web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

OVNIs: na França, especialistas apresentam suas hipóteses

Tempo de leitura: 3 min.

Este é um tema que está crescendo: o OVNIs… Do outro lado do Atlântico, o assunto tem sido levado a sério desde a revelação em 2017 da existência de um programa avançado de identificação de ameaças aeroespaciais (AATIP) e a desclassificação de vários vídeos perturbadores dos militares. À medida que se aproxima a apresentação ao Congresso americano de um relatório de inteligência sobre esses fenômenos, uma sociedade francesa erudita está dando sua contribuição para o debate.

OVNIs: na França, especialistas apresentam suas hipóteses
OVNI filmado em Porto Rico foi também analisado pela Sigma2

Aos membros da Associação Aeronáutica e Astronáutica da França (3AF), a comissão técnica do Sigma2 comunicou na quarta-feira (23) um longo relatório, resultado de oito anos de pesquisas de dados e estudos de caso. Entre seus membros ativos estão pesquisadores, engenheiros, soldados e o astronauta Jean-François Clervoy.

Seu presidente, Luc Dini, engenheiro de construção aeronáutica explica:

“O objetivo é trazer um ponto de vista técnico e científico sobre um determinado número de observações. Eu digo: ponto de vista. Estes nem sempre são conclusões. Existem muitos pontos de interrogação.“

Ao longo das 377 páginas deste inventário, a que tivemos acesso, o Sigma2 avança com cautela. A comissão expõe certezas apenas para as poucas observações para as quais existem dados suficientes. Como em sua análise do “caso Cougar”, para o qual foi apreendido por uma comissão dependente da Direção Geral de Aviação Civil (DGAC) do Chile. Em 11 de novembro de 2014, um helicóptero Cougar da Marinha do Chile observou um OVNI.

Afirmou posteriormente um membro da comissão da DGAC, questionado pelo Huffington Post:

“Eram profissionais altamente qualificados, com muitos anos de experiência e estavam absolutamente certos de que não sabiam explicar o que estavam vendo.”

Mas depois de analisar os dados de radar e infravermelho, Sigma2 disse se tratar de um Airbus A340…

Aceleração relâmpago e mudanças de trajetória

Em muitos exemplos, ao contrário, esta questão permanece em aberto. O Sigma2 esboça os rastros, observa as semelhanças entre os casos e os compara com fenômenos conhecidos. Testemunhas confundiram eventos naturais relacionados a tempestades, como relâmpagos, com OVNIs? Algumas histórias podem se aproximar disso. O relatório centra-se nas bolas de plasma, fase da matéria constituída por partículas carregadas e da qual o relâmpago seria um caso especial. Porque as observações às vezes se referem apenas a fontes de luz e cores, não a veículos.

Mas, insiste o relatório, esses plasmas, naturais ou artificiais, não poderiam explicar as acelerações dos raios, as reversões ou as mudanças repentinas de trajetória frequentemente descritas por testemunhas de OVNIs. As máquinas mais rápidas conhecidas não seriam necessariamente bons candidatos. O Sigma2 direciona suas conclusões “para plasmas artificiais que seriam provocados por dispositivos de hipervelocidade e hipermanobra, fora dos limites conhecidos, em qualquer caso livres das leis da inércia”. No entanto, a comissão não se atreve a apontar a responsabilidade de um país ou a sugerir uma origem exótica …

O relatório dedica um capítulo a uma disciplina científica chamada magnetohidrodinâmica ou MHD.

Luc Dini explica:

“MHD é a emissão de um campo eletromagnético que, quando um objeto está em movimento, vai criar ionização do gás. [NDLR: carregador de ambiente] que é levado a alta temperatura. Esta temperatura e este nível de energia são dopados pelo campo eletromagnético e podem criar diferentes efeitos, nomeadamente a atenuação dos efeitos do arrasto [NDLR: liés aux frottements avec l’air ou l’eau], é a procura do efeito aerodinâmico, ou seja, a modificação da assinatura do radar, é furtiva.”

Pierre Bescond, engenheiro geral de armamento de 2ª classe e coautor, especifica:

“MHD em um ambiente denso como a água, pode funcionar muito bem. Em um ambiente muito menos denso como a atmosfera, seria preciso muito mais energia a bordo para funcionar, em termos de propulsão.”

Como uma disciplina experimental, o MHD não fornece uma solução pronta para o problema.

Cientistas chamados para abordar o assunto

O Sigma2 nota, em todos os casos, que os achados recorrentes podem ser explicados pelas emissões eletromagnéticas, seja a ausência de ruído tantas vezes mencionada, a interferência em equipamentos eletrônicos, a perda de memória em algumas testemunhas, o envelhecimento da vegetação no local…

Os autores alertam:

“As hipóteses sobre as causas permanecem em aberto e devemos ter cuidado tendo em vista o pequeno número de amostras disponíveis.

O progresso virá da coleta e compartilhamento de dados, bem como do interesse dos cientistas em abordar o estudo desses fenômenos, confrontando-os com as leis e teorias em estudo.

Pierre Bescond observa:

“O problema para os cientistas é que muitas observações não podem ser replicadas em laboratório.”

Luc Dini diz:

“Algumas das respostas podem ser encontradas em dados do passado.”

Ele cita o caso do RB-47, aeronave da Força Aérea dos Estados Unidos que, em julho de 1957, foi acompanhada por 1300 km por uma “grande luz brilhante” que emitia ondas no campo do rádio.

O relatório diz:

“O objeto foi observado visualmente pela tripulação, detectado por radares terrestres, pelo radar RB-47 e por sofisticados equipamentos eletrônicos de guerra que estavam a bordo da aeronave.”

Trata-se de um caso “muito interessante”, porque está bem documentado, mas não diz nada sobre a natureza deste encontro, por falta de dados detalhados.

Luc Dini concorda que “é normal que a Defesa americana proteja as informações vinculadas aos seus sistemas operacionais”, em particular as suas atuais capacidades de detecção. Mas o engenheiro lembra que, nesses casos antigos, “a tecnologia e os equipamentos estão obsoletos há muito tempo”:

“Eles têm em algum lugar os registros que descrevam com precisão os sinais que foram gravados? O que impede informações em preto e branco sobre o sinal e sua análise?”

O Sigma2 espera muito da Força Tarefa OVNI, o escritório do Pentágono responsável pelo relatório dos EUA sobre os OVNIs, que gerou grandes expectativas e pode ser publicado na sexta-feira (25).

Luc Dini pergunta:

“Eles vão compartilhar seus dados? Eles vão dizer: dê-nos todos os seus dados, faremos bom uso deles? Há uma série de opções.”

Os interessados ​​no relatório Sigma2, atualmente reservado para sócios e membros, são convidados a contatar a associação 3AF. Um resumo de cerca de vinte páginas foi colocado online no final de maio.

(Fonte)

Colaboração: Marcelino


n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

USE O CUPOM OVH10 E GANHE 10% DE DESCONTO!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp