Uma nova maneira de testar se há vida em Marte

Tempo de leitura: 2 min.

Dirk Schulze-Makuch, Professor da Universidade Técnica de Berlim, Alemanha, e Professor Adjunto da Arizona State University e Washington State University, informa a respeito de uma nova maneira de testar se Marte ainda contém vida.

Uma nova maneira de testar se há vida em Marte
O jipe-sonda Exomars da Agência Espacial Européia, chamado Rosalind Franklin em homenagem à cientista que ajudou a discernir a estrutura do DNA, deve pousar em Marte no próximo ano. (ESA / ATG Medialab)

Em um novo artigo publicado na revista Astrobiology, Jacob Heinz, meu colega da Universidade Técnica de Berlim, e eu discutimos uma das descobertas mais importantes do jipe-sonda Curiosity em Marte. A descoberta de compostos orgânicos contendo enxofre foi um divisor de águas na busca pela vida no planeta vermelho.

Os orgânicos já haviam sido detectados antes, mas os dados do Curiosity finalmente convenceram a comunidade científica de que eles eram indígenas, e não a contaminação trazida da Terra.

Alguns dos compostos descobertos pertencem ao grupo conhecido como tiofenos – compostos semelhantes a anéis contendo quatro átomos de carbono e um átomo de enxofre. Eles são conhecidos por ocorrer naturalmente no carvão e no petróleo bruto.

No artigo, Heinz e eu discutimos possíveis explicações abióticas (não-vivas) e bióticas para a presença de tiofenos em Marte. Curiosamente, o primeiro organismo em que encontramos que sintetiza tiofenos foi um fungo apreciado por cozinheiros gourmet – a trufa branca.

Muitos micróbios também produzem tiofenos. O caminho mais viável para fazer isso, chamado redução de sulfato microbiano, funciona mesmo em temperaturas abaixo de zero em Marte e certamente teria funcionado no passado marciano, quando as condições ambientais eram ainda mais benignas.

Como sempre, ao procurar uma prova biológica indicativa, há uma complicação. Uma via abiótica para tiofenos não pode ser excluída, porque outro processo – chamado redução termoquímica de sulfato – pode ocorrer a temperaturas superiores a 120 oC. E o material orgânico necessário para esse processo pode, por exemplo, provir de meteoritos. Não é necessária biologia.

Seria ótimo se o Curiosity pudesse dizer a diferença entre produtos orgânicos derivados da biologia e aqueles que não são. Mas há um problema com o método de análise usado pelo veículo espacial.

Chamada de pirólise, essa técnica aquece a amostra a temperaturas acima de 500 oC , resultando em fragmentos de moléculas orgânicas que originalmente poderiam ter sido muito maiores antes da pirólise.

O jipe-sonda ExoMars da Europa, que deve ser lançado para Marte em julho, possui um instrumento chamado MOMA. o qual usa um método não destrutivo para analisar compostos orgânicos. A esperança é que ele seja capaz de detectar algumas das moléculas orgânicas maiores suspeitas que ajudarão os cientistas a determinar se os tiofenos são de origem biológica.

O que mais podemos fazer? A composição isotópica dos tiofenos pode fornecer uma pista importante. Os micróbios tendem a preferir a versão mais leve dos elementos químicos, pois exigem menos trabalho para processar. A assinatura isotópica de sedimentos contendo enxofre encontrada pelo Curiosity em Marte é muito semelhante à assinatura vista nas rochas da cratera de impacto Haughton no Alto Ártico Canadense, que se acredita resultar da redução biológica de sulfato.

A assinatura isotópica de carbono nas rochas marcianas é provavelmente uma pista ainda mais importante, mas até hoje ainda é desconhecida. São necessárias mais missões.

Enquanto isso, a pesquisa continua na Terra para explorar a possível produção biológica de tiofeno sob condições marcianas simuladas, em câmaras de teste especialmente projetadas.

Então fique ligado. Mais revelações provavelmente virão em breve.

Dirk Schulze-Makuch

(Fonte)

Colaboração: Osnir Stremel Jr


Esta descoberta pode estar comprovando que Marte, pelo menos no passado, já teve vida.

n3m3

Compartilhe este artigo com a galáxia!

_______

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais, ou use o botão abaixo:


_______

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------
-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.