web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Porque militares devem trabalhar com cientistas para estudarem os OVNIs

Tempo de leitura: 3 min.

Por Chris Impey

Os OVNIs têm estado muito nos noticiários ultimamente. Sou um astrônomo pesquisador que escreveu e editou livros e criou um curso online gratuito (em inglês) sobre a busca pela vida no universo. Embora eu ache que estamos progredindo na detecção de vida fora da Terra, vejo os OVNIs de um ponto de vista cético, uma vez que a evidência de que eles representam alienígenas visitando a Terra não é convincente.

Porque militares devem trabalhar com cientistas para estudarem os OVNIs
Crédito da imagem: depostiphotos

No mês passado, um relatório do Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional caiu no Congresso dos EUA. O relatório descreveu 144 avistamentos por militares ao longo de um período de 17 anos, preferindo usar o termo UAP, para fenômeno aéreo não identificado, em parte para evitar o estigma associado aos OVNIs.

Para quem, como eu, esperava por declarações definitivas, o relatório foi uma grande decepção. Ele se recusou a tirar quaisquer conclusões, dizendo que os dados disponíveis são “amplamente inconclusivos” e observando que são limitados e relatados de forma inconsistente. O relatório preocupou-se com o aumento da “desordem” do ar e deixou em aberto a possibilidade de que alguns avistamentos de OVNIs representem tecnologias avançadas de adversários estrangeiros, com implicações significativas para a segurança nacional.

Quanto aos OVNIs como espaçonaves alienígenas, o relatório era agnóstico. Evitou escrupulosamente usar as palavras alienígena ou extraterrestre. Isso fará pouco para desencorajar aqueles que realmente creem. Quase metade de todos os americanos pensam que os alienígenas estão visitando a Terra, e o fenômeno OVNI se enredou em uma teia de teorias da conspiração que incluem relatos de abdução por alienígenas e agroglifos. Essas teorias da conspiração sem dúvida foram alimentadas em parte pelo fato de que os militares têm investigado secretamente OVNIs por décadas. Qualquer debate racional sobre OVNIs deve lidar com o fato de que eles criaram raízes profundas na consciência pública.

O relatório e o aumento da transparência por parte dos militares vão mudar alguma coisa? Isso ajudará a atrair cientistas como eu para um estudo sério do fenômeno?

Os cientistas terão que superar sua reticência para se envolverem com os avistamentos. Estamos em uma posição estranha. O rápido progresso na descoberta de planetas orbitando outras estrelas levou a uma projeção de 300 milhões de planetas habitáveis ​​em nossa galáxia. Houve muito tempo para a vida em alguns desses planetas desenvolver inteligência e tecnologia. Não negamos a possibilidade de alienígenas viajarem de seu sistema estelar para o nosso. Só não estamos convencidos com os dados apresentados até agora. A maioria dos avistamentos pode ser atribuída a balões meteorológicos ou fenômenos astronômicos, como meteoros, bolas de fogo e Vênus. Existem muitos recursos que dão explicações mundanas para avistamentos de OVNIs.

Já houve estudos acadêmicos sobre OVNIs antes. Em 1968, o Relatório Condon dizia que nenhum conhecimento científico havia sido obtido em duas décadas de estudo do fenômeno. Porém, 20 anos depois, uma revisão liderada pelo professor de Stanford, Peter Sturrock, concluiu que alguns avistamentos são acompanhados por evidências físicas que justificam investigação. É revelador que, após décadas de estudos e centenas de milhares de avistamentos, os OVNIs não alcançaram o padrão ouro na ciência para confirmar qualquer hipótese: evidência reproduzível.

Por sua vez, as comunidades militares e de inteligência terão que se envolver mais ativamente com os cientistas e pedir sua ajuda e experiência para compreenderem os avistamentos do relatório e de muitos outros que não foram divulgados. Há sinais de que isso pode acontecer. Sob Avril Haynes, o Departamento de Inteligência Nacional dos EUA (DNI) tem contado com seu grupo de especialistas de 500 cientistas que consultam as agências de inteligência sobre problemas científicos. Um modelo para esse tipo de colaboração são os dois painéis de cientistas e médicos especialistas recentemente formados para entender a “síndrome de Havana” que aflige os diplomatas americanos desde 2016.

Como seria uma colaboração com cientistas e que tipo de dados seriam necessários para “mover a agulha” na compreensão do fenômeno OVNI?

O relatório recente mostra como é difícil interpretar os avistamentos, mesmo com observadores especialistas e dados de vários sensores. Em todos, exceto em um dos 144 casos, havia muito pouca informação para caracterizar amplamente o evento. A vice-secretária de Defesa, Kathleen Hicks, reconheceu essa deficiência quando pediu uma coleta de dados mais oportuna e consistente sobre os OVNIs. O Departamento de Defesa tem pouco mais de dois meses para desenvolver uma nova estratégia e apresentar um relatório ao Congresso.

Os sensores funcionam mal e até mesmo os observadores experientes podem ser enganados ao verem algo fora de seu reino de experiência. Com imagens ópticas e infravermelhas, é extremamente difícil avaliar a distância, o tamanho e a velocidade de um objeto. Por exemplo, os três vídeos da Marinha que estão em grande circulação na Internet parecem impressionantes e inexplicáveis, mas podem facilmente ser artefatos da ótica de câmeras e sistemas de rastreamento.

Os militares devem convidar um grupo seleto de especialistas para examinarem todas as evidências (com autorização adequada fornecida quando a tecnologia de sensor envolvida é classificada). Deve ser uma equipe interdisciplinar, composta por abordar todas as características observacionais dos fenômenos. Idealmente, os dados devem ser compartilhados entre nossos aliados, uma vez que os OVNIs aparecem globalmente. Os cientistas também podem usar seus recursos para resolverem o problema. Por exemplo, satélites civis estão sendo usados ​​para detectar e monitorar OVNIs e o aprendizado de máquina pode ser usado para peneirar os dados em busca de eventos anômalos.

Os cientistas são curiosos e adoram um problema desafiador. Eu daria minha mão ao esforço, se solicitado. Esperemos que o governo aproveite a expertise científica para iluminar este mistério de décadas.

(Fonte)


Parece que agora, após tantas reportagens e artigos publicados nos últimos meses a respeito da realidade do fenômeno OVNI, alguns cientistas estão “saindo do armário”. Inclusive, há dois ou três até mesmo apresentando discursos opostos ao que falavam antes a respeito da possibilidade de civilizações avançadas viajarem entre sistemas estelares.

Antes tarde do que nunca.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol