web analytics

Explosão de asteroide “quase desencadeou uma guerra nuclear”

Tempo de leitura: 2 min.

Exatamente 19 anos atrás, um asteroide com um diâmetro de apenas 5-10m não foi detectado pelos satélites da Terra e poderia ter causado o fim do mundo.

Explosão de asteroide "quase desencadeou uma guerra nuclear"
Crédito da ilustração: depositphotos

Cerca de 60 km acima da superfície da Terra, a pequena rocha se chocou contra a atmosfera superior e se quebrou em milhares de fragmentos minúsculos, nenhum dos quais jamais foi encontrado.

A energia liberada na explosão foi estimada em 26 quilotoneladas de TNT, aproximadamente o tamanho da explosão de uma bomba nuclear.

Quando a bomba ‘Little Boy detonou sobre Hiroshima, causou uma reação de 12-18 quilotoneladas, enquanto a bomba de Nagasaki, ‘Fat Man’, liberou energia equivalente a 18-23 quilotoneladas.

O asteroide atingiu a atmosfera terrestre a cerca de 65 quilômetros acima do leste do Mediterrâneo, entre a Grécia e a Líbia.

Mas nos dias que se seguiram ao chamado Evento do Mediterrâneo Oriental, os líderes militares alertaram o quão perto poderíamos ter chegado da guerra nuclear caso a explosão tivesse ocorrido em uma zona de conflito sensível.

O general da Força Aérea dos Estados Unidos, Simon Worden, disse a uma audiência da NASA:

“Se você estivesse em um navio diretamente embaixo, o flash intensamente brilhante teria sido seguido por uma onda de choque que teria sacudido todo o navio e possivelmente causado danos menores.

Se tivesse ocorrido na mesma latitude, mas algumas horas antes, o resultado nos assuntos humanos poderia ter sido muito pior.”

Em junho de 2002, a Índia e o Paquistão estavam no meio de um impasse nuclear na fronteira com a Caxemira. Milhares de soldados de ambos os lados já haviam sido mortos nas escaladas.

Qualquer onda de choque desconhecida sobre qualquer um dos países teria soado o alarme para líderes militares e políticos de que uma guerra em grande escala havia começado.

Tanto a Índia quanto o Paquistão são potências nucleares e testaram suas armas no final da década de 1990, em um agravamento das relações entre os vizinhos asiáticos.

A Índia se tornou uma potência nuclear em 1974 e o Paquistão construiu suas primeiras armas nucleares em 1998.

O general Worden explicou que a ameaça de explosões de “objetos próximos à Terra”(de sigla em inglês, NEO), como o evento do Mediterrâneo Oriental, pode ter sérias implicações geopolíticas.

Ele acrescentou:

“Imagine que o flash brilhante acompanhado por uma onda de choque prejudicial ocorresse em Delhi, Índia ou Islamabad, Paquistão?

Nenhuma dessas nações tem os sensores sofisticados que temos que podem determinar a diferença entre um impacto NEO natural e uma detonação nuclear.

O pânico resultante nas forças armadas com armas nucleares e perigosas poderia ter sido a faísca que teria acendido o horror nuclear que evitamos por mais de meio século.

Esta situação por si só deve ser suficiente para fazer o mundo notar a ameaça do impacto de um asteroide.”

Mas esta não foi a primeira vez que uma explosão de asteroide bem acima da Terra colocou os especialistas em espaço no limite.

Em 1908, o evento quase catastrófico de Tunguska viu um enorme meteoroide de 45-70m de diâmetro explodir sobre a Sibéria, provocando uma explosão de 10 megatons de TNT.

A explosão no céu achatou cerca de 80 milhões de árvores. Testemunhas afirmaram que 3 pessoas morreram após o impacto.

Os céus noturnos na Ásia e na Europa ficaram brilhando nos dias seguintes à colisão e, segundo as informações, fotos à noite foram tiradas sem flash na Suécia e na Escócia.

Cem anos após o Evento de Tunguska, a primeira colisão de asteroide prevista com precisão no mundo ocorreu bem acima do Sudão.

O evento TC3 de 2008 espalhou milhares de fragmentos pelo deserto da Núbia na África, com 600 deles sendo encontrados por pesquisadores.

Relatórios dizem que o meteoro atingiu a atmosfera acima do norte do Sudão à uma velocidade de 12,8 km por segundo.

No entanto, nenhum relato de testemunha ocular da colisão foi publicado, uma vez que a colisão ocorreu em uma área tão remota.

(Fonte)


– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


Meus sinceros agradecimentos aos que doaram ao OH neste mês de maio:

  • Boris G. K.
  • Ricardo C. A.
  • Eduardo S. S.
  • Egidia L.
  • Joaquim F. P. C.
  • Helio S Jr.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol