web analytics
Tempo de leitura: 4 min.

Os sonhos são mais reais do que se pensava

Tempo de leitura: 4 min.

Em minha pesquisa sobre o que é a “realidade”, encontrei este artigo de Robert Lanza – M.D., e compartilho aqui com você, se for de seu interesse:

Os sonhos são mais reais do que se pensava
Crédito da imagem ilustrativa: Enrique Meseguer/Pixabay

Evidências científicas crescentes apontam para uma conclusão surpreendente sobre um fenômeno familiar, diário (ou noturno): os sonhos.

Os segredos que os sonhos podem desvendar derivam, em última análise, do fato básico de que a realidade é um processo que nos envolve – um observador consciente. Presumimos que o mundo cotidiano está “lá fora” em um sentido mais real ou independente do que o mundo dos nossos sonhos, que desempenhamos um papel menor em sua aparência. No entanto, estudos recentes mostram que a realidade do dia-a-dia é tão dependente do observador quanto os sonhos.

Conforme explicado no livro “The Grand Biocentric Design“, tudo o que vivenciamos é simplesmente um turbilhão de informações que ocorre em nossas cabeças. Na verdade, o espaço e o tempo não são objetos físicos reais, mas sim termos que designam as ferramentas que nossa mente usa para reunir informações. Eles estão entre as chaves mais críticas para a consciência e explicam porque, em experimentos com partículas e as propriedades da própria matéria, eles são sempre relativos ao observador, ao invés de serem objetivos, absolutos autônomos.

Os sonhos e a realidade cotidiana são o mesmo processo

À medida que vivemos, tomamos como certa a maneira como nossas mentes colocam tudo junto, porque o processo é fácil e seus mecanismos subjacentes são embutidos, ocultos e automáticos. Mas você pode não ter suspeitado que esse mesmo processo de moldar uma realidade 3-D aparentemente externa é o que está por trás dos sonhos. Uma vez que os reinos dos sonhos e da percepção desperta são geralmente classificados separadamente – com apenas um deles considerado como ‘real’ – eles raramente fazem parte da mesma discussão. Mas existem semelhanças interessantes que nos dão pistas de como nossa consciência opera. Estejamos acordados ou sonhando, estamos experimentando o mesmo processo, mesmo que ele produza realidades qualitativamente diferentes. Durante os sonhos e horas de vigília, nossas mentes colapsam as ondas de probabilidade para gerar uma realidade física que vem completa com um corpo funcional. O resultado dessa orquestração magnífica é nossa capacidade infinita de experimentar sensações em um mundo quadridimensional.

A gênese do reino dos sonhos começa com o simples fato de que todos os organismos dormem. O sono consiste em períodos de sonhos, chamados sono REM, e também em períodos sem sonhos, não REM. Quando acordamos, muitas vezes nos lembramos de nossos sonhos, mas não temos nenhuma lembrança de tudo o que estava acontecendo durante o período de sono não REM. Isso porque, durante um período não REM, o pacote de ondas é tão amplamente espalhado que a maioria de seus ramos são desacoplados uns dos outros, sem interações ou emaranhamento entre eles. Ao despertar, você se encontra em um desses ramos, experimentando seu mundo familiar. Durante os sonhos, no entanto, os ramos da função de propagação da onda não são totalmente independentes e desacoplados; Uma vez de volta à realidade consensual, então, a memória tem acesso a esses outros ramos, mundos.

Todos nós já tivemos a experiência de acordar de um sonho que parecia tão real quanto a vida cotidiana, mesmo que as imagens e experiências fossem totalmente desconhecidas para nós. Lembro-me de um, olhando para um porto lotado com pessoas em primeiro plano. Mais adiante, havia navios engajados na batalha. Minha mente, de alguma forma, criou essa experiência espaço-temporal a partir de informações eletroquímicas. Eu podia até sentir as pedras sob meus pés, fundindo este mundo 3-D com minhas sensações ‘internas’. A vida como a conhecemos é definida por essa lógica espaço-temporal, que nos aprisiona no universo com o qual estamos familiarizados. Como no meu sonho, os resultados experimentais da teoria quântica confirmam que as propriedades das partículas no mundo ‘real’ também são determinadas pelo observador.

Desprezamos os sonhos porque eles terminam quando acordamos. No entanto, a duração da experiência é um mau motivo para diminuí-la. Certamente, não achamos que nossa experiência da vida cotidiana seja menos real porque termina quando morremos. É verdade que não nos lembramos dos eventos em nossos sonhos tão bem quanto daqueles que ocorrem nas horas de vigília, mas o fato dos pacientes de Alzheimer poderem ter pouca memória dos eventos não significa que sua experiência seja menos real.

Transformando informações em uma tapeçaria multidimensional

Os sonhos são muito mais do que o disparo espontâneo e aleatório de neurônios que alguns insistem que são. Eles também devem ser muito mais do que a ativação de memórias aleatórias já contidas nos neurocircuitos do cérebro.

É verdade que os sonhos muitas vezes contêm uma mistura de emoções e coisas que experimentamos anteriormente, mas nos sonhos muitas vezes há pessoas, rostos e interações que o sonhador nunca experimentou antes. Um sonho é uma narrativa instantânea e ininterrupta que muitas vezes parece tão real quanto a própria vida real. Como essa trama de interações e cenários extremamente complexos poderia ser o resultado de nada além de descargas elétricas aleatórias?

Nos sonhos, não estamos apenas assistindo a um ‘mundo externo’ e imprimindo memórias passivamente em nosso circuito neural. Como é possível para o cérebro fazer isso? Como todos os componentes da experiência são fabricados do zero? Enquanto sonhamos, não estamos observando eventos e percebendo estímulos. Estamos na cama, dormindo – mas nossas mentes são capazes de criar perfeitamente novas pessoas e ambientes e fazer com que todos interajam sem esforço em quatro dimensões. Estamos testemunhando uma ocorrência incrível: a capacidade da mente de transformar informações puras em uma realidade multidimensional dinâmica. Você está realmente criando espaço e tempo, não apenas operando dentro deles como um personagem em um videogame.

Embora seja mais fácil apreciar a natureza surpreendente desse processo quando se trata de sonhos, é o mesmo processo que se aplica às nossas vidas não oníricas. De acordo com o biocentrismo, não estamos sempre apenas observando, mas criando a realidade.

E, como na vida “real”, nos sonhos, o colapso das ondas de probabilidade é um componente crítico das realidades multidimensionais que a mente cria. Colapsamos as ondas de probabilidade em nossos sonhos, assim como fazemos quando estamos acordados. Durante os sonhos, no entanto, o cérebro tem menos limitações, uma vez que não precisa obedecer a entradas sensoriais que são limitadas por leis físicas e, portanto, a mente pode gerar experiências diferentes do mundo consensual que conhecemos durante o dia.

Os observadores definem a estrutura da realidade

Agora, uma nova pesquisa, do físico teórico Dmitriy Podolskiy, em colaboração com o autor, e Andrei Barvinsky (um dos principais teóricos do mundo em gravidade quântica e cosmologia quântica) revelou algo notável – que a presença de redes estendidas de observadores define a estrutura da realidade física e do próprio espaço-tempo. Nos sonhos, saímos do universo consensual e podemos experimentar um modelo cognitivo alternativo da realidade – muito diferente daquele compartilhado por outros observadores enquanto acordados. Nos sonhos, a estrutura sutil da função de onda do universo ao nosso redor é deslocalizada e, portanto, amplamente instável. Isso explica porque você costuma ter mais poder enquanto sonha; os valores dos observáveis ​​que representam a base da realidade são mais fluidos. Como também explicado no novo artigo, a presença ou ausência de observadores influencia a própria dimensionalidade do universo.

O biocentrismo diz que o espaço e o tempo são ferramentas da mente, e os sonhos parecem ser apenas mais uma prova da verdade dessa afirmação. Se o espaço e o tempo fossem realmente externos e físicos, como se acredita popularmente, como seria possível criar algo absolutamente indistinguível deles dentro dos limites do cérebro de um sonhador?

Achamos que nossas experiências noturnas são apenas sonhos e que não são reais. Mas os sonhos e o que percebemos como realidade são basicamente da mesma natureza. Seguindo as implicações da mecânica quântica de uma forma imparcial, chegamos à unificação da realidade cotidiana e dos sonhos. E os quebra-cabeças persistentes relativos à natureza dos sonhos, da realidade e de nossas próprias vidas, todos desaparecem.

(Fonte)


– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol