O Caso Varginha e o avistamento na Estação Espacial MIR: Conectando informações

Tempo de leitura: 6 min.

Por Predador

O Caso Varginha e o avistamento na Estação Espacial MIR: Conectando informações
Estação espacial MIR (acima à direita) e objeto desconhecido (abaixo, um pouco mais à esquerda). (Captura de vídeo)

Como sempre, gosto de garimpar informações sobre casos ufológicos e estava vendo uma matéria sobre avistamentos de ovnis-aliens por astronautas (ou como preferem os russos) cosmonautas da ex-União Soviética e encontrei um vídeo interessante no Youtube (https://www.youtube.com/watch?v=wR8AgUBZRC8).

As imagens, feitas pelo cosmonauta do Azerbaijão (na época ainda não era um país independente) a bordo da estação espacial Mir, que operou entre 1986 e 2001, tendo sido montada em órbita entre 1986 e 1996, chamaram a minha atenção, não somente porque se pode identificar claramente um objeto cilíndrico que confere com o que na casuística chamamos de naves charuto, mas também porque é praticamente idêntico à descrição e ao desenho de um objeto voador feito pela visitante do OH que se identifica como Tati.

Com relação a naves cilíndricas ou em forma de charuto inclusive, aqui no OH já apareceram vários relatos bem interessantes feitos por visitantes do blog, a exemplo de um que transcrevo abaixo, e que guardei nos meus arquivos:

Relato do visitante Vulgo07:

o que seria o objeto cilíndrico do tamanho de um grande avião que eu observei há algumas semanas, estático, acima de campos de soja, e que também acelerou vertiginosamente no momento em que me aproximei? E porque será que queimou minha câmera do carro, colocada propositadamente para isso?

Além deste, outros visitantes do blog relataram encontros inusitados com objetos voadores cilíndricos ou em forma de charuto que estavam bem próximos a eles. Mas dentre os diversos relatos, o mais interessante e surpreendente foi feito pela visitante Tati, que inclusive fez uma descrição do objeto e um desenho de como era a nave cilíndrica. A seguir transcrevo o seu relato, com trechos de interlocutores que visitavam o blog no dia em que ela narrou sua experiência:

Relato da Tati:

Sobre o ET de Varginha, eu morava em São Lourenço, sul de Minas e na tarde do mesmo dia do caso de Varginha eu e mais três pessoas vimos, a poucos metros de distância, uma nave em forma de charuto flutuando ao lado do nosso carro, a nave não emitia nenhum som, e ficou parada ao nosso lado por alguns segundos, a uns 2 ou 3 metros do solo e lentamente foi se distanciando em direção a Varginha. Por ter ocorrido no mesmo dia, acredito que tenha sido a mesma nave que mais a noite caiu em Varginha.

Segue o desenho, a proporcionalidade não está exata, acho que era um pouco maior. Bom, não sou uma desenhista, foi o que consegui colocar no papel!

O Caso Varginha e o avistamento na Estação Espacial MIR: Conectando informações

Só um detalhe, o ovni não tinha nuances de cor, era metálico chapado, um tom só em toda a superfície.

Sendo muito perfeccionista, o ovni estava a esquerda do carro e um pouco mais distante, fora da estrada, pois o local do avistamento foi paralelo ao aeroporto desativado de São Lourenço, então, era um mato baixo em um terreno plano, nessa parte.

Então o formato, era cilíndrico, mas as bordas não eram arredondadas no estilo tic tac, tinha aproximadamente o dobro do tamanho do carro do meu pai (comprimento), que era um carro médio. Era feito de metal, parecia hermeticamente fechado, não tinha janelas, nem porta, pelo ângulo que estávamos vendo.

A nave ficou emparelhada a nossa esquerda, a uns 2 metros do chão e a uma distância de uns 2 a 3 metros do nosso carro. Não fazia nenhum som e ficou parada no ar por alguns segundos e depois continuou seu caminho, numa velocidade que de carro poderíamos acompanhar, aliás a nossa sensação era como se fosse um convite para segui-los. Só não seguimos a nave porque minha avó ficou histérica, com muito medo, paramos no acostamento para minha avó ficar mais calma.

Bom, aí no domingo, se não me engano no fantástico, passou o caso do ET de Varginha, daí deduzimos que a nave seria a mesma.

A nave não parecia estar com problemas, ela flutuava de forma suave e depois ao se afastar, foi acelerando até sumir do nosso campo de visão. E não vimos nenhuma fumaça.

O avistamento foi por volta às 14h, acredito que se ocorreu um problema com a nave deve ter ocorrido já em Varginha.

Se o ovni estivesse seguindo pelo Rio Verde, realmente deve ter passado por Três Corações, que é bem próximo a Varginha. Mas, o objeto não parecia estar avariado, pelo menos não vimos fumaça, nem nada. Se bem que ele não se afastou em grande velocidade, como é comum em relatos de avistamentos.

Olhando por esse lado, pode ser que estivesse com alguma falha, porque não acredito na possibilidade de militares terem a capacidade de abater um OVNI, a não ser que estivesse com algum problema.

Ainda bem que minha avó ficou apavorada, pq se não fosse minha avó eu e meus pais teríamos seguido a nave, e só Deus sabe o que poderia ter acontecido…

Pergunta do leitor UniInverso à Tati: 

Aproveitando… Tati, consegue lembrar se no dia que avistou esse objeto voando “por volta das 14:00 que falou que viu” se estava com céu limpo na sua cidade? É que teve registros se não me engano de chuva forte com raios à noite em Varginha naquele dia ou dias seguintes… penso que de duas uma: ou o objeto estava voando em baixa altitude para não ser pego nos radares…

Ou o objeto estava voando baixo devido à falha em instrumentos da “aeronave” o procedimento padrão em voo é baixar a altitude ao máximo para melhorar o campo visual, se guiando por estradas e rios como mapas…

Resposta da Tati: 

No momento do avistamento o céu estava azul e sem nuvens.

Não posso afirmar, mas não tenho lembranças de chuva a noite em São Lourenço.

Sendo que Janeiro é época das chuvas no sul de Minas, portanto é bem plausível ter chovido nessa noite em Varginha.

UniInverso: 

Perfeito Tati e imagino que como relatou a “cor” do objeto com o dia “limpo” acaba até mesmo dificultando ou melhor camuflando um pouco o objeto com reflexos de luz do sol… chegou a ver o reflexo do carro de vocês no objeto avistado? Ou se ele refletia o que estava em volta por onde ele passava? E ele mesmo não estando em grandes velocidades observou como ele se deslocava pra os lados… como fazia curvas? O objeto então levitava sem barulho e deve ter sido uma visão impressionante!

Resposta da Tati: 

Na verdade não refletia nada, nem o nosso carro, nem os arbustos. Era uma cor de alumínio, mas estava mais para opaco, e dava para ver perfeitamente o objeto. Lembro de observar para ver onde estava a porta ou janela, mas o lado que tínhamos a visão era como se não houvesse junção, como se fosse uma peça inteiriça.

Esse evento não é de conhecimento de outros pesquisadores, só relatei esse avistamento aqui.

Nunca falei com nenhum investigador, até por não conhecer nenhum. Na verdade só descobri o Ovni Hoje após ver um programa sobre o caso Varginha, que pela primeira vez soube do relato de uma pessoa num sítio que viu uma nave no formato cilíndrico, aí comecei a pesquisar e achei esse site, e venho acompanhando os relatos de vocês que acho muito credível e me encorajou a compartilhar minhas experiências também.

Leitora Jacque pergunta: 

Que maravilhosa sua experiência, Tati! Queria perguntar uma coisa, se puder responder…quando a nave estava ao lado do carro de vocês, antes dela seguir viagem… você ou algum dos seus sentiram alguma coisa como sonolência ou perda da noção do tempo?

Tati responde:

Não tenho lembrança de ter tido sonolência ou lapso do tempo. Paramos no acostamento e em seguida fomos para o hotel fazenda Ramon, e depois voltamos pra casa normalmente, e ninguém relatou ter sentido nada de diferente.

Predador pergunta:

Pode estimar o comprimento e altura?

Tati responde: 

Então, o carro era um Monza, pra ser sincera não tenho muita noção do tamanho do Monza, mas se o carro tivesse uns 3 metros, a nave tinha aproximadamente 6 metros de comprimento e a proporção da altura era de um terço ou um quarto do comprimento.

Portanto estimo de uns 1,5 a 2 metros de altura x 6 metros de comprimento.

… eu estava no banco atrás do motorista (meu pai) e de repente apareceu a nave, não vi a aproximação, do nada estava ao nosso lado esquerdo plainando. E ao ir embora, se movendo um pouco mais rápido continuou sem nenhum barulho.

Realmente a adrenalina vai a mil, eu era bem novinha nessa época, tinha 16 anos, e quando vi a nave fiquei eufórica, falei, quase implorei para meu pai seguir a nave, mas como minha avó ficou muito nervosa tivemos que parar.

Voltando ao objeto visto pela Tati e seus familiares, vamos comparar o desenho feito por ela descrevendo o que viram, com o filme feito na estação espacial Mir em 05 de junho de 1993, registrado pelo cosmonauta Musa Manarov:

O Caso Varginha e o avistamento na Estação Espacial MIR: Conectando informações
O Caso Varginha e o avistamento na Estação Espacial MIR: Conectando informações

É inegável que ambos os objetos tem a mesma forma cilíndrica, e para mim um caso corrobora o outro com certeza.

Resta saber quem seriam os ocupantes da nave cilíndrica avistada pela Tati e seus familiares no mesmo dia do caso Varginha e o que faziam na região. Essa é uma pergunta que também tem sido feita por quem acredita que o caso é real, e o testemunho da Tati aumenta a certeza de que naves e seres que não deste planeta estavam na região.

E mais do que isso, também desconstrói as histórias inventadas pelos militares de que nada ocorreu naquele dia….

As imagens comparadas que apresentei em cima são mais uma importante base de convicção e confirmação do relato da Tati (não que eu duvidasse dela), mostrando que o que ela e seus familiares viram era um objeto voador que também tem sido visto no espaço e que foi inclusive registrado em filme por um cosmonauta (um evento real, com registro por fonte credível e cujo material pode ser autenticado como verdadeiro). 

Quanto mais conexões pudermos encontrar entre eventos que passam despercebidos na casuística como ocorrências isoladas, mais perto da verdade e da certeza de que estamos sendo visitados por inteligências que não são deste mundo chegaremos….

Se você já teve alguma experiência ufológica, ou conhece alguém da família, amigos ou conhecidos que revelaram experiências do tipo e não quiser relatar aqui na área de comentários, escreva para meu e-mail: guyana.luis@hotmail.com  

Manterei sigilo se assim o quiser.

– PREDADOR

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.