web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Para entender os OVNIs, precisamos de imagens em megapixel

Tempo de leitura: 3 min.

Por Avi Loeb

O relatório do Pentágono sobre fenômenos aéreos não identificados (UAPs/OVNIs) que foi entregue ao Congresso em 25 de junho é intrigante o suficiente para motivar a investigação científica em direção ao objetivo do que esses fenômenos são. A natureza dos OVNIs não é uma questão filosófica. Também não é um quebra-cabeça que os políticos devam ser solicitados a resolver – pela mesma razão que encanadores não devem ser solicitados a assar bolos. Os legisladores ou militares têm treinamento insuficiente em ciência para resolver este mistério, e esperar que de alguma forma o façam é como a experiência frustrante dos personagens da peça de Samuel Beckett, Waiting for Godot.

Para entender os OVNIs, precisamos de imagens em megapixel
Crédito da imagem: depositphotos

Dadas essas circunstâncias, os cientistas devem encontrar a resposta por meio do processo científico padrão, com base em uma análise transparente de dados abertos. A tarefa se resume em obter uma imagem de alta resolução do OVNI. Uma imagem vale mais que mil palavras. Mais especificamente, uma imagem megapixel da superfície de um objeto incomum nos permitirá distinguir se ele traz o rótulo metafórico “Made in China” ou “Made in Rússia” da alternativa: “Made in Exoplanet X”.

Considere um objeto do tamanho de uma pessoa a uma distância de uma milha (1,6 km). Suponha que desejamos resolver recursos tão pequenos quanto a largura de uma letra neste texto. Isso equivale a resolver um milésimo da altura da pessoa, o que exigiria a obtenção de uma imagem megapixel. O critério de Rayleigh em óptica implica que a melhor resolução angular de um telescópio está no chamado “limite de difração”, aproximadamente o comprimento de onda da luz dividido pelo diâmetro da abertura. Para luz visível, a resolução desejada em nosso exemplo pode ser obtida por um telescópio com diâmetro de um metro, que pode ser adquirido online.

O telescópio deve ser conectado a uma câmera adequada, com o fluxo de dados resultante alimentado a um sistema de computador – onde o software otimizado filtraria os transientes de interesse enquanto o telescópio se aproxima do céu com seu campo de visão. O levantamento inicial pode começar a partir de um grande campo de visão, mas então aumentar o zoom no objeto de interesse conforme ele é rastreado no céu. O OVNI pode mudar sua posição no céu muito mais rápido do que qualquer fonte astronômica localizada a grandes distâncias.

Mas também precisam ser diferenciados de pássaros, aviões, satélites ou artefatos instrumentais. A fidelidade real da imagem será limitada pelo embaçamento devido à turbulência atmosférica e, portanto, dependerá da elevação e distância do OVNI. O levantamento do céu também precisará se estender por um período de tempo longo o suficiente para que a detecção de OVNI seja provável. Todos esses são desafios importantes.

As instalações dos telescópios podem ser colocadas em localizações geográficas que irão maximizar a chance de reproduzir relatórios OVNIs anteriores. Câmeras de vídeo de baixo custo com resolução mais baixa podem ser distribuídas em mais locais ao redor do globo para obtenção de um levantamento abrangente de todo o céu. Existem instalações astronômicas, como ZTF, LCO, TAOS, ASASSN ou PanSTARRS, já instaladas em locais remotos para as diferentes tarefas de busca de objetos transitórios que não se movem no céu tão rápido quanto OVNIs O volume de dados aumentará drasticamente quando a instalação do VRO / LSST no Chile começar a operar em 2023. Os desmascaradores de OVNIs costumam perguntar porque as câmeras invariavelmente capturam imagens difusas de objetos não identificados. A resposta é simples: suas aberturas são centenas de vezes menores do que os desejados telescópios em escala métrica.

O custo de estabelecer uma rede de telescópios adequados é inferior ao valor investido até agora na busca pela natureza da matéria escura. Não sabemos quais partículas constituem a maior parte da matéria do universo. É uma busca comprometida por incertezas, assim como a busca por OVNIs. Mas se alguns dos OVNIs são de origem extraterrestre, as implicações seriam muito maiores para a sociedade do que provar que a matéria escura é partículas massivas de interação fraca (WIMPs) em oposição a qualquer outra coisa. A descoberta extraterrestre pode muito bem mudar a maneira como percebemos nosso lugar no universo, nossas aspirações por espaço, nossas crenças teológicas e filosóficas e até mesmo a maneira como tratamos outros humanos.

E todas essas implicações podem ser desencadeadas por uma imagem de um único megapixel obtida a um custo razoável. Em um fórum que participei recentemente sobre meu livro “Extraterrestre“, fui questionado sobre a probabilidade anterior atribuída à possibilidade de que o estranho objeto interestelar ‘Oumuamua ou OVNI sejam de origem extraterrestre. Eu esclareci que é desconhecido, assim como no caso da matéria escura sendo WIMPs. Mas como uma imagem megapixel de um OVNI é acessível e é de grande interesse para o público e o governo, devemos simplesmente obter uma. Na verdade, uma imagem de um objeto ‘Oumuamua valeria 66.000 palavras – o número de palavras em meu livro.

Não devemos buscar dados de sensores de propriedade do governo que não foram projetados para essa finalidade, mas, em vez disso, coletar nossos próprios dados científicos de última geração de forma reproduzível. A maior parte do céu acima de nós não é classificada.

Em uma entrevista de podcast que tive recentemente com um público jovem, eles concordaram: “Vamos fazer isso”. Foi revigorante ver cara a cara com os portadores da tocha do futuro, bem como com os financiadores em potencial do projeto de imagem OVNI, tudo na mesma semana. Um dia depois, Rahel Solomon da CNBC me perguntou: “Como você planeja comemorar o Dia do OVNI?” Grato pelo lembrete, eu disse: “Provavelmente precisaremos de nossos computadores para descobrir a natureza dos OVNIs e, portanto, meu plano é comemorar o dia com meu computador.”

(Fonte)

Colaboração: Adalberto Dorneles


Avi Loeb, da Harvard, é um cientista de coragem que está tentando remover o estigma dos OVNIs da comunidade científica. Se ele obter sucesso com sua iniciativa, muitos cientistas vão cair de cara no chão. Desejo a ele muito sucesso.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol