Teste de defesa de asteroides da NASA pode desencadear chuva de meteoros

Tempo de leitura: 2 min.

Uma missão planejada da NASA para testar sua capacidade de defender a Terra de um asteroide pode causar a primeira chuva de meteoros artificial do planeta, de acordo com um estudo.

Teste de defesa de asteroides da NASA pode desencadear chuva de meteoros
Crédito: AFP/NASA IMAGES

A missão da sonda Double Red Asteroid Redirection Test (DART) será atingir o menor dos dois asteroides Didymos ao passarem a cerca de 10 milhões de quilômetros da Terra no final do ano de 2022.

A NASA disse que a missão de autodestruição de US $ 69 milhões é a primeira destinada a testar sua capacidade de desviar um asteroide, chocando contra ele uma espaçonave em alta velocidade.

O impacto resultante explodiria material da superfície do asteroide e – pelo menos uma pequena quantidade – próximo o suficiente da Terra, que eventualmente será atraído para o solo, de acordo com um estudo de 23 de março no The Planetary Science Journal.

Apenas um pouquinho do material ejetado total, conhecido como ejecta, realmente atravessaria a atmosfera da Terra por um período de milhares de anos, segundo o estudo. Muito disso permanecerá dentro da atração gravitacional de Didymos.

Parte desse material pode representar um risco para futuros veículos espaciais, de acordo com o autor do estudo, Dr. Paul Wiegert, professor de astronomia e física da Western Ontario University, no Canadá.

Mas um pouco de ejeta, os pequenos pedaços que se movem mais rapidamente após o impacto do DART, pode alcançar o céu da Terra relativamente rápido e dar aos cientistas a oportunidade de ver a constituição do asteroide. À medida que as partículas queimam na atmosfera, os cientistas podem usar a cor da luz que geram para determinar quais materiais estão presentes.

O estudo se concentrou em partículas com cerca de 1 centímetro de diâmetro ou menos, embora exista a possibilidade de que as partículas possam ser maiores. Também se espera que haja muito mais partículas extremamente pequenas que seriam “quase indetectáveis”.

O ejecta teria que ser substancialmente denso e maior para ameaçar a superfície da Terra, mas partículas da missão DART ou tentativas futuras de afastar um asteroide de um curso de colisão com a Terra poderiam passar séculos viajando pelo sistema solar – potencialmente se tornando perigos para as operações espaciais em algum momento no futuro, de acordo com Wiegert.

Ele comparou o fato de como o acúmulo de lixo espacial na órbita baixa da Terra está se tornando um problema crescente, porque as primeiras missões não explicavam como eles descartariam satélites extintos.

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.