web analytics
Tempo de leitura: 5 min.

Encontros bizarros com objetos subaquáticos de outro mundo

Tempo de leitura: 5 min.

Durante séculos, desde que os primeiros navios começaram a fazer seu caminho em direção ao horizonte e às bordas de nossos próprios mapas, houve estranhos fenômenos relatados das vastas extensões desconhecidas de nossos oceanos. Todos os tipos de histórias de criaturas marinhas, anomalias incomuns e outros foram trazidas de volta por navios, e um dos tipos mais intrigantes de histórias foi o de algo aparentemente sob controle inteligente operando sob as ondas.

Encontros bizarros com objetos subaquáticos de outro mundo
Suposta foto de um OSNI/OVNI

Chamados de OSNIs, ou “Objetos Submersos Não Identificados”, esses são objetos misteriosos e luzes se movendo debaixo d’água e inspirando admiração assim como seus irmãos aéreos, os OVNIs, fazem nos céus acima de nossas cabeças. Alguns dos relatos mais espetaculares de OSNIs vêm de vários navios no mar de todos os tipos, e aqui veremos um dos mistérios mais incomuns e inexplicáveis ​​das profundezas do oceano.

Um encontro muito antigo com algo estranho na água vem até nós em 1902, com um navio chamado SS Fort Salisbury. Em outubro daquele ano, o navio navegava ao largo da costa acidentada da África Ocidental através do Golfo da Guiné em mar calmo, quando algo muito estranho ocorreu por volta das 3h05. Foi então que a tripulação foi alertada por um vigia de um enorme objeto escuro a algumas centenas de metros de seu lado de estibordo. Quando um oficial chamado Andrew Rayner veio olhar, ele pôde ver que o que quer que fosse, era realmente enorme, com cerca de 150 a 180 metros de comprimento. Ele também notou que “ele tinha duas luzes, uma em cada extremidade, um mecanismo de algum tipo, ou talvez barbatanas, e estava causando uma comoção na água“. Ele também percebeu que o objeto tinha uma superfície metálica. Ele escreveu sobre o objeto em seu diário da seguinte forma:

“Ao se aproximar, a massa escura e as luzes afundaram abaixo da superfície. Preparado para examinar a esteira de passagem com binóculos. Ele passou cerca de quarenta a cinquenta metros a bombordo da esteira e descobriu que era a parte de trás de um monstro enorme que desaparecia lentamente abaixo da superfície. A escuridão da noite impediu a determinação de sua natureza exata, mas escamas de aparentemente 30 cm de diâmetro, e pontilhadas em locais com crescimento de cracas, eram claramente discerníveis.”

Isso foi tudo o que ele foi capaz de ver, porque o enorme objeto mecânico anômalo então afundou lentamente nas profundezas negras abaixo. Considerando que não havia submarinos como aquele na época, é difícil dizer o que este navio poderia ter observado. Foi sugerido que pode ter sido um grande navio afundando, mas não houve relato de tal navio perdido relatado no Registro Lloyds, e nenhum registro de um navio desaparecido, algo que certamente teria aparecido nos registros por ser algo tão grande. O estranho caso permanece sem explicação.

Outro relato estranho vem de 1947, na costa de Malta. Em junho daquele ano, um navio de pesca não identificado estava a cerca de 32 quilômetros da costa sul, empenhado na rotina de puxar suas redes. Quando as redes subiram, um dos tripulantes alertou os outros para algo estranho flutuando na superfície da água, que parecia ser o que eles descreveram como um ‘submarino preto’ flutuando nas ondas. Foi uma visão perturbadora o suficiente para que a tripulação parasse de puxar as redes e arrancasse os motores para sair dali, e naquele momento houve um flash de luz brilhante emitido pela forma preta anômala. Esta luz era brilhante o suficiente para iluminar o objeto e a vizinhança, mostrando que era liso, preto e metálico, e também havia pequenas figuras agora visíveis sobre ela, que pareciam estar usando algum tipo de aparelho em volta da cintura e foram descritos como ‘homenzinhos’. Enquanto os pescadores assustados olhavam, essas figuras diminutas, descritas como do tamanho de crianças de 10 anos de idade, pareciam entrar na embarcação. Depois disso ela começou a brilhar tanto que mal podiam olhar diretamente para ela. O objeto e sua tripulação bizarra então rapidamente submergiram e desapareceram sob as ondas para não serem vistos novamente.

Em 1963, temos o caso do Thrift, um carvoeiro de Aberdeen, na Escócia, que em 22 de novembro daquele ano estava viajando pela área com uma carga de carvão ao largo da península de Girdle Ness, ao sul da entrada do porto de Aberdeen, na Escócia. A tripulação notou uma luz vermelha piscando que parecia estar viajando cerca de 6 metros sobre as ondas numa distância próxima, passando em alta velocidade pelo lado de bombordo. Enquanto a tripulação atônita olhava para esta visão curiosa, a luz então fez uma súbita subida vertical na água com um respingo, após o qual pôde ser vista descendo através da água, fora da vista, para as profundezas escuras. Pensando que uma aeronave havia caído e afundado, o Thrift enviou um bote salva-vidas e uma equipe de busca ao local onde o objeto havia afundado, mas nenhum vestígio de destroços foi encontrado. O que essa equipe viu lá fora? Quem sabe?

Um encontro muito estranho entre um navio e um OSNI envolveu uma suposta colisão real com o objeto não identificado. Em 3 de fevereiro de 1965, a traineira de 70 toneladas Star of Freedom estava a cerca de 20 quilômetros a sudeste da ilha da Barra, nas Hébridas Exteriores, Escócia, viajando a cerca de 9 nós (16 km/h) na época, quando todo o navio foi balançado por uma colisão com algo abaixo da superfície. Obviamente, era algo muito grande, pois a colisão realmente levantou a proa do enorme navio da água e deixou um enorme buraco no casco.

Um pedido de socorro foi feito imediatamente e os esforços para bombear a água foram colocados em prática, mas o navio ficou finalmente encalhado no porto de Castlebay. Foi uma grande colisão, mas o objeto que atingiram permaneceu escondido sob as ondas. Na época, o capitão do navio, um George Wood, pensou que eles certamente teriam atingido um submarino, mas tanto a Marinha dos EUA quanto a do Reino Unido negaram ter qualquer submarino na área no momento. Considerando isso, e o fato de que eles não estavam nem perto da terra no momento, o que eles poderiam ter atingido para danificar tão gravemente um navio de 70 toneladas e retirá-lo da água? O objeto permanece desconhecido.

Nos anos mais recentes, tivemos um caso de 1991, na costa oeste da América do Sul. O caso, que foi relatado aos arquivos do site UFO Casebook, vem de uma testemunha que afirma que na época ele era um suboficial de operações e inteligência servindo a bordo da escolta de contratorpedeiro classe Knox do USS Kirk FF1087, e que eles faziam parte de uma força de interdição de drogas, composta pelo USS Kirk e três outros navios da Marinha. Sua missão principal era patrulhar usando uma rede de radar para rastrear e, em seguida, interceptar aeronaves de traficantes de drogas voando para fora da Colômbia, Panamá e Guatemala, bem como enfrentar quaisquer navios de contrabando que pudessem encontrar. A testemunha afirma que as suas principais funções decorriam no âmbito do CIC, ou Centro de Informação de Combate, que ele e outros 22 especialistas funcionavam 24 horas por dia, 7 dias por semana, alternando entre dois turnos de 11 homens.

A testemunha afirma que estava em serviço no CIC às 2h da manhã de 16 de dezembro, e era uma noite tranquila e sem nada acontecendo. Ele conta que fez uma pausa para subir até a ponte do navio, e no momento todo o navio estava em um estado denominado ‘navio escurecido’, com todas as luzes externas desligadas, assim como as da ponte, ou seja, a área estava apenas fracamente iluminada por painéis de instrumentos. Ele começou a conversar casualmente com o oficial do convés, e foi então que as coisas ficaram estranhas de repente.

Ele diz:

“De repente e do nada, como um enorme flash de uma câmera, emanando do nível do mar a estibordo da proa, estava um enorme flash de luz vermelha brilhante, que iluminou todo o nosso navio. Isso somente iluminou nosso navio, não o oceano ao redor, apenas nosso navio. Aconteceu tão rápido que o OOD, o navegador e eu ficamos sem palavras por cerca de 5 segundos, momento em que olhei para o OOD e perguntei se ele tinha visto aquela luz. Ele afirmou que sim com uma voz mal-humorada. Então perguntei ao navegador e ele respondeu que sim. Em seguida, peguei o fone de ouvido com som do navegador e perguntei aos vigias de proa e de popa se eles tinham visto o mesmo flash vermelho, quando o vigia da proa declarou: “SIM! QUE RAIO FOI AQUILO?’ O vigia da popa também disse que sim. Em seguida, contatei imediatamente o CIC e perguntei ao oficial do CIC se tínhamos alguma aeronave ou navio de superfície nas proximidades, ao que ele respondeu claramente. Perguntei se tínhamos alguma atividade de submarino na área, ao que ele respondeu que não.

O que acabara de acontecer não fazia sentido. O flash emanou do mar, diretamente de nossa proa a estibordo (como se estivesse tocando nossa proa), e foi para cima muito rapidamente, criando o efeito do flash vermelho brilhante. O outro aspecto estranho desse evento foi que apenas nosso navio foi iluminado pelo flash vermelho, não o mar ao redor, mas apenas nosso navio.

Até este evento, eu não acreditava em OVNIs ou OSNIs. Não tenho dúvidas de que nosso navio, navegando a 12 nós (22 km/h), chegou direto em uma nave submersa não identificada. Eu não acho que a nave ou o OSNI tinha qualquer ideia de que estávamos navegando até eles. Acho que o que quer que tenha sido, decolou de uma forma muito inesperada e rápida, e queria nos identificar rapidamente, daí o flash.”

No final, após muita consideração, eles decidiram não acordar o capitão, apenas registrando o caso como um “fenômeno inexplicável”.

Na verdade, todos esses casos poderiam ser arquivados como tais e nunca houve uma explicação sólida para nenhum deles. Ficamos nos perguntando o que essas embarcações podem ter encontrado lá na água e abaixo dela. O que está acontecendo em relatórios como esses e podemos entender isso? Existem forças que estão além da nossa compreensão usando os oceanos ou o nosso mundo para algum propósito inescrutável?

Não há como saber com certeza e, enquanto isso, casos de OSNIs continuam aparecendo.

Talvez em nossa busca por respostas para o fenômeno OVNI, além de observar os céus, devêssemos também observar abaixo das ondas.

Brent Swancer

(Fonte)


Certamente devemos investigar abaixo das ondas também, pois esses objetos que agora são classificados como transmídia – ou seja, que podem viajar pelo espaço, pelo ar e sob a superfície do mar – são frequentemente vistos em todos os mares do planeta.

Talvez estejamos perto de descobrirmos quem são seus “pilotos”, pois a verdade, embora muitas vezes tardia, tem uma forma especial de sempre “vir à tona” (trocadilho intencional).

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol