolução Industrial – um paradigma global de transformação total – adotado pela Microsoft, Alibaba, Sony, General Motors, Mozilla e Salesforce, entre muitos outros. Amanhã, proclamam os fiéis, haverá superinteligência artificial, implantes cerebrais e drones assassinos imparáveis.

Os rótulos não importam. Na medida em que o Vale do Silício, o setor de tecnologia chinês e várias start-ups peculiares convergem para o objetivo central – fundir seres humanos com dispositivos digitais – você poderia dizer que o transumanismo já é uma ideologia dominante. Basta olhar além deste texto e focar na tela brilhante para ver que suas fantasias estão se tornando realidade.

(Fonte)

Colaboração: Henrique Carvalho


Não costumo entrar neste âmbito, mas ao ler esta notícia não posso me conter: Deu para entender agora o que “eles” querem e para onde as coisas estão encaminhadas pelos donos do mundo, ou precisa ser desenhado?

Sinceramente, chamem-me do que quiserem, mas não quero fazer parte disso. Quero, mesmo dentro do meu limitado poder intelectual, ser eu até a hora que sair daqui para algo além, que tudo indica existe seja lá o que for, dentro da continuidade projetada por quem projetou o Universo. Quero saber o que vem depois, mesmo se não venha. Quero passar por isso como um humano livre, dono de minhas faculdades mentais, capaz de seguir o caminho que eu mesmo escolher. Quero colher minha recompensa pelo que fiz bem e pagar pelos meus erros também, e neste tempo também trocar conhecimento para contribuir com aqueles que, como eu, querem ser livres. Assim é viver plenamente.

Ninguém é meu dono. Não sou um borg, cuja a única função é servir de marionete para satisfazer o ego desses que querem controlar a humanidade.

O “progresso” que eles nos vendem tem um custo, e este custo é “subtrair” a humanidade, começando pela retirada de seu livre arbítrio. E o pior de tudo é que a grande massa aplaude – pobres incautos que não sabem o que vem depois. São enganados por essas promessas assim como os silvícolas o foram ao receberem “espelhinhos” e colares em troca de seu ouro.

Você, como ser livre, faça o que quiser… isto é, se ainda for livre. Mas lembre-se que o preço a ser pago no final pode ser o seu próprio “eu”, sua essência.

Se a humanidade não acordar para este plano nefasto e isto não pode ser mudado, só posso dizer uma coisa: Parem o planeta que eu quero descer!

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

USE O CUPOM OVH10 E GANHE 10% DE DESCONTO!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp