Criaturas tão inativas são descobertas, que desafiam nossa ideia de vida

Tempo de leitura: 3 min.
Criaturas tão inativas são descobertas, desafiando nossa ideia de vida
Criaturas tão inativas são descobertas, que desafiam nossa ideia de vidaNúcleo sendo extraído do fundo do mar em 2014. Imagem: GEOFF WHEAT, NSF OCE 1130146

A frase ‘baixa energia’ é normalmente usada como um pejorativo que significa implicar letargia ou preguiça. Mas para as formas de vida misteriosas que se escondem nas profundezas do fundo do mar dos oceanos da Terra – um habitat sem Sol e quase sem fontes de combustível – ser ‘baixa energia’ é uma questão de sobrevivência.

Agora, uma equipe de cientistas descobriu que essas criaturas de outro mundo “subsistem em fluxos de energia inferiores aos que foram mostrados anteriormente para sustentar a vida, questionando o limite de energia à vida”, de acordo com um estudo publicado na quarta-feira (5) na Science Advances.

Para colocar em perspectiva, o orçamento de energia de um ser humano comum poderia alimentar um ventilador de teto. Esses organismos existem com um orçamento de energia cerca de 50 quintilhões (bilhões de bilhões) de vezes menor que isso, segundo o estudo. De fato, acabamos de descobrir que certas formas de vida podem ser tão incrivelmente inativas que expandiram nossa concepção de como a vida na Terra e em outras partes do cosmos pode parecer.

James Bradley, principal autor do estudo e cientista ambiental da Universidade Queen Mary de Londres, informou:

Temos esse habitat nos sedimentos sob o fundo do mar que antes eram desconhecidos até algumas décadas atrás.

Este ambiente é muito limitador de energia, mas contém uma grande quantidade de vida microbiana. O número de células contidas em sedimentos submarinos globais é equivalente ao número de células em todos os solos da Terra ou em todo o oceano global da Terra.

Os cientistas descobriram pela primeira vez a existência dessa profunda biosfera subterrânea décadas atrás, perfurando núcleos em todo o mundo, das regiões costeiras ao oceano aberto. Essas expedições revelaram que a vida, na forma de células microbianas intactas, chegou a nichos que podem existir a quilômetros sob o fundo do mar.

Bradley e seus colegas usaram conjuntos de dados globais dessas pesquisas no fundo do mar para calcular os orçamentos de energia dessas formas de vida econômicas. O modelo numérico da equipe focou em como os ecossistemas digerem partículas de carbono orgânico – principalmente os restos de material morto – que chove no fundo do mar a partir de níveis mais altos do oceano.

Bradley explicou:

Temos boas evidências para acreditar que a oxidação do carbono orgânico, a queima dessa matéria orgânica, é a principal fonte de combustível para a vida no subsolo. É um sistema isolado da luz e depende da entrada desse material orgânico que cai no fundo do mar e, em seguida, de seu enterro e deposição final.

Usamos modelagem numérica para prever o fluxo de energia através do sistema, o número de células que estão lá e a taxa de carbono orgânico degradado, que fornece, em parte, a energia.

Como você pode imaginar, a vida nessas regiões escuras se move em um ritmo muito diferente do nosso mundo de superfície exuberante. No subsolo, as células vivas microbianas geralmente existem em um tipo de animação suspensa que pode durar milhões de anos.

Bradley disse:

Parece que a maioria desses organismos vive em regimes de energia que estão abaixo do que pensávamos capaz de serem mantidos – apenas mantendo-se vivo -, portanto, a ideia de que possa haver crescimento generalizado e divisão celular parece pouco provável.

Essas células são as mesmas, ou pelo menos apenas algumas gerações removidas daquelas que foram depositadas dezenas de milhares, centenas de milhares ou até milhões de anos atrás? Acho que isto ainda é uma questão em aberto.

É espantoso compartilhar um planeta com formas de vida que podem gerar atividades biológicas básicas com tão pouco combustível no tanque. Mas também lança luz sobre a habitabilidade potencial de outros mundos no sistema solar, como Marte ou a lua Europa, bem como as chances de que exoplanetas que orbitam outras estrelas possam ter vida.

Bradley ainda disse:

O que estamos vendo neste estudo é que esses organismos têm uma relação fundamentalmente diferente com a energia do que a maioria da vida com a qual estamos familiarizados. Se é possível que os organismos possam sobreviver por períodos de tempo extremamente longos com muito pouca energia, isso definitivamente expande os possíveis habitats nos quais podemos buscar vida.

É uma realidade tentadora a considerar em relação a mundos como Marte, que os cientistas pensam ser potencialmente habitável para micróbios há mais de três bilhões de anos. Talvez os marcianos microbianos tenham se retirado para as camadas subsuperficiais eras atrás e tenham aguardado por eras caso as condições mais amigáveis ​​voltassem ao planeta vermelho.

Ninguém sabe, é claro, mas é um sinal encorajador de que a profunda biosfera, que é um ecossistema tão estranho quanto você pode obter na Terra, está repleta de vida antiga e estranha. As descobertas da equipe cobrem sedimentos que datam de 2,6 milhões de anos, mas os cientistas esperam recuperar mais amostras que possam levar essa data para mais de 50 ou 100 milhões de anos…

(Fonte)

Colaboração: Adalberto Dorneles


Quando se considera todas as possibilidades, a vida deve ser regra em todo o Universo e não a exceção. Não será de se espantar que nas camadas mais interiores da nossa própria Lua possa haver vida microbiana esperando para ser descoberta, embora os cientistas achem que nosso satélite natural seja totalmente estéril.

Quando a vida fora da Terra não for mais considerado um tabu e a primeira notícia dessa descoberta for oficialmente aceita, aposto que haverá uma enxurrada de descobertas que virão à tona nos dizendo que a vida está presente em locais que anteriormente eram considerados impossíveis de mante-la.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.