web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

SETI: como os micróbios podem se comunicar com espécies exóticas

Tempo de leitura: 3 min.

Nós estamos sozinhos no universo? O famoso programa SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence/Procura por Inteligência Extraterrestre) vem tentando responder a essa pergunta desde 1959. O astrônomo americano Carl Sagan, e muitos outros, acreditavam que outras civilizações semelhantes às humanas deviam existir e que poderíamos nos comunicar com elas. Mas os céticos não estão convencidos, argumentando que a falta de evidências para tais civilizações sugere que elas são extremamente raras.

SETI: como os micróbios podem se comunicar com espécies exóticas
Crédito da ilustração: depostiphotos

Mas se é improvável que existam outras civilizações semelhantes às humanas, poderiam existir outras formas de vida – talvez mais adequadas do que nós para se espalhar no cosmos? E seria possível para essas formas de vida se comunicarem entre si (SETI não humano)? Nosso novo estudo, publicado na Biosystems, sugere que sim. Micróbios, como bactérias, podem ser os governantes da vida cósmica – e são muito mais inteligentes do que acreditamos. Na verdade, mostramos como os micróbios podem imitar o programa SETI sem interferência humana.

Para entender os micróbios, precisamos desafiar nossos preconceitos antropocêntricos. Embora muitos de nós vejam os micróbios como organismos unicelulares que causam doenças, a realidade é diferente. Micróbios são entidades multicelulares livremente organizadas. As bactérias, por exemplo, vivem como sociedades membros de vários bilhões – colônias capazes de “pensar” e tomar decisões.

Uma colônia bacteriana típica é uma entidade cibernética – um “superencéfalo” que resolve problemas ambientais. Mais importante ainda, todas as colônias de bactérias na Terra estão interconectadas em um super-sistema bacteriano global denominado bacteriosfera. Essa “rede mundial” de informações genéticas tem regulado o fluxo de elementos orgânicos na Terra nos últimos três bilhões de anos, de uma maneira que permanecerá para sempre além das capacidades humanas. Por exemplo, elas reciclam nutrientes importantes, como carbono, nitrogênio e enxofre.

Ainda hoje, as bactérias são os seres vivos mais dominantes na Terra. Retire as bactérias da biosfera e a vida entrará em colapso gradualmente. As bactérias podem, portanto, ser muito mais adequadas para viagens e comunicações cósmicas do que nós. Um estudo recente descobriu que as bactérias terrestres podem sobreviver no espaço por pelo menos três anos, possivelmente mais. Adicione a isso o fato de que as bactérias podem existir em um estado dormente por milhões de anos, e é claro que os micróbios são muito resistentes.

Na verdade, várias versões da hipótese da panspermia – que afirma que a vida microbiana existe e viaja por todo o universo – apoiam essa noção. Modelos matemáticos recentes têm apoiado isso, mostrando que a viagem microbiana pode ser possível não apenas em nosso sistema solar, mas por toda a galáxia.

Conjunto Microbiano

Como poderia funcionar o SETI microbiano? Acreditamos que a bacteriosfera poderia potencialmente replicar todas as etapas conhecidas de SETI humano. O primeiro passo no SETI humano é a capacidade de ler informações em escala cósmica. Por exemplo, usando radiotelescópios, podemos analisar planetas habitáveis ​​distantes. O segundo passo é desenvolver tecnologias e conhecimento para avaliar se os planetas habitáveis ​​contêm vida. O terceiro passo é anunciar nossa presença na Terra para extraterrestres inteligentes e tentar fazer contato com eles se responderem aos sinais iniciais.

Os micróbios têm uma capacidade limitada de ler as informações em escala cósmica. Por exemplo, as cianobactérias podem ler a parte do espectro eletromagnético proveniente do Sol na forma de luz visível (etapa um). Esse fenômeno biológico é denominado fototropismo e ocorre, por exemplo, quando uma planta se volta ou se afasta do Sol ou de outra fonte de luz.

O segundo passo foi crucial para o desenvolvimento da vida na Terra. As cianobactérias desenvolveram uma biotecnologia na forma de fotossíntese (que transforma água, luz solar e dióxido de carbono em oxigênio e nutrientes). Isso transformou o planeta morto em um planeta vivo, ou a bacteriosfera, ao longo de um longo período evolutivo. A vida microbiana então se tornou mais complexa, criando plantas e animais nos últimos 600 milhões de anos. No entanto, as bactérias continuam a ser a forma de vida mais dominante do planeta. A fotossíntese, como uma forma de tecnologia bacteriana, sempre alimentou a vida na Terra.

O terceiro passo é sobre atração e comunicação entre micróbios com substâncias químicas semelhantes. Os micróbios extraterrestres devem ser capazes de se integrar perfeitamente à bacteriosfera da Terra se compartilharem a química e o metabolismo baseados no carbono, incluindo DNA, proteínas e outras biomoléculas. O processo oposto também é possível. Micróbios da Terra podem viajar para o espaço em asteroides e semear vida em outras partes do cosmos. Alternativamente, os humanos, como futuros viajantes cósmicos, poderiam atuar como vetores microbianos em virtude do microbioma humano.

Para apreciar SETI microbiano, precisamos entender o conceito de inteligência no sentido evolutivo. Isso nos permitirá avaliar melhor a inteligência bacteriana e suas capacidades no contexto de SETI humano e microbiano. Alguns biólogos argumentam que a inteligência humana é apenas um fragmento em um amplo espectro de inteligência natural que inclui micróbios e plantas.

Também precisamos reavaliar as assinaturas tecnológicas como sinais de civilizações inteligentes. Civilizações tecnologicamente avançadas, de acordo com o físico Freeman Dyson, devem ter grandes demandas de energia. Essas demandas podem ser alcançadas pela construção de megaestruturas cósmicas, chamadas de esferas de Dyson, em torno de seus planetas que podem capturar a energia de sua estrela hospedeira. Procurar essas esferas, verificando se a luz das estrelas está bloqueada, pode ser uma maneira de encontrá-las.

Mas, se civilizações semelhantes às humanas são realmente raras, não há sentido em procurar por tais estruturas. Em vez disso, pode ser mais apropriado pesquisar bioassinaturas como sinais de vida microbiana em planetas habitáveis.

O caminho a seguir na busca por vida extraterrestre pode ser a busca por gases na atmosfera de planetas que significam vida, como oxigênio, metano ou fosfina, que são todos produzidos por micróbios. A descoberta de fosfina na atmosfera de Vênus foi uma pista promissora, mas agora parece duvidosa, pois um novo estudo sugere que o sinal pode ter sido dióxido de enxofre em vez de fosfina. No entanto, não temos escolha a não ser continuar tentando. Felizmente, o Telescópio Espacial James Webb deve ser capaz de rastrear a atmosfera de planetas orbitando estrelas diferentes do nosso Sol quando for lançado no final deste ano.

(Fonte)


n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp