Exoplaneta é descoberto bem próximo de estrela anã branca

Tempo de leitura: 2 min.
Exoplaneta é descoberto bem próximo de estrela anã branca
Ilustração de possível exoplaneta orbitando estrela anã branca. Crédito: NASA

Usando o Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA e vários telescópios terrestres, os astrônomos descobriram um planeta do tamanho de Júpiter orbitando uma estrela anã branca próxima chamada WD 1856 + 534.

O sistema WD 1856 + 534, também conhecido como TIC 267574918 e LP 141-14, está localizado a cerca de 80 anos-luz de distância na constelação de Draco.

A anã branca é o remanescente de uma estrela semelhante ao Sol, muito reduzida a aproximadamente o tamanho da Terra, mas retém metade da massa do Sol.

Ela tem cerca de 18.000 km de diâmetro, pelo menos 6 bilhões de anos de idade, e é membro distante de um sistema estelar triplo.

O novo planeta massivo tem aproximadamente o mesmo tamanho de Júpiter e não tem mais do que 14 vezes mais massa.

Chamado WD 1856 + 534b, ele orbita a anã branca uma vez a cada 1,4 dias, mais de 60 vezes mais rápido do que Mercúrio orbita nosso Sol.

O autor principal do estudo, Dr. Andrew Vanderburg, astrônomo do Departamento de Astronomia da Universidade de Wisconsin-Madison nos EUA, informou:

Nunca vimos evidências antes de um planeta chegando tão perto de uma anã branca e sobrevivendo. É uma surpresa agradável.

O co-autor Dr. Siyi Xu, astrônomo assistente do Observatório Gemini, disse:

Já sabemos há muito tempo que, após o nascimento das anãs brancas, pequenos objetos distantes, como asteroides e cometas, podem se espalhar para dentro em direção a essas estrelas. Eles geralmente são separados pela forte gravidade de uma anã branca e se transformam em um disco de detritos.

A equipe sugere vários cenários que poderiam ter empurrado o WD 1856 + 534b em seu caminho elíptico em torno da anã branca.

Essa trajetória teria se tornado mais circular ao longo do tempo conforme a gravidade da estrela esticava o objeto, criando enormes marés que dissiparam sua energia orbital.

A coautora, Dra. Juliette Becker, cientista planetária da Caltech, disse:

O caso mais provável envolve vários outros corpos do tamanho de Júpiter próximos à órbita original de WD 1856 + 534b.

A influência gravitacional de objetos tão grandes poderia facilmente permitir a instabilidade necessária para derrubar um planeta. Mas, neste ponto, ainda temos mais teorias do que dados.

Outros cenários possíveis envolvem o puxão gravitacional gradual das duas outras estrelas no sistema, as anãs vermelhas G 229-20A e G 229-20B, ao longo de bilhões de anos e um sobrevoo de uma estrela rebelde perturbando o sistema.

A equipe acha que essas e outras explicações são menos prováveis ​​porque exigem condições perfeitamente ajustadas para obter os mesmos efeitos que os planetas companheiros gigantes em potencial.

O Dr. Vanderburg disse:

Acho que a parte mais empolgante deste trabalho é o que isso significa para a habitabilidade em geral – pode haver regiões hospitaleiras nesses sistemas solares mortos – e também nossa capacidade de encontrar evidências dessa habitabilidade.

A descoberta foi relatada em um artigo na revista Nature.

(Fonte)

Colaboração: Marcelino


E com pode ser notado ao final do artigo, o Dr. Vanderburg bem como outros cientistas já começam a falar mais frequentemente na possibilidade de vida em diferente cenários astronômicos. Um bom sinal.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.