Os seres humanos algum dia andarão em exoplanetas?

Tempo de leitura: 4 min.

Por Paul Gilster

A julgar pelo progresso que está sendo feito no planejamento de futuros telescópios terrestres e espaciais, buscar bioassinaturas em atmosferas de exoplanetas é algo que podemos esperar em menos de uma década.

Os seres humanos algum dia andarão em exoplanetas?
Crédito da imagem: https://rsv.org.au/

Um dos principais desafios é catalogar planetas de zonas habitáveis ​​sobre os quais podemos praticar nossos métodos; e nossas ferramentas para fazer isso estão em constante evolução. Considere, por exemplo, o ESPRESSO (Echelle Spectrograph for Rocky ExoPlanet and Stable Spectroscopic Observations), que pode reduzir o movimento de uma estrela para perto ou para longe de nós, para um minuto 10 centímetros por segundo.

Você pode imaginar o que isso significa para os estudos de velocidade radial, que agora rotineiramente analisam os movimentos estelares como uma maneira de detectar exoplanetas. Quanto menor o efeito gravitacional que podemos detectar, mais nítidas são as observações, trazendo planetas muito menores ao alcance. Passamos de quentes Júpiteres e Netunos para mundos de massa terrestre em torno de estrelas como o Sol. Comissionada em 2017, o ESPRESSO está instalado no Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul, no Chile, e o caçador de exoplanetas Nuno Santos pretende coloca-lo a bom uso.

Estou analisando um artigo recente de Bruce Dorminey sobre Santos na Forbes, mas antes de ir mais a fundo no ESPRESSO, observemos a manchete do artigo: “’Bobagem’ de pensar que os humanos irão se mudar para a ExoTerra nas proximidades, diz o principal caçador de planetas.” É nisso que Santos (Universidade do Porto, Portugal) acredita, e é um sentimento que está sendo bastante influenciado pela Internet. Meu primeiro impulso foi concordar com Santos, mas então percebi o quanto está empacotado nesse verbo ‘mudar’.

Se a ideia é que nunca mudaremos a humanidade em massa para outro sistema estelar (presumivelmente por causa de alguma catástrofe na Terra), então Santos está certo. Tente imaginar esquadrilhas gigantescas de naves partindo para escapar da Terra moribunda e todo o cenário começa a pixelizar. Isso me lembra um pouco de J.T. O romance de McIntosh chamado “One in Three Hundred” (Um em Trezentos), que originou de três romances publicados em Fantasia e Ficção Científica em 1953 e 1954. Seus títulos: “One in Three Hundred” (Um em Tezentos) (fevereiro de 1953), “One in a Thousand” (Um em Mil) (janeiro de 1954) e “One Too Many” (Um Demais) (54 de setembro). Você entendeu a ideia.

Os seres humanos algum dia andarão em exoplanetas?
O Espectrógrafo ESPRESSO fez suas primeiras observações com sucesso em novembro de 2017. Instalado no Very Large Telescope do ESO (VLT) no Chile, o ESPRESSO procura por exoplanetas com precisão sem precedentes, observando as minúsculas mudanças na propriedades da luz proveniente de suas estrelas hospedeiras. Essa visualização mostra o interior de um dos front-ends do ESPRESSO, onde estão localizados todos os componentes ativos do espectrógrafo. Crédito: Giorgio Calderone, INAF Trieste.

Mas eu odeio pensar que uma leitura acrítica do comentário de Santos possa fixar na imaginação do público a ideia de que a pesquisa sobre viagens interestelares seja inútil. Afinal, quando pessoas da Europa começaram a explorar o outro lado do planeta e a se instalar em lugares como a Austrália e a Nova Zelândia, apenas uma pequena porcentagem da população européia fez essa jornada assustadora. Alguns pioneiros arriscam tudo, depois o comércio surge gradualmente em meio a acompanhamentos científicos e, com o tempo, uma nova população, nascida e criada nos novos territórios. Se de alguma forma resolvêssemos o problema de levar os humanos a outras estrelas, esse padrão poderia reaparecer.

Em primeiro lugar, não há garantias de que a viagem interestelar humana aconteça, mas se acontecer, será porque as sondas robóticas lideraram o caminho – nosso Capitão Cook da IA, se você desejar – enquanto tentativas iniciais de colonizar, se fôssemos realmente capazes de encontrar um local onde isso pudesse ocorrer, sem dúvida seria o trabalho de pequenos grupos com uma variedade de agendas. Se a Terra deixada para trás realmente sucumbisse ao desastre, a maioria de sua população morreria com ela, outra razão para manter este mundo saudável, estudar seus sistemas e tentar desfazer danos autoinfligidos.

A leitura recomendada sobre esse último ponto é “Earth in Human Hands” (Terra em Mãos Humanas) de David Grinspoon (Grand Central Publishing, 2016), que aceita um futuro humano no espaço dentro do contexto de uma Terra saudável e as escolhas morais que acompanham a ação na era do Antropoceno, como Grinspoon faria. Mas, presumindo a sobrevivência humana em uma Terra saudável, meu palpite é que encontraremos o envio de sondas robóticas com um tempo de viagem razoável muito mais difícil do que imaginamos. Acho que em algum momento nos próximos 100 anos, mais ou menos, nós conseguiremos. O fato de chegarmos a termos humanos a bordo de uma nave interestelar depende de tantas contingências que não posso atribuir uma probabilidade a ela. Espero que possamos descobrir isso.

Mas voltando à ESPRESSO. Santos é um ex-aluno de pós-graduação que trabalhou com Michel Mayor (não é ruim aparecer sob a tutela de um ganhador do Prêmio Nobel!). Ele nos vê construindo um catálogo de planetas potencialmente habitáveis ​​a partir dos quais podemos escolher os melhores candidatos para a análise de bioassinatura, presumivelmente através de instrumentos espaciais e a próxima geração de telescópios extremamente grandes (ELTs). A ESPRESSO, que pode combinar a luz de todos os quatro telescópios do VLT para obter o poder de coleta de luz de um telescópio de 16 metros, é um divisor de águas.

Planetas de baixa massa requerem instrumentos estáveis, mas mesmo o famoso espectrógrafo HARPS (High Accuracy Radial velocity Planet Searcher) no telescópio ESO La Silla de 3,6 m só pode nos levar a um pouco menos de 1 metro por segundo. Os 10 centímetros de ESPRESSO por segundo nos levam ao domínio da detecção de um planeta de zona habitável que permite que os métodos de velocidade radial continuem contribuindo, juntamente com trânsitos e microlentes gravitacionais, para a lista de alvos de biossinatura.

Algum dia os seres humanos andarão nesses mundos? O primeiro objetivo será sobreviver a todas as armadilhas que nossas tecnologias cada vez mais complexas colocam para nós. Este é o termo L na famosa equação de Frank Drake, medindo quanto tempo dura uma sociedade tecnológica. Se conseguirmos passar por esse filtro, as sondas robóticas levarão nossos sensores cada vez mais longe da Terra. Somente através das lições aprendidas com tais naves e das decisões que tomarmos sobre o valor da presença humana versus artificial em mundos como esses, aprenderemos como responder a essa pergunta.

(Fonte)

Paul Gilster, editor do blog centauri-dreams.org, tem sido escritor em tempo integral nos últimos vinte anos. Antes disso foi instrutor de voo, especializado em treinamento comercial e de instrumentos. Sua decisão de não seguir uma carreira acadêmica foi baseada sua aversão aversão à política acadêmica, entre outras coisas.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.