CASO CHALLEX: Naves alienígenas triangulares monitoram o Grande Colisor do CERN?

Tempo de leitura: 11 min.

(Por PREDADOR)

Costumo visitar sites franceses de ufologia (falo francês) onde encontro excelentes matérias, e me deparei com uma excelente matéria sobre o avistamento por um casal e mais uma outra testemunha que estavam na mesma estrada, de uma enorme nave triangular. O relato e as excelentes análises do autor despertaram o meu interesse para publicar a matéria aqui no OH, com as devidas referências à fonte original.

CASO CHALLEX: Naves alienígenas triangulares monitoram o Grande Colisor do CERN? Nave triangular
Imagem meramente ilustrativa.

1. O Caso

A testemunha descreve os eventos que ocorreram na quinta-feira, 4 de maio de 2016 (seu aniversário: ele nasceu em 4 de maio de 1982) entre as 22h e as 22h30. Por razões de discreção, a testemunha principal é designada por “Sr. G”.

A duração da observação é de aproximadamente 3 minutos. As condições meteorológicas eram boas: céu limpo, sem vento. O tipo de OVNI observado: um grande triângulo preto com várias luzes que corresponde em nossa classificação à categoria 4: triângulos com múltiplas luzes (“Tipo TFM”). As dimensões estimadas da máquina: 150 metros de largura por 6 metros de altura.

2. O relato da testemunha

Naquela noite, minha companheira e eu (a testemunha, o Sr. G., agora está separado dessa parceira) deixamos um restaurante por volta das 22h.

No caminho de volta para minha casa, pegamos o desvio D884.

Logo depois de passar por Saint-Jean-de-Gonville (01630, departamento de Ain), vi uma espécie de “avião” que parecia estar se aproximando do aeroporto de Genebra, localizado não muito longe de onde estávamos.

No entanto, quanto mais avançamos, mais víamos que não era nenhuma avião. Em princípio, achamos que era um drone. Mas logo vimos que ele não era normal, ele tinha proporções gigantescas.

Resolvemos parar na beira da estrada, à direita pouco antes da saída de Challex (01630, Departamento de Ain).

Vimos então outro veículo que estava parado à nossa frente e lá fora havia uma pessoa que observava a mesma nave. Ela estava agora em posição estacionária, acima da floresta à nossa esquerda.

Percebemos então que não era um “avião” nem um “drone”, mas um tipo de nave triangular que possuía dimensões impressionantes.

Ela estava imóvel. Estava voando em altitude muito baixa, a poucos metros acima das árvores da floresta, que faz fronteira com a rodovia D884. Não conseguimos ouvir nenhum som vindo da nave.

Na minha opinião, era feita de um material que parecia metal.  Sua superfície era sólida. Foi magnífico.

Eu conseguia distinguir nas bordas do triângulo, ou seja, a espessura, que era de pelo menos 6 metros, formas estranhas, mas muito bonitas, que não pareciam nada com o que eu já tinha visto.

O enorme OVNI triangular tinha cerca de 150 metros de comprimento e uma espessura de pelo menos 6 metros. Sua altura era igual à das árvores.

Havia pequenas luzes azuis e vermelhas nas extremidades de cada canto. Não ouvi nenhum som de motor ou turbina. As árvores não se mexeram. Confirmo que não havia barulho: silêncio total.

Depois de observar a aeronave por um longo tempo, ela se moveu lentamente em direção ao aeroporto de Genebra até desaparecer completamente de nossa vista. Era como se estivesse deslizando no céu. Decidi, então entrar de novo no meu carro para segui-la. Eu queria vê-la novamente e peguei a saída de Challex.

Percorri a estrada ao longo da floresta e fui na direção para onde o OVNI tinha seguido. Mas em vão, não conseguimos encontrá-lo nem vê-lo.

Nós nunca mais encontramos o motorista desconhecido que estava conosco naquela noite. Lembro que ele estava sozinho, fora do carro e assistindo extasiado o OVNI. Ele parecia cativado pelo que viu. Mas nenhum sinal distinto, nem qualquer outro detalhe me vem à memória em relação a essa pessoa, tanto que a presença do OVNI foi fascinante.

Já se passaram quase três anos desde esse avistamento, mas lembro-me de muitos detalhes que considero importantes apontar e comunicar a você.

É importante notar que a testemunha descreveu a superfície do OVNI triangular dizendo que se assemelhava em parte à superfície de um meteorito. Portanto, tinha um aspecto mineral. É um material que a testemunha conhece bem, já que o usa em seu ofício (ele trabalha para um joalheiro). Essa superfície era, portanto, segundo ele, metálica e mineral. Era uma espécie de mistura dos dois.

Segundo o Sr. G., a superfície do triângulo parecia ser feita de uma mistura de metal e mineral do tipo meteorítico. Era uma superfície preta e irregular.

3. Análise do caso

Se tivéssemos que elaborar uma espécie de “retrato falado” da nave observada por nossa testemunha, teríamos que insistir primeiro em seu desempenho de voo, que é excepcional.

Se considerarmos as dimensões da máquina estimada em 150 metros de comprimento por 6 metros de altura, veremos que estamos na presença de uma massa muito grande que pode ser calculada em várias centenas de toneladas aproximadamente.

Essa estimativa da massa é ainda mais plausível, pois, segundo a testemunha, a máquina parecia “usinada” em uma peça a partir de um material que é metálico e mineral, portanto muito pesado a priori.

O que coloca mais perguntas é o fato de que uma aeronave com essa massa pode permanecer em voo pairando perfeitamente (portanto, sem movimento de oscilação aleatória) por vários minutos sem emitir o menor ruído, sem exalar calor.

A testemunha lembra que o triângulo estava dois ou três metros acima de uma fileira de árvores e que estas não se mexiam (nenhum movimento de galhos ou folhas). Tudo estava calmo, imóvel e silencioso. Nenhuma máquina terrestre feita pelo homem é capaz de tal feito. Supõe a implementação de uma física e uma tecnologia que, no momento, são completamente incompreensíveis para nós.

Outro ponto notável sobre o desempenho excepcional do voo do triângulo é retirado do relato da testemunha: “a nave se afastou de nós como se estivesse deslizando no ar.” Não é a primeira vez que uma testemunha faz essa observação sobre triângulos. Pela minha parte, sempre me surpreendi com o uso do verbo deslizar para dar uma explicação do que as testemunhas viram. Um avião, por exemplo, não desliza no ar: é transportado pelo ar que corre sob suas asas. A nuance é importante porque sugere a implementação de tecnologia de voo que nada tem a ver com os princípios de aerodinâmica aplicados às aeronaves.

Mas o mais impressionante, sem dúvida, é o que a testemunha nos contou sobre a atmosfera que predominava no momento da observação. Não havia barulho, era um silêncio total.

A testemunha lembra:

Estávamos em uma faixa de 2×2, sempre muito ocupada. Existem veículos que passam constantemente por lá. No entanto, durante todo o tempo da observação, não vimos nenhum veículo passando por essa estrada (a D884). O tráfego parecia inexplicavelmente suspenso no exato momento em que a nave estava ali, pairando sobre as árvores.

Este é um fato frequentemente relatado por testemunhas que estão na presença de um OVNI de formato triangular. É o que chamo de isolamento sensorial ou o “Fator Oz”, que corresponde a um período de tempo durante o qual as testemunhas mencionam uma mudança na percepção do espaço e do tempo.

É como se de repente eles estivessem dentro de uma “bolha”. Se a testemunha estiver em uma rua muito movimentada no centro da cidade, por exemplo, ele não percebe mais o barulho do trânsito e até experimenta a sensação de estar sozinho. Um silêncio total se instala repentinamente durante a passagem do triângulo. Para a testemunha, é como se ele estivesse “em outro lugar”.

Ela vê o OVNI e ainda está no mesmo ambiente, mas a atividade que havia nesse ambiente muda totalmente. É como se não houvesse mais carros, nem pedestres, nem barulho do motor, nem buzina e como se o tempo estivesse suspenso. Assim que o OVNI se afasta, tudo se torna normal novamente. A testemunha percebe novamente a atividade que prevalecia antes de sua observação.

Na literatura ufológica, esse fenômeno é chamado “Fator Oz”, em referência ao romance para crianças intitulado O Mágico de Oz, escrito pelo autor americano Lyman Frank Baum e publicado nos Estados Unidos em 1900. A história conta as aventuras de uma garotinha e seu cachorro que são sequestrados de sua casa por um tornado e transportados para um país maravilhoso chamado Oz. Este país fantástico é isolado do resto do mundo por um deserto perigoso. As pessoas deste país mágico são chamadas de “povo das fadas”.

 Nave triangular
Esboço indicando as dimensões do triângulo observadas pelo Sr. G. Segundo este último, a embarcação tinha 150 metros de comprimento por 6 metros de altura. Entendemos imediatamente que estamos na presença de uma massa muito grande que pode ser estimada em várias centenas de toneladas aproximadamente.

Uma deformação local do espaço/tempo?

Se levarmos em conta todas as características de voo do triângulo que acabei de mencionar, bem como o efeito do “silêncio total” e o fato de o ambiente parecer “congelado” na presença do OVNI, podemos considerar a possibilidade de que todos esses fenômenos estranhos sejam gerados pelo que chamo de “sistema de propulsão” do OVNI.

Na verdade, propus a hipótese de que esse misterioso “sistema de propulsão”, indubitavelmente acoplado a uma fonte desconhecida de energia, seja capaz de modificar localmente a rede de espaço/tempo. A “atmosfera congelada”, a sensação de isolamento sensorial e “silêncio total”, que são fatos frequentemente relatados por testemunhas, poderiam, em minha opinião, ser explicados por essa distorção local do espaço/tempo.

Sem entrar em considerações técnicas demais, lembro brevemente que, para Einstein, o movimento de um corpo não é determinado por forças, mas pela configuração do espaço-tempo.

Exemplo: de acordo com Newton, a Terra gira em torno do Sol porque exerce uma força gravitacional em nosso planeta. Para Einstein, é uma deformação do espaço-tempo induzida pela massa do Sol que está na origem do movimento da Terra.

A relatividade geral derrubou completamente os conceitos de tempo e espaço. O universo não é mais uma estrutura imutável do espaço (euclidiano), na qual ocorrem fenômenos movidos por forças: torna-se um espaço-tempo “deformável”, o que os matemáticos chamam de “uma variedade quadridimensional” (três dimensões do espaço, mais a dimensão tempo), distorcida pela presença da matéria.

Embora até agora essa deformação local do espaço/tempo só tenha sido verificada com corpos naturais (planetas, estrelas, galáxias), não é impossível pensar que uma tecnologia muito avançada possa produzir artificialmente essa deformação.

 Nave triangular - gravidade.
Desenho mostrando que o espaço / tempo é deformado (dobrado) pela presença de um planeta ou estrela. Para Einstein, é uma deformação do espaço-tempo induzida pela massa do Sol que está na origem do movimento da Terra. Uma massa distorce o espaço-tempo dobrando-o.

No presente caso, a súbita ausência de um veículo na pista 2×2 poderia encontrar sua fonte na dilatação do tempo em uma área circunscrita ao redor do OVNI.

Os veículos não passaram mais porque levaram mais tempo para chegar a essa área onde o espaço/tempo foi deformado e “dilatado”. Da mesma forma, o “silêncio total” também pode ser explicado por essa distorção local: as ondas sonoras são mais lentas.

Obviamente, estou apenas especulando, mas é claro que, se queremos entender a tecnologia implementada pelos triângulos pretos, não podemos mais nos contentar com explicações convencionais derivadas de nossas próprias tecnologias: devemos necessariamente considerar pressupostos mais ousados.

Monitoramento remoto do LHC?

Quando fomos ao local de observação com a testemunha principal (Sr. G.), a última hipótese de que o triângulo preto poderia ter sido posicionado nesse setor para “monitorar” à distância Instalações do CERN (Centro Europeu de Pesquisa Nuclear), e mais particularmente o local de Meyrin, localizado a aproximadamente 7 km do ponto de observação. Ao verificar essa hipótese nos mapas, verifica-se que a proximidade do LHC com a posição do OVNI triangular é uma forte indicação de que poderia haver uma ligação entre o OVNI e as instalações do CERN.

Você deve saber que esta área localizada perto de Genebra concentra instalações de alta tecnologia dedicadas à pesquisa fundamental em física de partículas. O Large Hadron Collider (LHC) é o maior e mais poderoso acelerador de partículas do mundo. Foi construído a 100 metros (em média) de profundidade em um túnel circular de 27 km de circunferência. É equipado com sete detectores, quatro dos quais são muito grandes.

Com esta máquina excepcional, sem dúvida a maior e mais complexa já construída em nosso planeta, os físicos esperam fornecer respostas a várias perguntas fundamentais sobre física de partículas, antimatéria e cosmologia (o Big Bang em particular). Com ela os cientistas estão tentando chegar o mais próximo possível das condições físicas que prevaleciam no início do universo. O LHC está localizado na área de fronteira entre a França e a Suíça.

Vale a pena lembrar que o uso do LHC levantou algumas preocupações do lado dos físicos que apresentaram os possíveis “desastres” que poderiam gerar uma máquina desse poder que usa energias colossais.

Cientistas renomados afirmaram que, durante experimentos do CERN que envolvem prótons (partículas que constituem o núcleo atômico) que colidem a uma velocidade e com uma carga de energia nunca antes experimentada, buracos negros poderiam aparecer na máquina.

Buracos negros são estruturas naturais que têm uma atração tão forte que tudo ao seu redor perde sua forma e consistência originais e até a luz não pode escapar. Dois pesquisadores, Walter L. Wagner e Luis Sancho, levantaram o argumento de que o LHC seria capaz de gerar um buraco negro que poderia engolir nosso planeta.

Deve-se notar também que a potência do feixe que circula no anel principal é tal (14 TeV – teravolts) que, se o caminho desse feixe não fosse mais controlado, poderia causar danos consideráveis. Embora o CERN tenha se pronunciado para tranquilizar todos afirmando que isso não ocorrerá, na verdade não está excluído que um acidente grave possa ocorrer, cujas consequências permanecem desconhecidas no momento.

De fato, não sabemos que fenômeno físico incontrolável poderia ocorrer no caso de um acidente. Sob essas condições, a observação feita por nossa testemunha é relevante: o LHC pode estar sujeito a uma vigilância especial por visitantes extraterrestres.

Além disso, independentemente dos perigos associados à operação do LHC, esse centro de excelência em tecnologia e pesquisa básica só pode despertar o interesse de visitantes em potencial de fora do planeta.

O CERN reúne 7.000 cientistas de 80 países. É uma verdadeira “torre de Babel” da massa cinzenta da Terra, totalmente mobilizada em torno do LHC. É um modelo de cooperação internacional que reúne os melhores pesquisadores no intuito de fazer avançar nosso conhecimento no infinitamente grande e no infinitamente pequeno.

Levando em conta todos esses elementos, entendemos porque nossos visitantes seguem com grande curiosidade, mas à distância, nosso progresso na física e na cosmologia. O LHC é o maior e mais poderoso acelerador de partículas do mundo. Foi construído a cerca de 100 metros de profundidade em um túnel circular de 27 km de circunferência.

Localizado na área de fronteira entre a França e a Suíça, é considerado a “capital” da física de partículas no mundo.

Para os leitores que desejam obter mais informações sobre os “triângulos pretos”, aconselho-os a ler meu último livro intitulado: “Os triângulos da noite. Investigação de um fenômeno perturbador” (Editora: Le Temps Present -13 de novembro de 2018) (observação: a obra só está disponível em francês).

Autor da matéria: Daniel Robin.

Fonte: https://ovnis-direct.com/un-immense-triangle-noir-pres-du-lhc-de-geneve-laffaire-challex.html

 Comentando o caso – PREDADOR

A leitura desse excelente artigo nos coloca face a face com um caso onde parece efetivamente haver uma conexão entre o local do avistamento da nave triangular e a sua presença – o LHC. Como centro de excelência da física mundial este local é onde se desenvolvem as tecnologias mais avançadas que temos ou poderemos ter no âmbito da manipulação da matéria e da energia a partir do conhecimento das estruturas atômicas e mais além, o que na física recente se denomina de microuniverso – a concepção básica é que o átomo ou as partículas não são o fim do caminho – existem estruturas ainda menores que constituem os fios por assim dizer do tecido do espaço-tempo. É nesse caminho que a física quântica e as teorias sobre os múltiplos universos (multiverso) e a teoria das cordas transitam. Acredita-se que esta possa ser a chave para compreender possibilidades inimagináveis, como viajar entre as dimensões ou ir a outros pontos do universo instantaneamente.

Curiosamente, em um outro caso que sempre comento aqui, envolvendo o agricultor francês Robert L. (pseudônimo), que fez seu relato apenas nos anos 90 a dois ufólogos franceses (os aliens que o abduziram em 1969  – tipos nórdicos – pediram que ele somente contasse sua história vários anos depois para sua própria segurança (??). Uma “mulher” – tipo nórdica – cabelos louros, alta, olhos azuis, vestindo macacão colante, botas e cinto (essa é a típica vestimenta dos aliens nórdicos na maioria dos relatos) e que se apresentou a ele como cientista e pesquisadora viajando pelo nosso universo, lhe disse que também existem outros universos por onde eles transitam. Ela revelou que eles viajam entre as dimensões, e assim não existe limite de espaço-tempo.

Essa informação feita ao agricultor pela “cientista” alien nórdica é interessante, pois o fenômeno analisado pelo autor da matéria que transcrevi também pressupõe uma distorção no espaço-tempo, dentro da qual quem estiver próximo também fica, e assim tudo parece diferente; não se vê ninguém ao redor. Se você estiver numa estrada perto da nave, não verá nenhum carro passando, mesmo se for uma rodovia ultra movimentada onde isso seria impossível.  É como se você estivesse num “desvio” do espaço-tempo.

Esse estranho fenômeno aliás também é reportado nos encontros com os famigerados homens de preto (MIBs). Em muitos casos, a testemunha (sempre alguém que viu um OVNI ou teve um contato anterior com aliens), que se encontrava num local movimentado, ao se deparar com esses indivíduos percebe de repente que tudo ao redor mudou – se estava numa rua ou local movimentado não vê mais ninguém.

Um dos testemunhos mais importantes nesse sentido é o do ex-magistrado de Paris, Bernard Bidault, que passou a se dedicar ao estudo de abduções. Enquanto escrevia seu livro, foi visitado por dois homens de preto que, em tom de ameaça, disseram para ele parar seu trabalho. De repente, sem saber como, ele não estava mais no escritório, mas em seu carro, numa rua movimentada – ou que deveria ser pois pela hora era quase meio dia – mas, inexplicavelmente, não havia viva alma – nem pessoas, nem carros. Depois de avançar com um carro até o fim da rua, ao dobrar a esquina, tudo estava normal. Ele passou a ter dores de cabeça tão fortes depois do encontro com os MIBs que teve que parar a obra por vários anos até conseguir finalizar o livro.

Então, parece que os MIBs também podem manipular o espaço-tempo e, como eu penso, tem ligação com os aliens. Provavelmente são enviados por eles e não são propriamente aliens, uma vez que as testemunhas relatam coisas esquisitas como seu andar cambaleante e voz metálica (tipicamente coisas robóticas); em geral, são carecas (em alguns casos tem cabelos), não têm pelos, sobrancelhas, lábios (não abrem a boca quando falam) e em vários casos disseram que tinham que ir pois sua energia estava acabando. Alguns também falam que sua pele parece artificial (plástico).

Aqui no OH algumas pessoas (todas com experiências de encontro com aliens anteriormente) ficaram cara a cara com esses tipos e notaram esse detalhe como relataram.

Talvez os MIBs sejam cyborgs usados para monitorar, observar e por vezes alertar pessoas muito envolvidas com os OVNIs e aliens a não falar demais, ou ainda para lembrar – quando aparecem (e aqui outro detalhe – sempre “do nada” e também somem num piscar de olhos – o que sugere teletransporte ou entram em outra dimensão) – para lembrar o indivíduo que “eles” (os aliens) estão de olho. 

Se forem biorrobôs avançados dos aliens, podem não ser eles os responsáveis pela alteração no espaço-tempo ao redor, mas os próprios aliens que os comandam a distância. Nesse caso, o encontro das pessoas com os MIBs ocorre num “desvio espaço-tempo” criado pelos aliens – de maneira que outras pessoas ao redor não vejam o evento ou não interfiram nesse encontro planejado.

Cabe salientar que circula na Internet a teoria de que as naves triangulares seriam tecnologia humana secreta – a nave americana denominada TR 3 B.  Não acredito nessa teoria.

Existe uma questão chave aqui: naves triangulares iguais às que tem sido vistas são relatadas desde os anos 40. Uma estatística de tipos de naves feitas pelo NUFORC, entidade americana de investigação de OVNIs privada, mostra que mais de 10.000 (sim isso mesmo) relatos foram feitos de naves triangulares, sendo o primeiro conhecido nos anos 40. Houve um enorme número de avistamentos entre os anos 50 e 60.  Havendo relatos tão antigos (com certeza ainda antes de 1940, mas não existem registros, pois não havia então pesquisa sistemática de OVNIS), não acredito que seriam naves humanas.

Além disso, inúmeros abduzidos nas últimas décadas, principalmente dos anos 90 para cá, falam em abduções feitas por naves triangulares, e envolvem os grays.

            Eu tenho um testemunho de uma pessoa enviado por e-mail que reporta isso também: ela e mais 5 ou 6 pessoas (não lembro agora) estavam todas reunidas num hangar de um aeroporto brasileiro importante – trabalhavam em um determinado setor que não posso divulgar – e ficaram impressionadas com o que viram: bem à sua frente, fora do hangar, uma enorme nave triangular baixou e ficou pairando… Tão próximo, que eles viram os ocupantes: eram seres baixinhos, com cabeças e olhos grandes, que os observavam das janelas da nave (escotilhas) (com certeza, os nossos conhecidos grays).       

Depois a nave subiu e sumiu no céu num piscar de olhos. Para pessoas como eles, técnicos e com boa formação, isso foi demais.  Ninguém conseguiu falar nada por vários minutos. Então alguém comentou: “com certeza, não vamos falar isso para ninguém, pois iremos perder o emprego”. Todos de comum acordo resolveram não tocar mais no assunto, nem informar aos superiores.

 Esclareço também que não existem apenas naves triangulares pretas. Tem um outro tipo que tem sido relatado: as naves triangulares douradas ou cor de cobre. Pesquisadores acham que as pretas são usadas para abduções, e as douradas são para transporte – possivelmente de naves menores – discos. Em alguns relatos, as testemunhas (vários abduzidos) afirmaram ter sido levados para uma nave triangular e de lá transferidos para outra – talvez das pretas para as douradas. 

Como tem se observado, nos últimos anos abduções já não são feitas levando uma, duas ou três pessoas. Agora o padrão parece ter mudado. Os grays estão abduzindo dezenas de pessoas – não do mesmo lugar – mas de vários lugares ao mesmo tempo – que são reunidas na mesma nave. Provavelmente, se abduzem digamos 20 ou 30, ou até muito mais ao mesmo tempo, os discos não servem. Para isso, naves muito maiores – as triangulares – são as mais adequadas pelas enormes dimensões.

 Não se sabe porque o padrão de abduções mudou. Alguns desconfiam que os grays estão com pressa – acelerando as abduções – daí serem muitas ao mesmo tempo, retiradas de diferentes locais e reunidas numa mesma nave – quando antes se limitavam a uma, duas, três pessoas que estavam num mesmo local. Isso leva a uma intrigante questão: Por que a pressa? Estará alguma catástrofe global muito próxima?  É o que alguns pesquisadores têm suscitado.

Se você tem algum relato pessoal, experiência ufológica, ou tem algum amigo ou parente que teve, e cuja história você conhece e quer relatar, mas não quer falar abertamente aqui nos comentários do OH, escreva para o meu e-mail: guyana.luis@hotmail.com.  Manterei sigilo se você desejar.

Até o próximo artigo.

– PREDADOR

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.