web analytics

Físico prevê que a força-tarefa confirmará inteligências não humanas

Tempo de leitura: 8 min.

O texto abaixo, publicado no site theblackvault.com, foi escrito pelo Dr. Bruce Maccabee, físico aposentado da Marinha dos EUA, o qual prediz que a Força Tarefa do Pentágono (de sigla em inglês, UAPTF) que está estudando os fenômenos aéreos não identificados confirmará aquilo que os investigadores civis têm suspeitados há muito tempo: alguns OVNIs são controlados por uma inteligência não humana (INH):

Físico prevê que a força-tarefa confirmará a inteligências não humanas
Dr. Bruce Maccabee. Crédito da foto: psnradio

A(s) origem(ens) dessa(s) INH(s) é (são) desconhecida(s), mas eles podem vir de outros planetas usando tecnologia de transporte baseada em princípios físicos muito avançados.

O presidente Joe Biden dos EUA e líderes de outros países podem achar necessário desenvolver uma política única, uniforme e mundial para coexistir e interagir com a INH. A política deve ser mundial porque permitir que vários países desenvolvam suas próprias políticas pode resultar em alguma forma de desastre.

Se a Força Tarefa da Marinha descobrir que alguns UAPs (OVNIs) são evidências de INH, a Força-Tarefa irá, presumo, escrever um relatório não classificado (com apêndice classificado, se necessário) pronto para publicação. No entanto, pode ser que os formuladores de políticas no governo, quando confrontados com o relatório da UAPTF, decidam reter todo ou parte do relatório não classificado por causa de um impacto negativo percebido sobre os cidadãos dos EUA e de outros países.

A política “Sim ou Não” para divulgar o relatório seria baseada, em parte, se a Força-Tarefa determinar que eles nos “amam” (por exemplo, se eles nos criaram ou se somos “animais de estimação”), “nos odeiam” (por exemplo, se eles nos vêem como um perigo potencial para eles ou suas atividades) ou são indiferentes para nós (por exemplo, eles fazem o que querem fazer e nos ignoram, desde que não fiquemos em seu caminho).

A política de liberação também pode ser baseada parcialmente na determinação de que “eles” estão tão curiosos sobre nós quanto nós sobre eles. Um exemplo dessa possibilidade é a série de avistamentos de radar e visuais feitos durante a madrugada de 31 de dezembro de 1978, a cerca de 32 quilômetros da costa leste da Ilha do Sul da Nova Zelândia.

O radar do Controle de Tráfego Aéreo Wellington, localizado na extremidade sul da Ilha do Norte, detectou “alvos” de radar desconhecidos (objetos reflexivos de radar) que aparentemente viajaram junto com um avião cargueiro que voava para o sul para Christchurch, uma cidade no lado leste da Ilha Sul, cerca de 250 quilômetros ao sul-sudoeste de Wellington. Um desses alvos se aproximou do avião de maneira gradativa, chegando tão perto do avião que o radar não conseguiu separar o alvo desconhecido do alvo do avião. Como o operador de radar disse ao avião:

“Há um alvo forte em formação com você agora … pode ser à esquerda ou à direita … Seu alvo dobrou de tamanho.”

Este evento de radar é referido, na recontagem mais detalhada abaixo, como o evento “Alvo de tamanho duplo”. Após cerca de 30 segundos, o alvo desconhecido se afastou e o alvo do avião foi reduzido ao tamanho normal. (Mais detalhes são fornecidos abaixo.)

A ação do objeto desconhecido, chegando temporariamente muito perto do avião, parece ter sido deliberada. Afinal, havia muitos lugares para o desconhecido estar além do avião. Então, isso levanta a questão, por que ele ficou tão perto do avião? A curiosidade pode ser uma resposta e a intenção de assustar as pessoas no avião pode ser outra resposta. Qualquer uma das respostas seria consistente com INH como sendo a causa dos alvos desconhecidos.

Histórico

Breve história

A partir do final da década de 1940, militares e cidadãos de todos os países e de todas as esferas da vida começaram a relatar objetos incomuns viajando pelo céu. Eles passaram a ser conhecidos como objetos voadores não identificados (OVNIs). Centenas de relatórios por ano, de 1947 a 1969, foram coletados e analisados ​​por três projetos da Força Aérea dos EUA, SIGN (1948), GRUDGE (1949 – 1951) e o conhecido PROJECT BLUE BOOK (1952 – 1969).

Depois de estudar cerca de 13.000 relatórios, o BLUE BOOK concluiu que a maioria poderia ser explicada como fenômenos comuns que foram mal interpretados, mas que 701 resistiram à explicação por causa de suas formas não aerodinâmicas (esfera, disco, cilindro), por causa da ausência de características reconhecíveis (asas, estabilizadores , fuselagem, hélices, motores a jato), devido à sua capacidade de pairar sem meios reconhecíveis de suporte (anti-gravidade?) e dinâmica extrema (alta aceleração levando à velocidade extrema – milhares de quilômetros por hora – sendo alcançada em um segundo ou menos). O BLUE BOOK alegou então, sem provas, que os relatórios desses 701 avistamentos eram defeituosos ou incompletos e que se eles (investigadores da USAF) tivessem mais informações sobre eles, eles também poderiam ter sido explicados.

Depois que o BLUE BOOK foi fechado em 1969, a Força Aérea respondeu às perguntas distribuindo uma “Ficha Informativa” que dizia que, após investigar milhares de avistamentos, não havia encontrado nada que fosse uma ameaça aos Estados Unidos e nada que indicasse que os relatórios de OVNIs eram evidências de uma tecnologia avançada ou Inteligência Não Humana (INH).

Eventos recentes

Mais recentemente, houve avistamentos de pilotos de caça e marinheiros da Marinha dos EUA que detectaram e rastrearam OVNIs usando radares modernos e dispositivos ópticos. A Marinha confirmou que os OVNIs são objetos ou fenômenos desconhecidos. Os novos dados de radar e observacionais confirmam o que foi relatado desde os primeiros avistamentos de OVNIs no final da primavera de 1947, ou seja, que esses objetos podem sofrer aceleração extrema e atingir velocidades muito altas. Eles também podem pairar acima do solo, apesar da falta de meios observáveis ​​de suporte, como lâminas rotativas como em um helicóptero.

A questão mais intrigante é: poderiam esses objetos ou fenômenos, pelo menos alguns deles, serem evidências de que a Terra está sendo visitada por Inteligências Não-Humanas que viajam por meio de vários veículos de transporte alienígena tecnologicamente avançados?

A fim de responder a esta pergunta, o Escritório de Inteligência Naval (de sigla em inglês, ONI), respondendo à orientação do Congresso, criou uma força-tarefa (a Força-Tarefa de Fenômeno Aéreo Não Identificado, UAPTF) para coletar e analisar relatórios de avistamentos de UAPs/OVNIs e preparar um relatório não classificado para publicação.

A Marinha pode ser elogiada por “pegar o touro pelos chifres” e estabelecer um programa para lidar com a questão acima “de frente”. No entanto, as investigações e análises de muitos relatórios não classificados por civis (e militares) nos últimos 70 anos já levaram muitos investigadores a concluir que pelo menos alguns dos relatórios de OVNIs são evidências de INH. A Força-Tarefa provavelmente confirmará essa conclusão com base em seus estudos de avistamentos classificados (e não classificados).

Exemplo de um evento possivelmente causado por uma INH

Um excelente exemplo de avistamento por civis que pode ser explicado presumindo que o OVNI foi controlado por uma INH é o avistamento por radar “Alvo de tamanho duplo” (de sigla em inglês, DST) que ocorreu na Nova Zelândia durante as primeiras horas da manhã de domingo, 31 de dezembro de 1978.

O radar de avistamento do DST é um de uma série de eventos de radar e avistamento visual que ocorreram entre 00h15 (15 minutos após a meia-noite) e 01h00 (1h00), hora local, quando um cargueiro de quatro motores Argosy voou para o sul ao longo de uma rota bem viajada, levando jornais de Wellington a Christchurch. Esses avistamentos são únicos pela quantidade e qualidade dos dados disponíveis. Havia cinco testemunhas no avião e duas no Centro de Controle de Tráfego Aéreo de Wellington (WATCC). O WATCC gravou todas as comunicações (áudio) entre o WATCC e o avião. Isso possibilitou uma reconstrução precisa dos eventos de avistamento que ocorreram durante o voo.

Houve vários avistamentos, tanto de radar como visuais, durante este voo. No entanto, apenas os avistamentos de radar relacionados ao evento DST são apresentados aqui. Informações sobre os muitos outros avistamentos são apresentadas em http://brumac.mysite.com, onde você rola para baixo até os parágrafos 29, 30 e 41.

O avistamento do alvo duplo ocorreu quando o avião estava voando para o sul a 14.000 pés e 215 nós (215 kt ou cerca de 400 km/h, ou cerca de 4 milhas estatutárias por minuto; daqui em diante as distâncias são em milhas náuticas – nm – que são cerca de 15% maiores do que as milhas estatutárias e as velocidades estão em nm / h ou kt). O avião estava a cerca de 90 nm ao sul do WATCC, que o seguia com seu radar de busca que varria um feixe estreito (cerca de 2 graus de largura) ao redor do céu a cada 12 segundos (5 revoluções por minuto). Se um objeto refletivo de radar, como um avião, fosse “atingido” pelo feixe, a potência do radar refletida faria com que um curto arco de luz brilhante, um “alvo”, aparecesse no visor circular do radar. Durante a próxima rotação do feixe do radar, outro arco brilhante apareceria a uma curta distância do arco anterior, uma distância curta porque o avião só poderia viajar uma distância curta, cerca de 0,6 milhas (1km), durante os 12 segundos. Quando um arco brilhante aparecia na tela, seu brilho diminuía lentamente com o tempo, de modo que a qualquer momento, para um “alvo” específico, haveria uma linha ou trilha de arcos curtos de brilho decrescente indicando onde o objeto alvo estava no rotação mais recente (o arco mais brilhante) e onde esteve durante as rotações anteriores. Assim, a série de arcos indicava onde o alvo estivera e a direção para a qual estava indo.

A descrição acima do que apareceria no visor do radar se aplica a alvos normais (por exemplo, aviões). No entanto, nesta noite em particular, os operadores de radar viram o que chamaram de “alvos estranhos” que não criavam linhas de arcos. Em vez disso, eles viram o seguinte: conforme o feixe do radar circulasse, detectava um único alvo e criava um arco em algum local da tela do radar. Quando o feixe passou pelo local novamente, havia apenas o arco anterior (esmaecimento) e nenhum novo arco indicando que o alvo não estava mais naquele local. No entanto, havia um arco em algum outro local a muitos quilômetros de distância, onde não havia um arco antes, sugerindo que o alvo viajou muitos quilômetros para um novo local durante a rotação de 12 segundos.

No início de 1979, durante a análise inicial desses avistamentos, alvos que eram “arcos sem rastros” foram considerados algum tipo de anomalia causada pelo clima (“anjos de radar”) e que essas anomalias apareciam aleatoriamente ao redor do avião. Pouca preocupação foi dada à possibilidade de que essas anomalias realmente percorressem grandes distâncias em 12 segundos, o que implicaria que os estranhos alvos seriam capazes de sofrer alta aceleração e atingir velocidades muito altas, uma capacidade além de qualquer anomalia climática.

No entanto, os avistamentos recentes da Marinha de alvos de radar que alcançam alta aceleração e alta velocidade sugerem que os alvos de radar vistos na Nova Zelândia devem ser reavaliados, uma vez que eram da mesma natureza dos alvos da Marinha. Isso implicaria que podemos aprender algo sobre objetos relatados pela Marinha, estudando as atividades relatadas de objetos/alvos desconhecidos da Nova Zelândia.

O alvo de tamanho duplo

Entre 0015 e 0027 (24 horas em minutos após a meia-noite), enquanto o avião voava para o sul, o WATCC relatou seis alvos de radar estranhos em vários momentos e em várias distâncias e direções em relação à localização do avião. Então, às 0027, o WATCC relatou ao avião: “O alvo está às 12:00 a 3 milhas.’ (As instruções de localização são fornecidas em formato de relógio.) A tripulação aérea respondeu imediatamente: “Obrigado. Nós o captamos. Tem uma luz piscando.” Este avistamento por si só é extraordinário, uma vez que, de acordo com o WATCC, não havia outros aviões no céu ao sul de Wellington e não havia fontes conhecidas de luz diretamente à frente do avião. (Havia as luzes da esquadra pesqueira japonesa de lula a cerca de 160 quilômetros a leste deles, mas foram reconhecidas pela tripulação aérea.)

Por volta das 00h28, o WATCC relatou que havia alvos de 10 nm a 15 nm atrás do avião. Claro, a tripulação aérea não podia vê-los. Por volta das 00h29 ½ o WATCC disse ao avião que havia um alvo às 6h00 a 4 nm (atrás deles). Às 00h30, o WATCC disse ao avião que havia um alvo “adicional” às 3:00 (à direita) a 4 nm. (Se este último alvo era o mesmo objeto que o anterior, então ele viajou cerca de 5 ½ nm em ½ minuto ou cerca de 660 kt, três vezes mais rápido que o avião.)

Então veio o evento de radar mais surpreendente, o Alvo de Tamanho Duplo. Cerca de 30 minutos e 45 segundos após a meia-noite, o WATCC relatou ao avião o seguinte:

“Há um alvo forte à direita em formação com você agora … pode ser à esquerda ou à direita … seu alvo dobrou de tamanho.”

De acordo com os operadores de radar, o movimento do DST, conforme exibido na tela do radar, era exatamente o que se esperaria se dois aviões estivessem voando lado a lado na mesma velocidade e separados por uma curta distância (distância real desconhecida; talvez menos de uma milha [1,6 km]),

Tanto os operadores de radar quanto a tripulação esperaram com certa apreensão para ver o que aconteceria a seguir!

Finalmente, por volta das 00h31: 30 (30 segundos depois das 00h31), o WATCC relatou:

“Seu alvo foi reduzido ao tamanho normal” (eles agora podiam expirar).

Por causa da taxa de varredura do radar, 12 segundos por rotação, não é possível determinar exatamente a duração do DST, mas foi de pelo menos 36 segundos, tempo suficiente para descartar qualquer explicação diferente daquela de que o avião teve um companheiro de viagem. (O avião estava voando em linha reta, então o aumento no tamanho do alvo do radar não foi devido a uma mudança na orientação do avião.)

Cerca de um minuto e meio depois de ser informado de que o alvo do avião tinha o tamanho normal, o avião relatou ao WATCC:

“Consegui um alvo às 3:00 logo atrás de nós.”

O WATCC respondeu imediatamente:

“Sim, e chegando agora às 4:00, a 4 milhas (6,5 km).”

Cerca de um minuto depois, o WATCC relatou um alvo às 5:00 a 10 milhas (16 km). Cerca de 40 segundos depois, o WATCC relatou que o mesmo alvo estava às 6:00, diretamente atrás do avião, que estava a 15 milhas (24 km) de distância e que havia se juntado a dois outros alvos estacionários! Pouco depois, os três alvos foram substituídos por um único alvo maior do que o alvo do avião. Vários minutos depois disso, o avião começou sua descida para pousar em Christchurch e não houve mais incidentes de radar durante o voo para o sul. (Houve incidentes de radar e visuais enquanto o avião voava para o norte para Blenheim mais tarde, mas não houve nenhum alvo de avião de tamanho duplo.)

O incidente do DST é excepcionalmente importante porque mostra que havia mais nesses alvos de radar do que a mera existência. A existência desses alvos pode, de alguma forma, ser atribuída a fenômenos atmosféricos de curta duração e, de fato, os céticos que estudaram esses avistamentos atribuíram os ‘alvos estranhos’ a flutuações no fluxo turbulento de ar quando ele sopra para o leste sobre o picos de montanhas irregulares da Ilha do Sul da Nova Zelândia. Mas os alvos de radar gerados por turbulência são alvos fracos, eles aparecem em momentos e locais aleatórios e não se movem rapidamente, certamente não tão rapidamente quanto um avião.

Os movimentos, se houver, de alvos de radar gerados por turbulência não dão a aparência de intenção. No entanto, o alvo que se moveu junto com o avião deu evidências de intenção, como a intenção de ‘aproximar-se para ver melhor o avião’. A intenção é uma característica da inteligência.

Os movimentos deste alvo também indicam curiosidade, que é outra característica da inteligência.

Esses estranhos alvos de radar não eram controlados por humanos. Podemos, portanto, concluir que esses alvos, e, por extensão, os alvos detectados pela Marinha, eram controlados por Inteligências Não-Humanas ou … alienígenas.

– Dr. Bruce Maccabee

Colaboração: Marcelino


O Dr. Maccabee pode estar correto em sua presunção de que alguns OVNIs sejam originários de inteligências não humanas, mas eu, particularmente, duvido muito que o relatório vindouro do Pentágono irá falar isso; pelo menos não diretamente.

Por favor, me provem errado.

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


Meus sinceros agradecimentos aos que doaram ao OH neste mês de maio:

  • Boris G. K.
  • Ricardo C. A.
  • Eduardo S. S.
  • Egidia L.
  • Joaquim F. P. C.
  • Helio S Jr.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol