web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Deveríamos usar lentes gravitacionais para encontrarmos ETs?

Tempo de leitura: 3 min.

Stephen Kerby queria saber se construir um transmissor gigante em torno do Sol valeria a pena. O objetivo? Ver se poderíamos usá-lo como um amplificador para enviar mensagens a ETs – ou se poderíamos detectar os sinais enviados por transmissores de estrelas alienígenas.

Deveríamos usar lentes gravitacionais para encontrarmos ETs?
Nesta imagem capturada pelo Telescópio Espacial Hubble, a gravidade de uma galáxia vermelha luminosa distorceu gravitacionalmente a luz de uma galáxia azul muito mais distante. ESA / Hubble & NASA

Kerby, um estudante graduado do departamento de astronomia da Penn State University, disse ao site Inverse:

“Decidi investigar os desafios de engenharia de usar a gravidade de uma estrela para focar as transmissões interestelares. Examinar esses desafios esclarece se usar uma estrela para transmissão com lente é prático e vale a pena o esforço.”

O que Kerby propõe é um sistema de transmissão de relê estelar, que usa as lentes gravitacionais de uma estrela para transferir a comunicação através do espaço em uma taxa mais rápida. Para sua última pesquisa, Kerby e seus colegas examinaram a praticidade de construir este sistema e se os cientistas também podem detectar sistemas semelhantes construídos por civilizações alienígenas na Via Láctea.

O estudo está disponível no servidor de pré-impressão arXiv.

As descobertas sugerem que o Sol ou a estrela anã vermelha próxima, Estrela de Barnard, são hospedeiros viáveis ​​para um relê estelar. Mas outros sistemas famosos da Via Láctea, como Alpha Centauri e Sirius, não são adequados devido à sua forma, taxa de rotação ou companheira estelar que os faz oscilar muito.

O que são lentes gravitacionais?

Lentes gravitacionais são um efeito cósmico que atua como uma lente de aumento gigante.

Isto ocorre quando um grande objeto como uma estrela ou galáxia passa na frente de um objeto no fundo, distorcendo e amplificando a luz vinda de uma fonte distante. Por exemplo, se os cientistas observarem uma galáxia distante da Terra, um aglomerado de galáxias situado ao longo da mesma linha de visão aumentará a quantidade de luz proveniente dessa galáxia distante, criando o mesmo efeito de uma lente de aumento.

Este efeito foi previsto pela primeira vez pela Teoria da Relatividade de Einstein.

Teoricamente, uma civilização poderia usar o mesmo efeito para amplificar as transmissões. As antenas parabólicas usadas para transmitir sinais de rádio enviam sinais na forma de um cone, espalhando-se à medida que a luz se afasta do transmissor.

Mas esse sinal seria muito espalhado – e, portanto, muito fraco – para ser detectado em um nível cósmico. Portanto, se alienígenas estão enviando esses sinais, as chances de detectá-los da Terra são mínimas.

Kerby diz:

“No entanto, a Teoria da Relatividade de Einstein permite que a luz seja dobrada para dentro pela força gravitacional de um objeto massivo como o Sol. Desta forma, o campo gravitacional de uma estrela poderia atuar como a lente de um holofote, focalizando a transmissão de rádio em um feixe fortemente focado que se espalharia muito mais lentamente e preservaria o brilho em distâncias interestelares.”

Usando o efeito de lente gravitacional de uma estrela como o Sol, essas transmissões seriam muito mais potentes e fáceis de detectar.

O que há de novo?

Para o novo estudo, Kerby examinou o que seria necessário para construir um sistema de transmissão em torno de uma estrela.

Ele diz:

“Para construir um sistema de comunicação de relê estelar, você precisa colocar uma espaçonave transmissora bem longe do lado oposto do Sol de sua estrela-alvo.”

Para uma estrela como o Sol, a sonda precisa ter pelo menos 500 UA (igual a 500 vezes a distância da Terra ao Sol).

A nave espacial então precisa manobrar para manter o Sol alinhado com o alvo interestelar distante, porque o Sol está constantemente oscilando devido à força gravitacional dos planetas.

Uma vez que o alinhamento é mantido, a espaçonave pode apontar sua antena parabólica de transmissão para o Sol e usar as lentes gravitacionais para criar um feixe de informação que vai para a estrela distante, de acordo com os pesquisadores por trás do estudo.

Por meio da pesquisa, eles descobriram que muitas estrelas não seriam adequadas para esse tipo de lente porque são acompanhadas por uma estrela companheira ou um planeta gigante orbitando firmemente ao redor de sua estrela natal em questão de dias.

Isso faz com que as estrelas “balancem” demais, dificultando a manutenção do alinhamento.

Kerby diz:

“Além disso, muitas estrelas giram muito rapidamente e têm formato achatado, o que mancha e distorce o efeito de lente, dificultando o foco.”

Podemos procurar sistema de relê estelar alienígena?

A pesquisa faz parte de uma colaboração maior com o SETI (Search for ExtraTerrestrial Intelligence/Busca por Inteligência Extraterrestre), uma série de programas inter-relacionados que buscam vida inteligente além do nosso sistema solar.

As descobertas também podem ajudar os cientistas a rastrearem esses tipos de sinais em todo o cosmos, especialmente se os alienígenas estiverem usando nossa própria estrela para enviar transmissões.

Os pesquisadores apontariam um telescópio para o ponto oposto ao alvo em relação ao Sol, e eles seriam capazes de detectar um sinal da espaçonave transmissora, de acordo com Kerby.

Kerby diz:

“Nesse ponto, você detectou um sinal estranho e desconhecido em um espaço interestelar próximo e começaria a colaborar com outros astrônomos e autoridades científicas para testar hipóteses e descartar outras explicações.”

O que fazer então para construirmos nossas lentes gravitacionais?

Mais investigações são necessárias para verificar se uma civilização extraterrestre inteligente construiria um sistema de retransmissão estelar.

Enquanto isso, os pesquisadores também estão analisando o que seria necessário para construir um sistema de retransmissão ao redor do Sol.

A pesquisa mostrou que os principais desafios de engenharia para construir um sistema de relê estelar incluem colocar uma sonda a uma distância de 500 UA ou mais do Sol (a sonda mais distante está a pouco mais de 100 UA do Sol), ter um sistema de propulsão confiável para manter o alinhamento e manter a operação autônoma a tão grande distância, de acordo com Kerby.

Kerby ainda informou:

“Só o tempo dirá se a humanidade pode trabalhar em conjunto para alcançar esses desafios científicos.”

(Fonte)


Dentro de minha profunda ignorância, só posso dizer que se trata de um grande exercício em futilidade. Alienígenas avançados não usariam ondas de rádio – as quais não viajam mais rápido do que a velocidade de luz – para se comunicarem através das distâncias interestelares. Isto é um grande empecilho para a comunicação interestelar devido à demora da transmissão.

O que eu imagino é que eles usariam algo que eu chamaria de “transmissão quântica”, que poderia ser imediata, independentemente das distâncias. Mas esta é somente a minha opinião, a qual no mundo da ciência vale zero.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

USE O CUPOM OVH10 E GANHE 10% DE DESCONTO!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp