Cientistas mostram tipo de planeta que é mais provável de ter alienígenas

Tempo de leitura: 2 min.

Bilhões de anos após o Big Bang, que teoricamente deu origem ao nosso universo, os planetas começaram a se formar a partir de um redemoinho de gás, poeira e rocha, com o nosso próprio planeta natal surgindo cerca de 4,5 bilhões de anos atrás.

Cientistas mostram tipo de planeta que é mais provável de ter alienígenas
Os cientistas estão em busca de exoplanetas que possam sustentar a vida da mesma forma que a Terra. Crédito: All About Space Magazine/Future/Getty Images

Novas evidências sugerem que a geração mais antiga de planetas que se formaram na mesma época é a mais provável capaz de sustentar a vida, enquanto que os planetas que se formaram mais tarde têm menos probabilidade de sustentar a vida.

A pesquisa foi apresentada na Goldschmidt Conference, uma conferência internacional sobre geoquímica, realizada de 21 a 26 de junho.

A equipe por trás da nova pesquisa realizou centenas de simulações usando a infraestrutura nacional de computação da Austrália para observar como o interior dos planetas se desenvolve ao longo do tempo.

Os cientistas estão em busca de exoplanetas que possam sustentar a vida da mesma forma que a Terra.

As simulações mostraram que os planetas rochosos que se formaram no início do universo tinham uma chance maior de desenvolver a tectônica de placas e um campo magnético do que os planetas que se formaram mais tarde. As placas tectônicas são uma boa indicação de se um planeta é ou não habitável.

Craig O’Neill, diretor do Centro de Pesquisa Planetária Macquarie da Universidade Macquarie e principal autor por trás da nova pesquisa, informou:

As placas tectônicas funcionam como uma espécie de termostato para a Terra, criando as condições que permitem que a vida evolua. Os planetas que se formaram mais tarde podem não ter desenvolvido a tectônica das placas, o que significa que eles não têm esse termostato embutido.

As placas tectônicas não afetam apenas a temperatura da superfície de um planeta, mas o núcleo de um planeta não esfria sem ela, o que significa que provavelmente não desenvolverá um campo magnético. Sem um campo magnético, um corpo planetário não é protegido da radiação solar e perde a atmosfera ao longo do tempo.

O’Neill disse:

A tectônica das placas é importante para a habitabilidade, e parece que as condições ótimas existem para os planetas se formarem no início da vida útil da galáxia, e é improvável que se repitam com facilidade. Para a vida, talvez isso seja o melhor que possa acontecer.

Os planetas que se formam mais tarde na linha do tempo do universo têm diferentes materiais no cosmos para extrair. As condições na galáxia mudaram ao longo do tempo, com o material sendo expelido de supernovas explosivas ou a morte de grandes estrelas, e diferentes materiais se unindo para formar outros objetos, como estrelas ou planetas.

Planetas se formam a partir do material em torno de sua estrela hospedeira, e esse material é diferente hoje do que há bilhões de anos atrás, quando a Terra se formou. Portanto, essa nova geração de planetas é composta de material ligeiramente diferente, e simplesmente não tem mais as coisas certas para sustentar a vida.

O’Neill ainda disse:

Portanto, os planetas que se formaram anteriormente o fizeram em condições favoráveis ​​para permitir o desenvolvimento da vida. Essas condições estão se tornando cada vez mais raras em nossa galáxia.

Desde a descoberta do primeiro exoplaneta em 1992, os astrônomos têm procurado mais desses mundos alienígenas na esperança de encontrar um que seja capaz de sustentar a vida. Atualmente, existem mais de 4.000 exoplanetas confirmados orbitando em torno de diferentes tipos de estrelas, com missões como a missão Kepler da NASA e o Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS), observando-os no universo distante.

No entanto, os pesquisadores por trás deste trabalho recente acreditam que é importante combinar essas observações com simulações para informar nossa compreensão da habitabilidade em outros mundos.

(Fonte)


Detalhe: A Terra é um planeta relativamente jovem comparado com muitos mundos lá fora. Também devemos considerar que, quase sempre, o que “eles” acham a respeito do Universo e a vida nele contida é mudado à medida que mais estudos são feitos.

Suspeito que um dia os cientistas ficarão surpresos em descobrir que a vida, principalmente a do tipo que não conhecemos, pode prosperar nos locais mais inesperados do cosmos.

E não esqueça: clique aqui para acessar nossa página principal, a qual é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia.

n3m3

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.