Raios cósmicos podem alimentar vida alienígena abaixo da superfície de Marte

Tempo de leitura: 2 min.
Raios cósmicos podem alimentar vida alienígena abaixo da superfície de Marte
Valetas cavadas pelo amostrador de solo da sonda Viking 1. Wikimedia Commons / Domínio Públicoin

Pode haver vida em Marte, e pode estar localizada a cerca de dois metros abaixo da superfície do planeta vermelho.

Segundo os cientistas, os raios cósmicos podem ajudar a alimentar a vida alienígena em potencial existente sob a superfície de Marte.

A missão Viking, incluindo suas duas sonda de pouso, Viking 1 (1976-1982) e Viking 2 (1976-1980), foi incumbida de explorar a superfície de Marte e detectar possíveis bioassinaturas na superfície do planeta vermelho.

Embora os dados coletados pelos veículos espaciais tenham causado excitação inicialmente, os cientistas concluíram que o Viking 1 e o Viking 2 não conseguiram detectar a atividade biológica das amostras que foram coletadas da superfície de Marte. [Serámesmo?]

No entanto, o reexame dos resultados do experimento Label Release revelou que a possibilidade de vida existente não pode ser descartada com base nos resultados da Viking. Portanto, um pesquisador do Centro de Ciências Espaciais da Universidade de Nova Iorque em Abu Dhabi, Dimitra Atri, propõe como atualmente é possível que a vida em Marte prospere.

O bombardeio constante de raios cósmicos galácticos (GCR) em Marte poderia fornecer a energia necessária para catalisar a atividade orgânica abaixo de sua superfície.

O estudo foi publicado na seção Scientific Reports da Nature.

A pesquisa argumenta que condições abaixo da superfície inexplorada de Marte poderiam sustentar a vida, algo que não foi [supostamente pela NASA] detectado na superfície.

Ao longo dos anos, sondas de pouso, jipes-sondas e orbitadores em Marte descobriram evidências crescentes para sugerir a existência de um ambiente aquoso abundante em Marte antigo, levantando questões sobre se um Marte antigo pode ter atendido às condições necessárias para a vida como a conhecemos em sua superfície ou abaixo dela.

O pesquisador escreve:

Atualmente, não há evidências de nenhuma atividade biológica na superfície do planeta; no entanto, o ambiente subterrâneo, que ainda está para ser explorado, é menos severo, possui vestígios de água na forma de água – gelo e salmoura e sofre química redox acionada por radiação.

A erosão da atmosfera marciana causou mudanças drásticas no seu clima; as águas superficiais desapareceram, reduzindo os espaços habitáveis ​​no planeta, deixando apenas uma quantidade limitada de água perto da superfície na forma de salmoura e depósitos de gelo.

A vida, se alguma vez lá existiu, teria que se adaptar às duras condições modernas, que incluem baixas temperaturas e pressão da superfície e altas doses de radiação.

O subsolo de Marte possui vestígios de água na forma de água gelada e salmoura e passa por uma química redox alimentada por radiação.

Usando uma combinação de modelos numéricos, dados de missões espaciais e estudos de ecossistemas de cavernas profundas na Terra para sua pesquisa, Atri propõe mecanismos através dos quais a vida, se alguma vez existiu em Marte, poderia sobreviver e ser detectada com a missão ExoMars da Agência Espacial Europeia e a Roscosmos.

Atri supõe que a radiação cósmica galáctica, que pode penetrar vários metros abaixo da superfície, possa produzir reações químicas que podem ser usadas para gerar energia metabólica para a vida existente, e hospedar organismos usando mecanismos vistos em ambientes químicos e de radiação semelhantes aos da Terra.

Atri disse:

É emocionante contemplar que a vida poderia sobreviver em um ambiente tão hostil, apenas dois metros abaixo da superfície de Marte.

Quando o veículo espacial Rosalind Franklin a bordo da missão ExoMars (ESA e Roscosmos), equipado com uma broca subterrânea, for lançado em 2022, ele será capaz de detectar a vida microbiana existente e, com sorte, fornecer algumas informações importantes.

Se é esse o caso e se existe vida em Marte, é algo que poderemos descobrir em breve, pois mais países estão enviando instrumentos científicos para a superfície de Marte.

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.