web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Físicos encontram “Singularidade do Triângulo”

Tempo de leitura: 3 min.

Físicos vasculhando antigos dados do acelerador de partículas encontraram evidências de um processo altamente evasivo e nunca antes visto: a chamada Singularidade do Triângulo.

Físicos encontram "Singularidade do Triângulo"
Crédito: kalhh/Pixabay

Vislumbrado pela primeira vez pelo físico russo Lev Landau na década de 1950, a singularidade do triângulo se refere a um raro processo subatômico em que as partículas trocam identidades antes de voar para longe umas das outras.

Nesse cenário, duas partículas – chamadas de kaons – formam dois vértices do triângulo, enquanto as partículas que elas trocam formam o terceiro ponto do triângulo.

As partículas envolvidas trocaram quarks e mudaram suas identidades no processo“, disse o co-autor do estudo Bernhard Ketzer, do Instituto Helmholtz de Radiação e Física Nuclear da Universidade de Bonn, em um comunicado.

Isto é chamada de singularidade porque os métodos matemáticos para descrever as interações das partículas subatômicas se quebram.

Se essa troca de identidade de partícula singularmente estranha realmente acontecesse, poderia ajudar os físicos a entender a força forte, que une os núcleos.

Apontando a BÚSSOLA

Em 2015, físicos que estudavam colisões de partículas no CERN, na Suíça, pensaram que tinham visto um breve relance de uma coleção exótica de partículas de curta duração conhecida como tetraquark. Mas a nova pesquisa favorece uma interpretação diferente – algo ainda mais estranho.

Em vez de formar um novo agrupamento, um par de partículas trocou de identidade antes de voar. Essa troca de identidade é conhecida como singularidade do triângulo, e esse experimento pode ter fornecido inesperadamente a primeira evidência desse processo.

O experimento COMPASS (Common Muon and Proton Apparatus for Structure and Spectroscopy) no CERN estuda a força forte. Embora a força tenha um trabalho muito simples (manter prótons e nêutrons colados), a própria força é estonteante e complexa, e os físicos têm dificuldade em descrever completamente seu comportamento em todas as interações.

Então, para entender a força forte, os cientistas do COMPASS esmagam partículas juntas em energias superaltas dentro de um acelerador chamado Síncrotron Super Proton. Então, eles assistem para ver o que acontece.

Eles começam com um píon, que é feito de dois blocos de construção fundamentais, um quark e um antiquark. A força forte mantém o quark e o antiquark colados dentro do píon.

Ao contrário das outras forças fundamentais da natureza, que ficam mais fracas com a distância, a força forte fica mais forte quanto mais distantes os quarks se distanciam (imagine os quarks em um píon preso por um elástico – quanto mais você os separa, mais difícil fica) .

Em seguida, os cientistas aceleram esse píon até quase a velocidade da luz e o transformam em um átomo de hidrogênio. Essa colisão quebra a forte ligação de força entre os quarks, liberando toda aquela energia reprimida.

Ketzer disse:

“Isso é convertido em matéria, o que cria novas partículas. Experimentos como esses, portanto, nos fornecem informações importantes sobre a forte interação.”

Quatro quarks ou um triângulo?

Em 2015, o COMPASS analisou um recorde de 50 milhões dessas colisões e encontrou um sinal intrigante. Após essas colisões, em menos de 1% das vezes, uma nova partícula apareceu.

Eles apelidaram a partícula de “a1 (1420)” e inicialmente pensaram que era um novo agrupamento de quatro quarks – um tetraquark. No entanto, esse tetraquark era instável, então se decompôs em outras coisas.

Quarks normalmente vêm em grupos de três (que constituem prótons e nêutrons) ou em pares (como os píons), então isso era um grande negócio. Um grupo de quatro quarks foi um achado raro.

Mas a nova análise, publicada em agosto na revista Physical Review Letters, oferece uma interpretação ainda mais estranha.

Em vez de criar brevemente um novo tetraquark, todas aquelas colisões de píons produziram algo inesperado: a singularidade do triângulo fabuloso.

Aí vêm os triângulos

Aqui está o que os pesquisadores por trás da nova análise acham que está acontecendo.

O píon se choca contra o átomo de hidrogênio e se quebra, com toda a energia de força forte produzindo uma inundação de novas partículas. Algumas dessas partículas são kaons, que são outro tipo de par quarkantiquark.

Muito raramente, quando dois kaons são produzidos, eles começam a viajar em caminhos separados. Eventualmente, esses kaons irão se decompor em outras partículas mais estáveis. Mas antes disso, eles trocam um de seus quarks entre si, transformando-se no processo.

É aquela breve troca de quarks entre os dois kaons que imita o sinal de um tetraquark.

Ketzer, que também é membro da Área de Pesquisa Transdisciplinar “Blocos de Construção da Matéria e Interações Fundamentais” (TRA Matter),disse:

“As partículas envolvidas trocaram quarks e mudaram suas identidades no processo.

O sinal resultante então se parece exatamente com o de um tetraquark.”

Se você mapear os caminhos das partículas individuais após a colisão inicial, o par de kaons forma duas pernas e as partículas trocadas formam uma terceira entre elas, fazendo um triângulo aparecer no diagrama, daí o nome.

Embora os físicos tenham previsto singularidades de triângulos por mais de meio século, este é o mais perto que qualquer experimento chegou de realmente observar um.

No entanto, ainda não é totalmente certo. O novo modelo do processo envolvendo singularidades triangulares possui menos parâmetros que o modelo tetraquark e oferece um melhor ajuste aos dados. Mas não é conclusivo, uma vez que o modelo original do tetraquark ainda poderia explicar os dados.

Ainda assim, é uma ideia intrigante. Se persistir, será uma poderosa sondagem da força nuclear forte, uma vez que o aparecimento das singularidades do triângulo é uma previsão de nossa compreensão dessa força que ainda não foi totalmente examinada.

(Fonte)

Colaboração: Henrique Carvalho


Ainda estamos “anos-luz” de compreendermos como exatamente as partículas se comportam e o que pode haver em níveis abaixo delas. Porém, também estamos “anos-luz” adiante do que sabíamos um século atrás, e bem melhores equipados. Muitas mais surpresas virão.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp