web analytics
Tempo de leitura: 3 min.

Como serão os humanos daqui a um milhão de anos?

Tempo de leitura: 3 min.
Como serão os humanos daqui a um milhão de anos?
Crédito da imagem: depositphotos

Para compreender nossa evolução futura, precisamos olhar para o nosso passado.

Nossos descendentes serão ciborgues com implantes de máquinas de alta tecnologia, membros regeneráveis ​​e câmeras no lugar dos olhos, como algo saído de um romance de ficção científica?

Os humanos podem se transformar em uma espécie híbrida de seres biológicos e artificiais? Ou poderíamos ficar menores ou mais altos, mais magros ou mais gordos, ou mesmo com características faciais e cor de pele diferentes?

Claro, não sabemos, mas para considerar a questão, vamos recuar um milhão de anos para ver como os humanos eram naquela época. Para começar, o Homo sapiens não existia. Um milhão de anos atrás, provavelmente existiam algumas espécies diferentes de humanos, incluindo o Homo heidelbergensis, que compartilhava semelhanças tanto com o Homo erectus quanto com os humanos modernos, mas com uma anatomia mais primitiva do que o Neandertal posterior.

Ao longo da história mais recente, durante os últimos 10.000 anos, houve mudanças significativas para os humanos se adaptarem. A vida na agricultura e a abundância de alimentos levaram a problemas de saúde para os quais usamos a ciência para resolver, como o tratamento da diabetes com insulina. Em termos de aparência, os humanos ficaram mais gordos e, em algumas áreas, mais altos.

Talvez, então, pudéssemos evoluir para ser menores, de modo que nossos corpos precisassem de menos energia, sugere Thomas Mailund, professor associado de bioinformática na Universidade de Aarhus, Dinamarca, o que seria útil em um planeta altamente povoado.

Viver ao lado de muitas pessoas é uma nova condição à qual os humanos precisam se adaptar. Quando éramos caçadores-coletores, havia um punhado de interações diariamente. Mailund sugere que podemos evoluir de maneiras que nos ajudem a lidar com isso. Lembrar o nome das pessoas, por exemplo, pode se tornar uma habilidade muito mais importante.

É aqui que entra a tecnologia.

Thomas diz:

“Um implante no cérebro nos permitiria lembrar o nome das pessoas. Nós sabemos quais genes estão envolvidos na construção de um cérebro que é bom em lembrar o nome das pessoas. Podemos apenas mudar isso. Parece mais ficção científica. Mas podemos fazer isso agora. Podemos implantá-lo, mas não sabemos como conectá-lo para torná-lo útil. Estamos chegando lá, mas é muito experimental.

Não é mais uma questão biológica, é tecnológica.”

Atualmente, as pessoas têm implantes para consertar um elemento do corpo que está quebrado, como um marca-passo ou um implante de quadril. Talvez no futuro, os implantes sejam usados ​​simplesmente para melhorar uma pessoa. Assim como os implantes cerebrais, podemos ter partes mais visíveis da tecnologia como um elemento de nossa aparência, como um olho artificial com uma câmera que pode ler diferentes frequências de cores e visuais.

Todos nós já ouvimos falar de bebês projetados. Os cientistas já têm a tecnologia para mudar os genes de um embrião, embora seja controverso e ninguém tenha certeza do que acontece a seguir. Mas no futuro, sugere Mailund, pode ser visto como antiético não mudar certos genes. Com isso, pode vir a escolha sobre as características de um bebê, então talvez os humanos se pareçam com o que seus pais querem que sejam.

Mailund disse:

“Ainda será uma seleção, é apenas uma seleção artificial agora. O que fazemos com raças de cães, faremos com humanos.”

Tudo isso é bastante hipotético, mas as tendências demográficas podem nos dar alguma noção de como podemos ser no futuro?

O Dr. Jason A. Hodgson, palestrante, Grandes Desafios em Ecossistemas e Meio Ambiente, disse:

“A previsão de um milhão de anos é pura especulação, mas a previsão para um futuro mais imediato é certamente possível usando bioinformática …”

Agora que temos amostras genéticas de genomas completos de humanos em todo o mundo, os geneticistas estão entendendo melhor a variação genética e como ela está estruturada em uma população humana. Não podemos prever exatamente como a variação genética vai mudar, mas os cientistas da área de bioinformática estão olhando para as tendências demográficas para nos dar alguma ideia.

Hodgson prevê que as áreas urbanas e rurais se tornarão cada vez mais diferenciadas dentro das pessoas.

Ele disse:

“Toda a migração vem das áreas rurais para as cidades, então você obtém um aumento na diversidade genética nas cidades e uma diminuição nas áreas rurais. O que você pode ver é a diferenciação ao longo das linhas onde as pessoas vivem.”

Vai variar em todo o mundo, mas no Reino Unido, por exemplo, as áreas rurais são menos diversificadas e têm mais ancestrais do que tem havido por lá por um longo período de tempo em comparação com as áreas urbanas que têm uma população maior de migrantes.

Alguns grupos estão se reproduzindo em taxas mais altas ou mais baixas. As populações da África, por exemplo, estão se expandindo rapidamente, de modo que esses genes aumentam em uma frequência mais alta no nível da população global. As áreas de pele clara estão se reproduzindo em taxas mais baixas. Portanto, prevê Hodgson, a cor da pele de uma perspectiva global ficará mais escura.

Ele disse:

“É quase certo que a cor da pele escura está aumentando em frequência em uma escala global em relação à cor da pele clara. Eu prevejo que uma pessoa comum em várias gerações a partir de agora tivesse uma cor de pele mais escura do que agora.”

E quanto ao espaço? Se os humanos acabassem colonizando Marte, como evoluiríamos para nos parecer? Com menor gravidade, os músculos de nosso corpo podem mudar de estrutura. Talvez tenhamos braços e pernas mais longos. Em um clima mais frio, do tipo da Idade do Gelo, poderíamos ficar ainda mais gordinhos, com pelos corporais isolantes, como nossos parentes Neandertais?

Não sabemos, mas, certamente, a variação genética humana está aumentando. Em todo o mundo, existem cerca de duas novas mutações para cada um dos 3,5 bilhões de pares de bases no genoma humano a cada ano, diz Hodgson. O que é incrível – e torna improvável que tenhamos a mesma aparência em um milhão de anos.

(Fonte)


Desculpem o pessimismo, mas daqui um milhão anos possivelmente não estaremos mais aqui.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é produtos-OVNI-Hoje-1.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Loja-Nerd.jpg

Leitores OVNI Hoje ganham 10% de desconto em todos os produtos da Loja Nerd, inclusive nos produtos OVNI Hoje. (Use o cupom OVH10)


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.

Plugin Kapsule Corp