web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Detonando a Terra em nome da ciência?

Tempo de leitura: 3 min.

Em 16 de julho de 1945, algumas das maiores mentes da Terra se reuniram no deserto do Novo México para assistir ao primeiro teste de uma arma nuclear. Enquanto a tensão aumentava antes da detonação às 5h30, o físico Enrico Fermi brincou com outros cientistas presentes – incluindo Richard Feynman e Robert Oppenheimer – dizendo: “Vamos apostar se a atmosfera será incendiada por este teste”.

Detonando a Terra em nome da ciência?
Crédito da imagem ilustrativa: depostiphotos

A piada de Fermi foi sustentada por uma pergunta séria, feita durante os primeiros meses do Projeto Manhattan por Edward Teller: na explosão de uma arma de fissão nuclear, haveria uma chance de que a temperatura da explosão pudesse fundir núcleos de elementos leves na atmosfera, liberando ainda mais enormes quantidades de energia atômica (a reação que seria usada posteriormente em armas nucleares maiores)? Nesse caso, uma reação em cadeia descontrolada pode ocorrer, através da qual toda a atmosfera do planeta Terra pode ser envolvida em uma explosão de fusão nuclear.

A proposição foi levada a sério, embora cálculos subsequentes mostrassem que a reação em cadeia era uma “impossibilidade”. Diz-se que essa também foi uma das razões pelas quais os nazistas hesitaram em construir sua própria arma nuclear, também em 1942. De acordo com Albert Speer:

“O professor Heisenberg não havia dado nenhuma resposta final à minha pergunta se uma fissão nuclear bem-sucedida poderia ser mantida sob controle com certeza absoluta ou poderia continuar como uma reação em cadeia. Hitler claramente não estava satisfeito com a possibilidade de que a Terra sob seu governo pudesse ser transformada em uma estrela brilhante.”

Hitler viu o humor macabro e surreal de precisar até mesmo colocar a questão, porém, às vezes brincando que “os cientistas em sua ânsia mundana de revelar todos os segredos sob o céu podem um dia incendiar o globo”.

A piada improvisada do líder nazista encobre uma informação extraordinária: 1942 marca uma época importante na história da humanidade, um ponto de virada – um momento em que nossa busca pelo conhecimento chegou a um ponto em que nos perguntamos se agora tínhamos a habilidade divina para destruir toda a Terra.

Nos três quartos de século intermediários, o avanço da ciência proporcionou mais temores de que a humanidade criasse seu próprio apocalipse: o advento de armas biológicas “superbactérias” geneticamente modificadas; o cenário “cinza gosmento” de nanomáquinas moleculares em fuga consumindo tudo na Terra; a sugestão de que os colisores de partículas podem destruir a Terra por meio da criação de buracos negros ou matéria estranha; o advento de uma Inteligência Artificial malévola e superinteligente (o cenário ‘Skynet’).

E com o passar do tempo, esses cenários não apenas proliferarão ainda mais, mas a tecnologia necessária para alcançá-los ficará mais próxima do “padrão de prateleira”, em vez de ser rara e cara. Então, seria agora a hora da pesquisa em algumas dessas áreas ser cuidadosamente monitorada e regulamentada?

Essas preocupações estão no centro de um novo artigo publicado em arXiv.org, “Agencies and Science Experiment Risk“, de autoria do Professor Associado de Direito Eric E. Johnson:

“Há uma curiosa ausência de restrições legais às agências governamentais dos EUA que realizam pesquisas científicas potencialmente arriscadas. Algumas dessas atividades podem representar o risco de matar milhões ou mesmo de destruir o planeta. A lei atual deixa que as agências decidam por si mesmas se suas atividades estão dentro dos limites do risco aceitável. Este artigo explora até que ponto e em que circunstâncias a lei deve permitir ações privadas contra tais esforços de agência não reguladora. Engajar-se com essa questão não é apenas interessante por si só, mas nos permite testar conceitos fundamentais da competência da agência e do papel dos tribunais.”

Johnson observa que os Atos que regem grande parte desta pesquisa foram escritos na década de 1940 e, portanto, “nunca compreenderam os perigos da agência exótica de hoje”. Além disso, diz ele, essa lacuna legal “poderia ser menos problemática não fosse pelas visões da economia comportamental, economia neoclássica, psicologia cognitiva e literatura de gestão de risco, todos os quais indicam que os cientistas da agência estão propensos a julgar erroneamente o quão arriscado suas atividades realmente são”.

Johnson está surpreso que, considerando-se “os riscos exóticos da agência-ciência discutidos aqui constituem um verdadeiro conjunto de ameaças de elite”, é “ainda mais notável que nossa estrutura legal se abstém de se envolver com eles.”

Como exemplos para discussão, ele se concentra em dois cenários: colisores de partículas criando matéria estranha e uma espaçonave movida a plutônio colidindo com a Terra. Ambos já tinham preocupações públicas do mundo real sobre os possíveis perigos – as preocupações de 1999 sobre “strangelets” sendo criados no Relativistic Heavy Ion Collider (RHIC); o último com o protesto ‘Stop Cassini’ na preparação para o lançamento dessa sonda em 1997. Johnson investiga os debates que ocorreram sobre os riscos de ambos os cenários e mostra claramente que não se pode confiar na autoavaliação das agências envolvidas:

“Quando se trata de cenários de baixa probabilidade/alto risco ocasionados pela própria conduta da agência, é improvável que essa agência proteja adequadamente o interesse público.”

Por exemplo, a NASA calculou as possíveis mortes resultantes de um acidente aéreo da Cassini em 5000, enquanto outros cientistas notáveis ​​estimaram números de 200.000 a 40 milhões. E Sir Martin Rees criticou um jornal que rejeitou os riscos dos strangelets, dizendo que os teóricos “pareciam ter como objetivo tranquilizar o público. . . em vez de fazerem uma análise objetiva”.

Em resumo, Johnson observa:

“É improvável que esses tipos de problemas de risco ultra-perigoso desapareçam por conta própria. Ao contrário, devemos esperar que eles proliferem … Assim, uma recusa da lei em lidar com o risco criado pela agência torna-se
cada vez mais indesejável.”

Que outros cenários de fim do mundo devemos procurar? E o que você acha de regulamentar essas áreas com mais cuidado?

(Fonte)


Talvez um dos motivos de termos “visitantes” no nosso planeta é para nos conter quando passarmos dos limites. … Ou talvez não.

Assim, não vamos contar com esta possibilidade senão, um dia:

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol