web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Sinais de civilizações extraterrestres extintas “ecoam em toda a Via Láctea”

Tempo de leitura: 3 min.

Claudio Grimaldi, cientista convidado do Laboratório de Biofísica Estatística (LBS), Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne (EPFL), Suíça, escreveu em um e-mail para o Daily Galaxy:

Sinais de civilizações extraterrestres extintas "ecoam em toda a Via Láctea”
Uma galáxia com bilhões de estrelas. Crédito: depositphotos

“Pelo que sabemos, se existem civilizações galácticas que emitem radiação, elas podem estar localizadas em qualquer lugar da Via Láctea. Um sinal que chega à Terra pode, portanto, ter cerca de 90.000 anos, que é o tempo que leva para as ondas eletromagnéticas cobrirem a distância entre nós e a borda oposta de nossa galáxia, e este intervalo de tempo torna-se ainda maior se levarmos em consideração os sinais de outras galáxias. Portanto, não é absurdo pensar que, no momento em que recebemos um sinal, a civilização emissora não exista mais.”

Grimaldi acrescentou:

“Não detectar nenhum sinal até agora não é surpreendente. Mesmo se tivéssemos detectores perfeitos varrendo todo o céu, levaria mais de 60% da galáxia cheia de sinais para que um deles atingisse nosso planeta em média.”

Os sinais virão de uma civilização como ela já foi

Frank Drake, criador da famosa Equação de Drake, disse:

“Os sinais virão de uma civilização como ela já foi. Não é uma possibilidade remota – é uma grande probabilidade – de que os sinais que recebemos sejam de uma civilização que não existe mais.”

Se os sinais de uma civilização alienígena chegarem à Terra, é provável que os alienígenas já estejam mortos. Em um esforço para atualizar a Equação de Drake de 1961, que estima o número de civilizações inteligentes detectáveis ​​na Via Láctea, o físico Claudio Grimaldi e colegas calcularam a área da galáxia que deveria ser preenchida com sinais alienígenas em um determinado momento.

Grimaldi disse:

“Se a civilização emitiu do outro lado da galáxia, quando o sinal chegar aqui, a civilização já terá ido embora.”

Civilizações tecnologicamente mais experientes nascem e morrem em um ritmo constante

O Science News e Mercury News relatou que a equipe, que incluía Frank Drake (agora professor emérito do Instituto SETI em Mountain View, Califórnia, e da Universidade da Califórnia, Santa Cruz), presumiu que civilizações tecnologicamente experientes nascem e morrem em um taxa constante. Quando uma civilização morre e para de transmitir, os sinais fantasmagóricos que ela enviou continuam viajando como ondas concêntricas em um lago.

Os sinais eletromagnéticos de civilizações alienígenas continuarão viajando pela Via Láctea mesmo depois que os alienígenas se forem.

Cientistas se reuniram no Instituto SETI em Mountain View, Califórnia, em março de 2018 para mapearem novas abordagens a fim de responderem à pergunta: estamos sozinhos? A conferência, intitulada “Decoding Alien Intelligence” (“Decodificando a Inteligêcia Alienígena), buscou ampliar as perspectivas e expandir as metodologias aplicadas no esforço para detecção de tecnologia extraterrestre:

Decodificando Inteligência Alienígena

A organizadora e diretora do Instituto SETI, Nathalie Cabrol, disse:

“Estão disponíveis novas ferramentas que podem permitir esta abordagem e nos ajudar a decifrar a natureza evolutiva e probabilística da vida alienígena avançada. Podemos construir um novo roteiro que seja multidisciplinar, que abra a caixa de ferramentas.”

Uma atualização lançada recentemente para a Equação de Drake – uma estrutura para discutir a probabilidade de existência de vida inteligente fora da Terra – está recebendo um burburinho da mídia. A equação de Drake foi desenvolvida durante o início do campo moderno do SETI para atuar como uma estrutura para a comunidade científica discutir a probabilidade de vida extraterrestre avançada. O argumento probabilístico foi idealizado pelo pioneiro na busca por inteligência extraterrestre, Dr. Frank Drake, que participou do novo estudo.

De acordo com o estudo, se alienígenas avançados existirem na borda mais distante da galáxia de nós, quaisquer sinais viajando à velocidade da luz não chegarão até nós por um bom tempo. Quaisquer sinais que cheguem ao nosso planeta provavelmente serão vestígios de uma civilização morta há muito tempo.

Drake disse:

“Há a chance de que ainda esteja viva mas não esteja mais transmitindo. Ou pode ter mudado muito, como a migração do planeta para escapar de sua estrela em expansão.”

Mensagem em uma garrafa

O astrônomo sênior do Instituto SETI, Seth Shostak, ainda vê o valor em coletar tal mensagem:

Ele disse:

“Para mim, é como encontrar uma garrafa na praia com um bilhete. Pode ser que quem colocou a nota já se foi. Mas pelo menos você sabe que há alguém do outro lado do mundo.”

É importante lembrar que determinar a longevidade de uma raça alienígena em potencial com base no exemplo ainda em desenvolvimento de nossa própria sobrevivência tem um valor limitado, como aponta Andrew Fraknoi do Instituto SETI.

Ele disse:

“Até que saibamos mais sobre nossa longevidade, é pura adivinhação. Todos os anos não nos destruímos, acrescentamos mais um ano ao que sabemos que as civilizações podem fazer.”

Se a civilização durou menos de 100.000 anos – o tempo que a luz leva para cruzar a galáxia – então as chances dos sinais de civilizações extraterrestres chegarem à Terra enquanto a esta ainda está transmitindo são muito pequenas, relataram os pesquisadores. Os humanos, por exemplo, têm transmitido ondas de rádio há apenas cerca de 80 anos, portanto, nossas ondas de rádio cobrem menos de 0,001% da Via Láctea.

(Fonte)


Primeiramente, devo concordar com Andrew Fraknoi, pois não sabemos absolutamente nada sobre a longevidade de outras civilizações, tendo somente como base as loucuras que ocorrem por aqui. Outras civilizações podem ter evoluído para uma forma de vida “perpétua” e ainda estarem descobrindo a vastidão do Universo e além. Mas é claro, ninguém sabe de um modo ou de outro.

Segundo, ainda acho que procurar por sinais de civilizações extraterrestres vindas do espaço é perda de tempo e dinheiro. Há muito a ser estudado aqui mesmo em nosso próprio planeta que possivelmente responderá ao mistério da existência de vida extraterrestre inteligente.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol