web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

A peça teatral não é sobre nós

Tempo de leitura: 3 min.

Por Avi Loeb

Encontrar outra vida inteligente pode permitir que os humanos amadureçam e ganhem uma perspectiva mais modesta. Seria hora de uma nova revolução copernicana?

A peça teatral não é sobre nós
Crédito: Pixabay

Nascemos neste mundo como atores colocados em um palco sem um roteiro e tendemos a pensar que a peça teatral é sobre nós. Esse equívoco origina-se de nosso ego, que naturalmente atribui um papel central à nossa existência. Nessa mentalidade, as coisas que acontecem aos humanos devem ser desencadeadas por suas ações.

Um estudo recente realizado por arqueólogos encontrou evidências na escavação de Tall el-Hammam de que uma antiga cidade murada com vista para o vale do Jordão, 11 quilômetros a nordeste do Mar Morto, foi destruída por uma explosão de um meteoro com um diâmetro de 60-75 metros, comparável ao bólido de Tunguska que arrasou uma floresta na Sibéria em 1908. O momento da destruição da cidade, 1650 (+/- 30) anos A.C., coincide com o período de Abraão e Ló na história bíblica de Sodoma e Gomorra.

A história tradicional atribui o evento a uma retribuição divina pelos pecados praticados pelos moradores da cidade. Mas a perspectiva científica moderna implica que a rocha que desencadeou a destruição da cidade estava em seu caminho determinístico para uma colisão com a Terra muito antes da cidade ser construída ou qualquer má conduta associada ao livre arbítrio ocorresse dentro de suas paredes. A mensagem desta rocha de meteoro é alta e clara: esta história cósmica não é sobre humanos.

Esse equívoco não é exclusivo das histórias mitológicas. O antigo filósofo grego, Aristóteles, afirmou que estamos no centro do Universo. Da mesma forma, a mesma noção egocêntrica foi contemplada fora da Europa.

Por exemplo, os antigos maias rastrearam com precisão as mudanças nas posições e brilho relativo do Sol, Lua, planetas e estrelas. Eles documentaram seus dados astronômicos em livros chamados códices, com muito mais detalhes quantitativos do que outras civilizações da época. Os sacerdotes-astrônomos usaram observações e cálculos matemáticos avançados para prever eclipses e criaram um calendário solar de 365 dias que estava atrasado apenas um mês a cada 100 anos. Eles determinaram os períodos orbitais de Vênus, Marte e Mercúrio ao redor do Sol, mas a Terra estava no centro de seu Universo.

Os maias usaram seus dados precisos para apoiar uma cultura da astrologia. Eles correlacionaram os movimentos periódicos de objetos celestes com a história humana e, em vez de buscarem uma explicação física para seus dados astronômicos, eles a usaram para iniciar guerras ou rituais. Os astrônomos adquiriram um status elevado na sociedade maia porque seus dados tinham implicações políticas. Foi baseado na crença de que o resultado das ações humanas está relacionado ao resto do Universo, conforme observado no céu. Mas a realidade é que não importamos muito na perspectiva cósmica global além da Terra.

O modelo geocêntrico era o paradigma prevalecente até Nicolaus Copernicus usar dados observacionais para revolucionar a perspectiva sobre nosso status cósmico. O ponto de vista moderno baseado em dados sobre a radiação cósmica de fundo e a distribuição em grande escala da matéria ao nosso redor é que não somos o centro de nenhum sistema do universo físico que nos rodeia.

No entanto, muitos cientistas ainda acreditam que podemos ser centrais como seres inteligentes únicos dentro do universo biológico. No verão de 1950, Enrico Fermi perguntou: “onde estão todos?” mas seu paradoxo é presunçoso. Ele parte do princípio que se não ouvirmos uma batida à nossa porta ou não virmos ninguém a festejar em no nosso “quintal”, então não temos vizinhos. Uma assertiva mais razoável, com base na modéstia cósmica, é que não merecemos atenção especial ou não procuramos o suficiente por pistas relacionadas.

Ainda hoje, muitos cientistas rejeitam a busca por inteligência extraterrestre com base na noção de que a Terra pode ser rara. Mas os dados do satélite Kepler indicam que uma grande fração das estrelas semelhantes ao Sol hospeda um planeta do tamanho da Terra aproximadamente na mesma separação. Assim, a natureza continua nos dando a mensagem de que não somos privilegiados de forma alguma.

Chegou o momento de uma nova revolução copernicana em relação ao nosso status entre as formas de vida no cosmos.

Minhas filhas achavam que eram as mais inteligentes até que as levamos para o jardim de infância. Da mesma forma, nossa civilização só amadurecerá depois de encontrar outras. Esperamos que encontrar uma criança mais inteligente em nosso bloco cósmico tenha um impacto profundo na maneira como tratamos uns aos outros. Grande parte da história humana foi moldada por grupos de pessoas que se sentiam superiores em relação aos outros. Nossas pequenas diferenças genéticas se tornarão insignificantes assim que todos nós olharmos com admiração para equipamentos tecnológicos muito mais avançados do que jamais desenvolvemos.

O recém-anunciado Projeto Galileo buscará esse tipo de equipamento no espaço próximo à Terra. Seguindo os dados científicos, podemos obter um melhor senso da realidade. Aprender significa abrir mão de conceitos errôneos sem avaliá-los como uma ameaça à nossa auto-estima.

Sabemos que a peça teatral já dura 13,8 bilhões de anos desde o Big Bang, dez mil vezes mais do que a história humana. Portanto, não há dúvida de que a peça não é sobre nós. Portanto, devemos buscar outros atores que já estão por aí há mais tempo e podem ter uma perspectiva melhor sobre o que é o enredo.

(Fonte)


Concordo parcialmente com Avi Loeb, pois eu diria que a “peça teatral” é também sobre nós. Afinal, alguns cientistas até dizem que a realidade depende da consciência e, se isto for verdade, nossas consciências contribuem para a existência do todo.

Talvez, tudo no Universo esteja conectado e interdependente. …Talvez.

Plugin Kapsule Corp