Planeta do tamanho da Terra vaga no espaço sem uma estrela

Tempo de leitura: 2 min.
Ilustração de um “planeta rebelde”. Crédito: NASA


Astrônomos notaram algo estranho e até mesmo triste: um planeta flutuando livremente no espaço, sem estar na órbita de uma estrela.

É um exemplo do que os astrônomos chamam de “planeta rebelde”. Acredita-se que alguns começam como planetas normais, mas deixam suas estrelas após colidirem com outro objeto que os envia voando para o espaço como uma bola de bilhar. Outros planetas assim também podem se formar quando nuvens de gás e poeira implodem para formar um planeta em vez de uma estrela.

Scott Gaudi, professor de astronomia da Universidade Estadual de Ohio que ajudou a descobrir o novo planeta, disse em um comunicado da NASA:

O universo pode estar repleto de planetas rebeldes e nós nem saberíamos disso.

O planeta localizado por Gaudi e seus colegas acabou sendo aproximadamente a massa da Terra ou de Marte.

O que torna os planetas extremamente difíceis de detectar é que eles são muito escuros, uma vez que não há estrelas próximas para iluminá-los. É por isso que vimos apenas alguns desses mundos até agora.

O que torna ainda mais difícil identificá-los é o fato de que tendem a ser muito frios, o que significa que não aparecem em telescópios infravermelhos.

Para detectar o último planeta rebelde, a equipe de Gaudi usou uma nova técnica chamada “microlente”, conforme detalhado em uma pré-impressão enviada para o arquivo arXiv esta semana. A técnica observa as mudanças de empenamento que a massa tem na estrutura do espaço-tempo.

Basicamente, quando um planeta rebelde se move na frente de uma estrela mais distante, a luz dessa estrela se curva ao redor do planeta rebelde de nosso ponto de vista enquanto ele passa pelo tecido distorcido do espaço-tempo perto do planeta. Quanto maior a massa do planeta, mais extremo será o efeito.

A equipe usou o Telescópio Espacial Nancy Grace Roman da NASA para localizar o planeta solitário – um feito que teria sido impossível sem o “escopo especializado”, de acordo com a equipe por trás da descoberta.

Matthew Penny, professor assistente de física e astronomia da Louisiana State University e co-autor do artigo, informou na declaração da NASA:

O sinal de microlente de um planeta rebelde dura apenas entre algumas horas e alguns dias e depois desaparece para sempre. Isso os torna difíceis de observar da Terra, mesmo com vários telescópios. [O telescópio] Roman é uma virada de jogo para buscas de planetas rebeldes.

o Roman foi projetado para caçar esses planetas rebeldes e ver o quão comuns eles são. Essa descoberta pode influenciar a maneira como entendemos a formação e evolução dos planetas.

Gaudi Acrescentou:

Jamais descobriríamos sem realizar uma pesquisa completa de microlente baseada no espaço como Roman fará.

(Fonte)

Colaboração: Lindolfo Alves de Carvalho Neto


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.