web analytics

Poderemos detectar uma mega constelação de satélites extraterrestres

Tempo de leitura: 2 min.

Starlink é uma das missões espaciais mais ambiciosas que já empreendemos. O plano atual é colocar 12.000 satélites de comunicação em órbita baixa da Terra, com possibilidade de outros 30.000 depois. Apenas colocá-los em órbita é um grande desafio de engenharia e, com tantos pedaços de metal em órbita, algumas pessoas temem que isso possa levar a uma cascata de colisões que impossibilita a sobrevivência dos satélites.

Poderemos detectar uma mega constelação de satélites extraterrestres
Interferômetro do Very Large Telescope (VLTI). Crédito: G.Hüdepohl / ESO

Mas suponha que resolvamos esses problemas e o Starlink tenha sucesso. Qual é o próximo passo? E se formos mais longe, criando uma megaconstelação de satélites e estações espaciais? E se uma civilização alienígena já criou uma megaconstelação de satélites ao redor de seu mundo? Podemos ve-la da Terra?

Essa é a ideia por trás de um artigo recente postado no arXiv. Ele é baseado em uma ideia sobre como as civilizações podem crescer ao longo do tempo, conhecida como escala de Kardashev. A escala é baseada no nível de energia que uma civilização pode atingir, onde o Tipo I usa energia em uma escala global, o tipo II é a energia de uma estrela e assim por diante. Por algumas estimativas, a Terra está aproximadamente no nível 0,7. Se um Tipo I construísse uma constelação de satélites do tipo Starlink, iria ultrapassar os limites da tecnologia orbital.

Construir, lançar e manter uma estrutura tão complexa exigiria uma grande quantidade de energia e matéria-prima, e isso geraria calor residual que poderíamos ser capazes de detectar. Usando algumas estimativas aproximadas, o artigo mostra que tal constelação produziria uma assinatura infravermelha distinta. Além disso, usando telescópios infravermelhos atuais, como o Very Large Telescope Interferometer (VLTI), poderíamos detectar essa assinatura em qualquer planeta a cerca de 280 anos-luz de nós. Existem cerca de 1.000 estrelas semelhantes ao Sol nessa distância, então se as civilizações Tipo I forem bastante comuns, teremos uma chance decente de encontrar uma.

Houve pesquisas por civilizações da escala Kardashev antes, sem sucesso. Mas a maioria desses estudos se concentrou em civilizações altamente avançadas do Tipo II ou Tipo III, que deixariam evidências em uma escala galáctica. O que torna esta ideia interessante é que ela se concentra no Tipo I, que está muito mais perto de onde estamos agora. Com sorte, poderíamos nos tornar uma civilização Tipo I em um milênio. Teríamos uma chance muito melhor de reconhecer a evidência de uma civilização como a nossa, em vez de uma civilização hiperavançada que se estende por uma galáxia.

(Fonte)


– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


Meus sinceros agradecimentos aos que doaram ao OH neste mês de maio:

  • Boris G. K.
  • Ricardo C. A.
  • Eduardo S. S.
  • Egidia L.
  • Joaquim F. P. C.
  • Helio S Jr.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol