Novo estudo sugere que a vida pode ser comum em todo o universo

Tempo de leitura: 4 min.

Os elementos básicos da vida não só podem, como se formaram, espontaneamente, sob as condições certas. Isso é chamado geração espontânea, ou abiogênese. Obviamente, muitos dos detalhes permanecem ocultos para nós, e simplesmente não sabemos exatamente como tudo aconteceu. Ou com que frequência isso poderia acontecer.

Novo estudo sugere que a vida pode ser comum em todo o universo
Mapa do universo observável. (Pablo Carlos Budassi / Wikimedia / CC BY 4.0)

As religiões do mundo têm ideias diferentes de como a vida apareceu, é claro, e invocam as mãos mágicas de várias deidades sobrenaturais para explicar tudo. Mas essas explicações, embora sejam contos coloridos, deixam muitos de nós insatisfeitos.

“Como surgiu a vida?” Esta é uma das questões mais constrangedoras da vida e uma que a ciência luta continuamente para descobrir a resposta.

Tomonori Totani é um cientista que considera essa pergunta constrangedora. Totani é professor de astronomia na Universidade de Tóquio. Ele escreveu um novo artigo intitulado “Emergence of life in an inflationary universe” (Surgimento da vida em um universo inflacionário). Ele está publicado na Nature Scientific Reports.

O trabalho de Totani se apóia fortemente em alguns conceitos. A primeira é a vasta idade e tamanho do Universo, como ele é inflado ao longo do tempo e a probabilidade de ocorrência de eventos. O segundo é o RNA; especificamente, quanto tempo uma cadeia de nucleotídeos precisa ter para “esperar uma atividade auto-replicante”, como diz o artigo.

O trabalho de Totani, como quase todo trabalho sobre abiogênese, analisa os componentes básicos da vida na Terra: RNA ou ácido ribonucleico. O DNA define as regras de como as formas de vida individuais tomam forma, mas o DNA é muito mais complexo que o RNA.

Por sua vez, o RNA é ainda mais complexo, por ordens de magnitude, do que os produtos químicos e moléculas brutos encontrados no espaço ou na superfície de um planeta ou lua. Mas sua simplicidade em comparação com o DNA aumenta a probabilidade de ocorrência por abiogênese.

Há também uma teoria na evolução dizendo que, embora o DNA carregue as instruções para construir um organismo, é o RNA que regula a transcrição das sequências de DNA. Isto é chamado de evolução baseada em RNA e diz que o RNA está sujeito à seleção natural darwiniana e também é hereditário. Essa é uma das razões por trás da análise de RNA x DNA.

O RNA é uma cadeia de produtos químicos conhecidos como nucleotídeos. Algumas pesquisas mostram que uma cadeia de nucleotídeos precisa ter pelo menos 40 a 100 nucleotídeos muito antes que o comportamento auto-replicante chamado vida possa existir.

Com o tempo, nucleotídeos suficientes podem formar uma cadeia para atender a esse requisito de comprimento. Mas a questão é: já houve tempo suficiente na vida do Universo? Bem, estamos aqui, então a resposta deve ser sim, não é?

Mas espere. De acordo com um comunicado à imprensa anunciando este novo artigo, “… as estimativas atuais sugerem que o número mágico de 40 a 100 nucleotídeos não deveria ser possível no volume de espaço que consideramos o universo observável”.

A chave aqui é o termo “universo observável”.

Totani diz:

No entanto, há mais no universo do que o observável. Na cosmologia contemporânea, concorda-se que o universo passou por um período de inflação rápida, produzindo uma vasta região de expansão além do horizonte do que podemos observar diretamente. A inclusão desse maior volume em modelos de abiogênese aumenta enormemente as chances de ocorrência da vida.

Nosso universo surgiu durante o Big Bang, um único evento de inflação. De acordo com o artigo de Totani, nosso Universo “provavelmente inclui mais de 10^100 estrelas parecidas com o Sol”, enquanto o Universo observável contém apenas cerca de 10 sextilhões (10^22) de estrelas.

Sabemos que a vida ocorreu pelo menos uma vez, portanto, não está fora de questão que a abiogênese tenha ocorrido pelo menos mais uma vez, mesmo que as chances sejam infinitesimalmente pequenas.

Segundo as estatísticas, a quantidade de matéria no Universo observável só deve ser capaz de produzir RNA com 20 nucleotídeos de comprimento, bem abaixo do número de 40 a 100. Mas, devido à inflação rápida, grande parte do Universo é inobservável. É simplesmente muito longe para a luz emitida desde o Big Bang nos alcançar.

Quando os cosmólogos somam o número de estrelas no Universo observável com o número de estrelas no Universo não observável, o número resultante é 10^100 estrelas semelhantes ao Sol. Isso significa que há muito mais matéria em jogo, e a criação abiogênica de cadeias de RNA longas o suficiente não é apenas possível, mas provável ou até inevitável.

Em seu trabalho, o professor Totani afirma a relação básica sob investigação:

Aqui, uma relação quantitativa é derivada entre o comprimento mínimo de RNA/min necessário para ser o primeiro polímero biológico e o tamanho do universo necessário para esperar a formação de um RNA tão longo e ativo por adição aleatória de monômeros.

Está ficando confuso? Aqui está um resumo esperançosamente mais compreensível.

O Universo é maior que sua porção observável e provavelmente contém 10^100 estrelas parecidas com o Sol. Para que a probabilidade de criação abiótica de RNA em um planeta semelhante à Terra seja igual a 1, ou unidade, o comprimento mínimo de nucleotídeos deve ser menor que cerca de 20 nucleotídeos, o que é muito menor que o mínimo inicialmente declarado de 40 nucleotídeos.

Mas os cientistas não pensam que o RNA com apenas 20 nucleotídeos possa ser auto-replicante, pelo menos não da nossa perspectiva como observadores da vida terrestre. Como Totani diz em seu artigo:

Portanto, se organismos extraterrestres de origem diferente da Terra forem descobertos no futuro, isso implicaria um mecanismo desconhecido no trabalho para polimerizar nucleotídeos muito mais rapidamente do que processos estatísticos aleatórios.

Qual seria esse processo?

Ninguém sabe, mas este é provavelmente um ponto de inflexão em que pessoas de fé podem gritar e dizer: “Deus, é claro”.

O trabalho de Totani nunca forneceu uma resposta. Mas, como muitos trabalhos científicos, ajuda a refinar a questão e convida outros a estudá-la.

Totani disse:

Como muitos nesse campo de pesquisa, sou movido pela curiosidade e por grandes perguntas.

Combinar minha investigação recente sobre química de RNA com minha longa história de cosmologia me leva a perceber que há uma maneira plausível do universo ter passado de um estado abiótico (sem vida) para um estado biótico. É um pensamento empolgante e espero que a pesquisa possa se basear nisso para descobrir as origens da vida.

(Fonte)


Enquanto a ciência faz cálculos “mirabolantes” para determinar se há vida lá fora no Universo (e esse é mesmo o trabalho dela), o bom senso com base na simples probabilidade, levando em conta o número de estrelas e planetas lá fora, nos diz que a vida é sim abundante e espalhada por todos os cantos do cosmos.

A Terra não é um oasis solitário de vida!

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.