Planetas sem estrelas também podem abrigar a vida

Tempo de leitura: 2 min.

Não muito perto, mas não muito longe. Essa é a regra que descreve a distância que um planeta deve estar de sua estrela para sustentar a vida. Mas um novo estudo desafia esse ditado: um planeta pode manter a água e outros líquidos em sua superfície se for aquecido, não pela luz das estrelas, mas por decaimento radioativo, calculam os pesquisadores. Isso abre a possibilidade de muitos planetas – mesmo mundos flutuantes livres das estrelas – hospedarem a vida, especulam eles.

Planetas sem estrelas também podem abrigar a vida
O calor da radioatividade, e não a luz das estrelas, poderia aquecer os planetas o suficiente para permitir a existência de água líquida em suas superfícies. ДМИТРИЙ ЛАРИЧЕВ / ISTOCK.COM

Isótopos radioativos, como urânio-238, tório-232 e potássio-40, estão espalhados pela crosta e o manto da Terra. À medida que esses radionuclídeos instáveis ​​decaem, eles geram uma pequena quantidade de energia – aproximadamente um trigésimo milésimo da energia recebida do Sol. Mas os pesquisadores propuseram agora que alguns planetas, particularmente aqueles que se formam perto do centro da nossa Via Láctea, podem possuir o suficiente desses isótopos radioativos para gerar calor suficiente para impedir que suas superfícies congelem totalmente sólidas.

Avi Loeb, astrofísico da Universidade de Harvard e co-autor do novo estudo, disse:

Isso lhe dá a liberdade de estar em qualquer lugar. Você não precisa estar perto de uma estrela.

Loeb e Manasvi Lingam, astrobiólogo do Instituto de Tecnologia da Flórida, analisaram três fontes de calor para um planeta sem sol: sobra de calor de sua formação, o decaimento radioativo de isótopos de vida longa por bilhões de anos e o decaimento radioativo de curta duração Isótopos ao longo de centenas de milhares de anos. Eles então modelaram as temperaturas da superfície dos planetas com diferentes massas e abundância de radionuclídeos para determinar se água, amônia e etano – três solventes encontrados no Sistema Solar – poderiam existir como líquidos.

O aquecimento de um planeta o suficiente para liquefazer a água requer aproximadamente 1000 vezes a abundância da Terra nos dois tipos de isótopos radioativos, relatam Lingman e Loeb no The Astrophysical Journal Letters. Lingam e Loeb descobriram que planetas com a mesma massa da Terra, mas com cerca de 100 vezes a abundância de radionuclídeos, bombeariam calor suficiente para manter o etano líquido por centenas de milhões de anos. Os níveis de radiação nesses mundos seriam centenas de vezes maiores do que as doses médias de tempo que os moradores de Chernobyl tiveram após o desastre nuclear ucraniano em 1986, estimaram Lingam e Loeb.

É improvável que a vida multicelular sobreviva a essa irradiação, diz Lingam. Mas alguns dos micróbios mais extremos da Terra teriam melhor do que uma chance de lutar. Por exemplo, o Deinococcus radiodurans, uma bactéria altamente resistente à radiação, funcionaria perfeitamente, diz Lingam.

Deinococcus radiodurans é um organismo realmente louco.

Poderia um único planeta acumular um estoque tão grande de radionuclídeos? Essa é a questão principal, diz Loeb. Tais mundos, se existissem em nossa própria galáxia, provavelmente teriam que nascer perto do centro da Via Láctea. Isso ocorre porque elementos pesados, como urânio e tório, são produzidos em colisões entre estrelas de nêutrons, e é mais provável que essas colisões ocorram no centro densamente lotado da galáxia.

Mas encontrar um planeta como esse seria uma surpresa, porque é muito diferente dos outros mundos em nosso sistema solar, diz Tim Lichtenberg, cientista planetário da Universidade de Oxford que não participou da pesquisa:

É difícil argumentar que é impossível. Mas definitivamente não é a norma.

Se um desses mundos existir, o Telescópio Espacial James Webb, com lançamento previsto para 2021, poderá identificá-lo em virtude da radiação que emitirá. Mas uma das câmeras do telescópio precisaria de aproximadamente 10 dias para detectar o sinal, que seria mais forte no infravermelho, calcularam Lingam e Loeb. E essa estimativa de exposição pode variar muito, dependendo da idade do planeta, abundância de radionuclídeos e massa.

Lingam disse:

Existem tantas incógnitas. Não dissemos ainda a última palavra.

(Fonte)


Eu apostaria que há ainda muitas outras possibilidades de vida em planetas afastados de seus sóis, como um dia provavelmente descobriremos. O Universo pode ter tantas surpresas quanto o número de astros nele contidos.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.