O vaso gigante de 2.400 anos do qual você provavelmente nunca ouviu falar

Tempo de leitura: 3 min.

É um dos artefatos mais exclusivos escavados pelos arqueólogos, não muito longe das linhas de Nazca e dos famosos crânios de Paracas, no Peru.

O vaso gigante de 2.400 anos do qual você provavelmente nunca ouviu falar
O enorme vaso de argila queimada foi descoberto em 1966. Crédito da imagem: Editora ItaPeru.

Em 27 de outubro de 1966, o Museu Regional de Ica descobriu um objeto único de proporções invisíveis: um vaso enorme de celeiro, até então o maior vaso pré-hispânico encontrado no Peru.

As dimensões do vaso de argila queimada eram de 2 metros de diâmetro, 2,8 metros de altura.

Dentro e em diferentes níveis, os arqueólogos encontraram sementes de feijão, mandioca, lucuma e goiabas. Não foram encontrados restos de fornos nas proximidades, razão pela qual os arqueólogos acreditam que o vaso gigante tenha sido transportado no passado distante, cerca de 2.400 anos atrás, de outro lugar para onde foi descoberto.

A panela de barro gigante foi descoberta na região de Paracas, no Peru, no vale do Pisco.

Único, duradouro e de proporções incomuns, esta descoberta levantou inúmeras questões. Até a presente data, pouca ou nenhuma informação sobre o enorme vaso ou outros artefatos semelhantes foi disponibilizada, forçando-nos a extrapolar mais sobre a região em que foi encontrado.

Paracas, Ica, Nazca

A legenda acima menciona três nomes que, se você conhece alguma coisa sobre a história antiga do Peru, eles devem tocar um alerta.

A cultura Paracas era uma cultura andina antiga que existia no Peru atual há cerca de 2.100 anos, desenvolvendo um amplo conhecimento em irrigação, gerenciamento de água, produção têxtil e artefatos de cerâmica. Mais importante, eles são famosos pela deformação craniana artificial, pela qual as cabeças de bebês foram alongadas e deformadas, produzindo crânios alongados e únicos.

O vaso gigante de 2.400 anos do qual você provavelmente nunca ouviu falar
Uma colagem das linhas de Nazca. Crédito de imagem: Shutterstock.

Ica é uma área no sul do Peru que foi habitada por várias culturas antigas ao longo da história. Lar do Museo Regional de Ica, Ica é o lar de um tesouro da história.

Foi em Ica Peru, onde, na década de 1960, um homem chamado Javier Cabrera apresentou ao mundo as chamadas Pedras Ica, uma coleção controversa de pedras de andesita, supostamente encontrada na província de Ica com ilustrações de dinossauros, figuras humanoides e muitas Interpretadas como sendo evidência de tecnologia avançada.

O vaso gigante de 2.400 anos do qual você provavelmente nunca ouviu falar
Um exemplar de uma Pedra Ica.

Hoje, esses artefatos foram marcados como uma farsa moderna e desacreditados. O arqueólogo Ken Feder comentou sobre as pedras:

As pedras de Ica não são as mais sofisticadas das trapaças arqueológicas discutidas neste livro, mas certamente são as mais absurdas.

Nazca é talvez a mais famosa. Lar das famosas Linhas de Nazca, essa região é uma das mais famosas do Peru. As Linhas de Nazca são um grupo de geoglifos maciços esculpidos no deserto de Nazca, no sul do Peru. Provavelmente criadas por volta de 500 a.C., as enormes linhas cobrem um comprimento combinado de 1.300 km, e o grupo cobre uma área de cerca de 50 quilômetros quadrados.

A panela de barro

Seu enorme tamanho é incomum e, embora possa dar origem a conspirações, pois está localizado não muito longe das Linhas de Nazca, da região de Ica e dos chamados crânios de Paracas, do conteúdo do vaso e do material que foi construído pode nos dizer muito sobre seu propósito.

Para iniciantes, o Museu Regional de Ica descreve claramente o vaso de argila como um pote de celeiro; um objeto dentro do qual os povos antigos armazenariam sementes ou alimentos. É o maior encontrado no Peru, mas não é necessariamente o único. Datado de 2.400 anos, o enorme pote foi produzido por volta de 400 a.C. Se dermos uma olhada na divisão introduzida pelo arqueólogo peruano Julio C. Tello, a enorme panela de barro foi feita durante o período da necrópole de Paracas, que durou entre 500 a.C. e 200 d.C.

O período Paracas-Necrópole recebeu esse nome pelo fato de seus cemitérios retangulares, descobertos em Warikayan, serem divididos em vários compartimentos ou câmaras subterrâneas, que para Tello remontaram uma ‘cidade dos mortos’ (necrópole). Cada câmara grande teria sido propriedade de uma família ou clã específico, que enterrou seus ancestrais por muitas gerações.

Se o vaso de barro se originou de Warikayan, que era um grande assentamento antigo, ou de um assentamento próximo, permanece uma questão sem resposta. Como objetos de proporções semelhantes não foram encontrados na região, os arqueólogos acreditam que o antigo recipiente de argila foi trazido até onde foi encontrado no passado distante, talvez como um comércio ou um presente de assentamentos vizinhos.

Sabemos que, antes de ser abandonado, era usado pelos antigos para armazenar alimentos. Sabemos que foi produzido de argila. Seu tamanho incomum sugere que quem quer que o construiu quis quisesse armazenar grandes quantidades de material.

Provavelmente continha sementes ou alimentos e ficava coberto e pode ter sido enterrado sob o solo, coberto por um topo. Enterrar o vaso de barro na superfície e armazenar alimentos dentro dele pode ter ajudado a preservar os alimentos por períodos mais longos, protegendo-o das temperaturas mais altas acima da superfície.

O gigante vaso de argila Ica é um dos artefatos mais interessantes, porém menos conhecidos, parte da história de uma região onde grandes culturas antigas se desenvolveram, evoluíram e finamente desapareceram.

Prova que há mais na região do que as pedras de Ica, as linhas de Nazca e os estranhos crânios de Paracas. Também nos diz que artefatos incríveis ainda podem permanecer enterrados sob nossos pés, escondidos da história, enterrados por milhares de anos e esperando serem escavados e restaurados à sua antiga glória.

(Fonte)


Certamente, aquela é uma região muito misteriosa e há muito ainda que precisamos aprender sobre essas antigas culturas.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.