web analytics
Tempo de leitura: 4 min.

“O que aprendi sobre Experiências de Quase Morte mudou minha vida”

Tempo de leitura: 4 min.
"O que aprendi sobre Experiências de Quase Morte mudou minha vida"
Dr. Bruce Greyson, que estudou experiências de quase morte por mais de 50 anos. Foto: Cortesia do DR. Bruce Greyson

Por Dr. Bruce Greyson

Fui criado em uma casa científica, onde coisas que não podiam ser vistas, ouvidas ou sentidas nunca foram discutidas. Nosso mundo era o mundo físico, e a ideia de que havia algo mais nunca surgiu. Quando você morreu, esse foi o fim. Esse era o mundo com o qual eu conhecia e me sentia confortável. Não senti necessidade de procurar mais nada. Passei pela faculdade e pela escola de medicina com essa mentalidade, e vislumbrei uma carreira gratificante como cientista médico.

Mas pouco depois de terminar a faculdade de medicina em 1973, nos meus primeiros meses de estágio psiquiátrico, fui convocado para o pronto-socorro do Hospital Universitário da Universidade da Virgínia (UVA), onde eu estava trabalhando para avaliar uma paciente que teve uma overdose. Quando fui vê-la, ela estava inconsciente e não podia ser despertada. Eu andei os 50 metros do corredor e perguntei à sua colega de apartamento sobre estressores na vida da paciente, mudanças recentes em seu humor, e que drogas ela poderia ter tomado. Quando terminei com a colega de apartamento, voltei para a paciente, que ainda estava inconsciente, determinei que ela seria internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), e providenciei para vê-la na manhã seguinte.

Quando a visitei na UTI na manhã seguinte, ela estava muito sonolenta. Comecei a me apresentar, e ela disse:

“Eu sei quem você é. Eu me lembro de você de ontem à noite.”

Surpreso, eu disse:

“Eu pensei que você estava dormindo quando eu vi você ontem à noite.”

E ela respondeu:

“Não no meu quarto; eu vi você falando com minha colega de apartamento.”

Eu hesitei, minha mente cambaleando, tentando entender. Ela estava, com a ajuda das enfermeiras, pregando uma peça em mim? Sentindo minha confusão, ela fez contato visual pela primeira vez e me contou sobre minha conversa com sua colega de quarto, com detalhes sobre o quarto em que estávamos e o que estávamos vestindo. O cabelo subiu na parte de trás do meu pescoço, e eu senti arrepios. Não consegui entender, mas também não tive tempo para pensar nisso. Eu estava lá para lidar com o estado mental dela, não com o meu.

Não me atrevi a contar a ninguém sobre isso. Eu era um estagiário verde muito ingênuo ou enfrentando uma impossibilidade física, e eu estava muito envergonhado para compartilhar qualquer alternativa com qualquer outra pessoa. Com o passar do tempo, eu disse a mim mesmo que devo ter ouvido mal ou interpretado mal o que ela tinha dito. Eu acreditava que devia haver uma explicação racional, embora eu não pudesse pensar em uma. Então tentei, em vez disso, colocar a questão fora da minha mente.

Três anos depois, em 1976, o Dr. Raymond Moody se juntou a mim no Hospital Universitário UVA. Ele tinha acabado de publicar um livro chamado Life After Life (Vida Após a Morte), no qual introduziu o termo “Experiência de Quase-Morte” ou “EQM“, e descreveu o que ele tinha observado em 50 pacientes que tinham sido trazidos de volta da beira da morte.

Falar com Raymond e ler seu livro me deu a primeira dica de que o relato da minha paciente de overdose de visualização remota não foi apenas um incidente isolado, mas parte de um fenômeno muito maior que estava sendo relatado por milhões de pessoas em todo o mundo. Como cientista, parecia intelectualmente desonesto fingir que essas coisas não aconteceram, e decidi que a única maneira de entender essas experiências era estudá-las em profundidade. Minha busca para encontrar uma explicação lógica para as EQMs me levou a meio século de pesquisa que me levaram a um território que eu nunca poderia ter imaginado.

Nas últimas cinco décadas, entrevistei milhares de pessoas que foram trazidas de volta do limiar da morte — ou em alguns casos declaradas mortas — e elas tinham histórias marcantes para contar. Embora seja impossível dizer com certeza o que acontece quando morremos, ouvi centenas de relatos de pessoas que afirmam ter deixado seus corpos físicos e viram coisas que não deveriam ter sido capazes de ver, enquanto estavam inconscientes.

Um exemplo foi um motorista de caminhão que disse que, durante uma cirurgia de bypass quádruplo, ele subiu acima da sala de cirurgia e viu seu cirurgião batendo os braços como se estivesse tentando voar. Convencido de que uma visão tão absurda tinha que ser uma alucinação, pedi permissão ao homem para falar com seu cirurgião, e para meu espanto, o cirurgião corroborou a história, explicando que ele tinha colocado as palmas das mãos no peito para evitar tocar em qualquer coisa que não fosse no campo cirúrgico estéril e apontou coisas para seus assistentes com os cotovelos em vez de seus dedos.

Mas, por mais impressionantes que sejam essas experiências, para mim, como psiquiatra, sua característica mais impressionante são seus efeitos na vida das pessoas. Normalmente, as pessoas com quem falei voltam das EQMs com mudanças permanentes de atitudes, crenças, valores e comportamento. Eles se tornam menos interessados ​​em coisas mundanas como posses materiais, competição e fama, e mais interessados ​​em coisas não físicas: cuidado, compaixão e altruísmo. Não vi que eles se tornaram mais religiosos, mas percebi que muitas vezes se tornam mais conscientes dos aspectos espirituais da vida. Já vi militares e policiais de carreira que depois das EQMs se tornaram profissionais da saúde, professores ou assistentes sociais; homens de negócios competitivos tornam-se empregadores compassivos; e criminosos e viciados mudam suas vidas.

O efeito mais comum que tenho visto com pessoas que passaram por uma EQM é a convicção de que a morte não é o fim, mas sim uma transição, e que o que vem depois da morte, não importa como seja descrito, não é algo a temer. E os experimentadores descobrem que, quando perdem o medo da morte, também perdem o medo de viver em plenitude. Como resultado, suas vidas se tornam mais significativas e gratificantes.

Isso me afetou de maneiras sutis, mas definitivas. Não acredito mais que o mundo físico é tudo que existe, ou mesmo que é a parte mais importante do nosso mundo. Não sei se sobrevivemos à morte física, mas levo a possibilidade a sério. Sinto-me confortável com o desconhecido e sem ter que ter todas as respostas.

E acho particularmente útil durante uma pandemia global reconsiderar como pensamos sobre a morte e reavaliar o que é significativo e vale a pena preservar em nossas vidas.

O Dr. Bruce Greyson é Professor Emérito de Psiquiatria e Ciências Neurocomportamentais na University of Virginia School of Medicine. Um Distinguished Life Fellow da American Psychiatric Association. Seu livro, “After” (“Após” – título em tradução livre), é o culminar de quase meio século de sua investigação científica das EQMs.

(Fonte)


Para muitas pessoas parece ser impossível que a essência de uma alguém possa deixar seu corpo e viajar para outros lugares. Mas embora não saibamos o que realmente acontece bem depois que morremos, muitas pessoas têm testemunha a possibilidade de que há algo mais após esta vida.

Também, pessoas que hoje conseguem fazer o que é chamado por alguns de “viagem astral” – sem estarem à beira da morte – atestam que é possível deixarmos nossos corpos para trás e nos movermos livremente para outros ambientes.

De qualquer forma, um dia todos nós saberemos o que ocorre muito além do final das nossas vidas…

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol