web analytics
Tempo de leitura: 5 min.

E se não formos a primeira civilização avançada da Terra?

Tempo de leitura: 5 min.

Os cientistas da Terra na virada do século, Gavin Schmidt entre eles, ficaram fascinados por um segmento da história geológica de 56 milhões de anos conhecido como Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno (MTPE). O que mais os intrigava era sua semelhança com nossa época: os níveis de carbono dispararam, as temperaturas dispararam, os ecossistemas eclodiram. Em seminários profissionais, os especialistas tentaram adivinhar quais processos naturais poderiam ter desencadeado um aquecimento global tão severo. Nos jantares que se seguiram, eles se entregaram a especulações menos convencionais.

E se não formos a primeira civilização avançada da Terra?
Uma civilização avançada poderia ter existido na Terra muito antes de nós.

Durante um desses casos, Schmidt, agora diretor do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA, não resistiu à comparação. Se a mudança climática moderna – inequivocamente o produto da indústria humana – e o MTPE forem tão parecidos, ele ponderou:

“Não seria engraçado se a causa fosse a mesma?”

Seus colegas ficaram encantados com a implicação. Uma raça ancestral de galinhas inteligentes, movidas a combustíveis fósseis? Lêmures? “Mas”, diz ele, “ninguém levou isso a sério, obviamente”. Até que, quase duas décadas depois, ele mesmo levou a sério.

Um dia, em 2017, Schmidt recebeu a visita de Adam Frank, astrofísico da Universidade de Rochester em busca de informações sobre se civilizações em outros planetas inevitavelmente alterariam seus climas como nós. Verdade seja dita, Frank esperava que sua conjectura estranha soasse levemente estranha.

Ele ficou surpreso quando Schmidt interrompeu com uma ideia ainda mais estranha, que ele vinha incubando há anos:

“O que te dá tanta certeza de que somos a primeira civilização neste planeta?”

Mundos internos

Uma coisa que quase todas as criações humanas têm em comum é que, geologicamente falando, elas desaparecerão em pouco tempo. Pirâmides, calçadas, templos e torradeiras – erodindo e logo sendo enterrados e transformados em pó sob as placas tectônicas em movimento. O mais antigo pedaço de superfície expansivo é o Deserto de Negev, no sul de Israel, e data de apenas 1,8 milhão de anos. Assim que desaparecermos, não demorará muito para a Terra apagar a fachada que a civilização humana construiu em sua superfície. E o registro fóssil é tão esporádico que uma espécie de vida curta como nós (pelo menos até agora) pode nunca encontrar um lugar nele.

Como, então, os observadores em um futuro distante saberiam que estávamos aqui? Se a evidência direta de nossa existência está fadada ao esquecimento, restará alguma coisa para alertá-los? É um pequeno passo dessas perguntas tentadoras para a que Schmidt fez a Frank: e se formos os futuros observadores, descartando algum predecessor pré-histórico que governou o mundo há muito, muito tempo?

A mente de Frank girou enquanto ele considerava. Um devoto do cosmos, ele se sentiu repentinamente atordoado pela imensidão alucinante do que havia por baixo, e não acima, dele.

Ele disse a Schmidt:

“Você está olhando para o passado da Terra como se fosse outro mundo.”

À primeira vista, a resposta parecia evidente – certamente saberíamos se outra espécie tivesse colonizado o globo como o Homo sapiens fez. Ou, ele agora se perguntava, não é?

Faça a analogia em que toda a história do planeta é comprimida em um único dia: a vida complexa surgiu cerca de três horas atrás; A era industrial durou apenas alguns milésimos de segundo. Dada a rapidez com que estamos tornando nosso lar inabitável, alguns pesquisadores acreditam que a vida média de civilizações avançadas pode ser de apenas alguns séculos. Se isso for verdade, as últimas centenas de milhões de anos podem ocultar qualquer número de períodos industriais.

Tecnoassinatura da humanidade

Nos meses que se seguiram a essa conversa, Frank e Schmidt elaboraram o que parece ser a primeira resposta acadêmica completa à possibilidade de uma civilização pré-humana na Terra. Até mesmo a ficção científica negligenciou a ideia em grande parte. Um episódio dos anos 1970 de Doctor Who, no entanto, é estrelado por répteis inteligentes, despertados por testes nucleares após 400 milhões de anos de hibernação. Em homenagem a esses antepassados ​​fictícios, os cientistas apelidaram seu experimento mental de “hipótese siluriana”.

Ambos os cientistas são rápidos em explicar que eles realmente não acreditam na hipótese. Não há a menor evidência para isso. A questão, como diz Frank, é que “a questão é importante e merece ser respondida com acuidade”, não descartada de imediato. Além disso, ele diz, “você não pode saber até que você olhe, e você não pode olhar até que você saiba o que procurar”. Para ver quais vestígios uma civilização industrial pode deixar para trás, eles começam com a única que conhecemos.

Nossa marca aparentemente indelével neste planeta será um dia reduzida a uma fina camada de rocha, composta de materiais ecléticos com os quais construímos o mundo humano. Coletivamente, eles formarão nossa “tecnoassinatura”, a marca única que acompanha todas as espécies tecnológicas. Por exemplo, o sedimento de nossa época geológica atual, o Antropoceno, provavelmente conterá quantidades anormais de nitrogênio de fertilizantes e elementos de terras raras de eletrônicos. Ainda mais revelador, pode abrigar veios de substâncias que não ocorrem naturalmente, como clorofluorocarbonos, plásticos e esteroides manufaturados. (Na verdade, essa é a premissa de um conto sinistro que Schmidt escreveu para acompanhar o estudo.)

Claro, não há razão para que todas as civilizações devam se desenvolver da mesma maneira. Alguns podem nunca se aproveitar do plástico. Mas eles devem compartilhar certas características universais. Provavelmente eles dispersariam espécies indicadoras, como camundongos e ratos em nosso caso, em suas viagens. E Schmidt observa que mesmo os alienígenas não podem violar as leis da física:

“Todas as espécies tecnológicas precisam de energia? Sim, então de onde vem a energia?”

Nós, humanos, conquistamos nosso planeta com a ajuda da combustão, e parece razoável apostar que as formas de vida ascendentes em todos os lugares fazem o mesmo. É muito intuitivo, diz Frank:

“Sempre há biomassa e você sempre pode colocar fogo na biomassa”.

Por muito tempo, fundamos nossa indústria com base em combustíveis fósseis e, consequências climáticas à parte, isso deixará uma pegada geológica. O carbono ocorre em três tipos, chamados isótopos. Quando queimamos os tecidos de criaturas mortas há muito tempo, mudamos a proporção dos isótopos na atmosfera, uma mudança conhecida como efeito Suess. Os cientistas notaram proporções semelhantes em eventos como o Máximo Térmico Paleoceno-Eoceno, e se alguém está olhando para outros 50 milhões de anos, não deve ter problemas em ver isso no Antropoceno.

Alguém aí fora?

E o MTPE? Esses vapores se originaram nos motores das caldeiras primitivas? Improvável. A onda de carbono daquele período foi muito mais gradual do que aquela que começou com nossa Revolução Industrial. O mesmo é verdade para outros eventos comparáveis ​​no passado distante; os geólogos ainda não encontraram nada tão abrupto quanto o Antropoceno. Dito isso, a brevidade pode ser o problema – pode ser incrivelmente difícil distinguir intervalos curtos no registro da rocha, bem como no nível astronômico. O que nos leva ao paradoxo de Fermi.

Se o universo é tão vasto, com tantos planetas habitáveis, por que não encontramos nenhum indício de vida inteligente? Foi isso que intrigou o físico italiano Enrico Fermi. Uma solução é que muitas civilizações surgiram, mas desaparecem tão rapidamente que poucas existem em determinado momento. O tempo, como o espaço, é enorme, e os humanos podem não se sobrepor a muitos outros criadores de mundos extraterrestres, reduzindo nossa chance de descobrir algum. Então, há um cenário mais otimista: eles podem escapar de nossa atenção não porque morreram, mas porque dominaram a arte da sustentabilidade, tornando suas tecnoassinaturas menos visíveis.

Dito isso, Frank não acredita que uma espécie tecnológica possa se tornar indetectável – sutil, certamente, mas não invisível. Para construir painéis solares, você precisa de matéria-prima; para adquirir esses materiais, você precisa de alguma outra forma de energia. Quanto à energia eólica, pesquisas recentes sugerem que, mesmo que levantássemos turbinas suficientes para abastecer o planeta, elas também contribuiriam para o aquecimento de curto prazo. Isso, diz Frank, demonstra em escala global o princípio de que não há almoço grátis:

“Você não pode construir uma civilização mundial sem receber algum tipo de feedback”.

A busca (e luta) pela vida

Desde a publicação da hipótese siluriana, os autores previsivelmente atraíram tantos os excêntricos quanto os acadêmicos.

Schmidt diz:

“Todos eles e seus cachorros que têm um podcast de alienígenas do passado queriam nos entrevistar.”

Tanto Schmidt quanto Frank percebem que a perspectiva dos primeiros terráqueos é sedutora. Mas, independentemente de quem se apegue à sua hipótese, eles ainda veem lições científicas significativas em suas pesquisas.

Por um lado, eles esperam que inspire os geólogos a pesquisar (e os astrobiólogos a olhar para fora) para aprimorar seus métodos de detecção. Para identificar uma civilização passada, eles argumentam, os cientistas devem pesquisar uma ampla gama de sinais de uma só vez, desde flutuações de carbono a produtos químicos sintéticos. E eles precisarão identificar a ascensão e queda desses sinais, dada a importância do momento para distinguir as causas naturais e industriais.

A hipótese também se baseia na famosa equação de Drake, usada para calcular o número de civilizações ativas na galáxia da Via Láctea. A equação presume no máximo uma civilização por planeta habitável; um aumento nessa estimativa pode mudar radicalmente sua produção, ou a probabilidade de termos vizinhos galácticos inteligentes.

Talvez o mais importante, o trabalho de Frank e Schmidt representa um apelo à ação e humildade. Pode ser que ambas as soluções potenciais para o paradoxo de Fermi – extinção e transcendência tecnológica – sejam possíveis. Em caso afirmativo, temos uma escolha, com diz Schimidt:

“Vamos viver de forma sustentável ou vamos continuar fazendo bagunça?” “Quanto mais barulhento estivermos no cosmos, mais temporários seremos.”

Através de uma porta, os humanos alcançam um lugar duradouro no universo. Pela outra saímos, deixando apenas um rastro de migalhas de pão cataclísmicas como um aviso para os próximos caras de grande cérebro encontrar – ou ignorar.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp