A Lua desapareceu em 1110 e agora sabemos o porquê

Tempo de leitura: 2 min.

O ano de 1110 d.C. é digno de nota por alguns grandes eventos – as batalhas das Cruzadas estavam sendo travadas em todos os lugares, o rei Henrique V da Alemanha casou-se com Matilda, de 8 anos, filha do rei Henrique I da Inglaterra, que estava ocupado acrescentando uma capela à igreja do Castelo de Windsor. Ah, e a Lua desapareceu completamente. Espere o que?

A Lua desapareceu em 1110 e agora sabemos o porquê

Na quinta noite do mês de maio apareceu a Lua brilhando à noite e, pouco a pouco, sua luz diminuiu, de modo que, assim que a noite chegou, ficou tão completamente extinta, que nem a luz nem orbe, nem nada foi visto.

Esse relato de testemunha ocular relatado na Peterborough Chronicle – uma das quatro crônicas anglo-saxônicas, que são registros da história da Inglaterra após a conquista normanda – hoje pode ser descartado como um eclipse lunar … exceto que nenhum eclipse lunar extingue a luz da Lua. Completamente que nenhuma sombra ou coroa fraca possa ser vista. Um novo relatório da revista Scientific Reports pode finalmente resolver quase 1.000 anos de argumentos sobre o misterioso desaparecimento lunar:

Aqui mostramos que uma observação medieval única de um eclipse lunar total escuro atesta um véu de poeira sobre a Europa em maio de 1110 d.C., corroborando com as cronologias revisadas do núcleo de gelo.

Uma das maneiras mais precisas de determinar o que aconteceu em um determinado ano ou período antigo é estudar núcleos de gelo de terras cobertas de geleiras há muito congeladas, como a Groenlândia e a Antártica. A ‘lua desaparecida de 1110’ é bem conhecida e os pesquisadores descobriram que a solução foi resolvida quando um núcleo de gelo da Groenlândia mostrou uma camada contendo evidências de uma erupção em 1004 pelo vulcão Hekla da Islândia, conhecido como ‘Portal para o Inferno’ por suas frequentes erupções violentas. Grandes depósitos de enxofre por volta de 1110 e anos depois indicavam uma pesada camada de poeira vulcânica flutuando ao redor do mundo, causando mudanças climáticas e eclipses lunares não relacionados ao Sol. Caso encerrado no eclipse realmente total de 1110 … certo?

Alguns anos atrás, um estudo concluiu que uma escala de tempo chamada Cronologia do Núcleo de Gelo da Groenlândia 2005 (GICC05) estava errada em até sete anos no primeiro milênio d.C. e até quatro anos no início do próximo milênio.

Opa! Esse erro de cálculo levou a erupção de Hekla de volta a 1104, o que significa que suas nuvens teriam desaparecido em 1110. O coautor e paleoclimatologista Sébastien Guillet, da Universidade de Genebra, na Suíça, e sua equipe, procuraram um núcleo de gelo da Antártica para uma leitura mais precisa. Essa amostra central mostrou evidências de um evento atmosférico significativo começando em 1108 e continuando até 1110 e além. Eles então voltaram aos registros históricos para ver que outros vulcões poderiam ter surgido na época. Foi quando encontraram uma referência japonesa a um evento em 1108.

As fontes dessas erupções permanecem desconhecidas, mas propomos que o Monte. Asama, cuja maior erupção do holoceno ocorreu em agosto de 1108 dC e é credivelmente documentada por um observador japonês contemporâneo, é um contribuinte plausível para o elevado sulfato na Groenlândia.

Mount Asama

O Monte Asama é o mais ativo em Honshū, a principal ilha do Japão. Em maio de 1783, o Monte Asama iniciou uma erupção de três meses que matou pelo menos 1.400 pessoas e uma coluna de fumaça que foi responsável pela foi responsável pelos cinco anos da ‘Grande Fome Tenmei’ que matou pelo menos 20.000 a mais. Embora os registros não sejam tão detalhados, eles indicam que a erupção do Monte Asama em 1108 foi duas vezes maior.

A pesquisa de Guillet encontrou “anomalias climáticas graves” na Europa Ocidental entre 1109 e 1111 d.C. Dessa vez, o núcleo de gelo era preciso – combinava camadas semelhantes de enxofre em anéis de árvores do mesmo período. Os registros da NASA indicam que sete eclipses lunares totais seriam observáveis ​​na Europa entre 1100 e 1120 d.C. E os astrônomos observam que nuvens e neblina causadas por vulcões podem afetar o brilho dos eclipses lunares. Agora sabemos que eles extinguiram um em 1110 como uma vela ao vento.

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.