“Deus do Caos” pode entrar em rota de colisão com a Terra, alertam cientistas

Tempo de leitura: 3 min.

Em menos de dez anos, uma enorme rocha espacial gelada mais alta que a Torre Eiffel, com o nome do “Deus do Caos” passará perigosamente perto da Terra.

"Deus do Caos" pode entrar em rota de colisão com a Terra, alertam cientistas
Foto meramente ilustrativa.

Nomeado em homenagem ao deus egípcio do caos, o asteroide 99942 Apophis (Apófis) é grande o suficiente para matar dezenas de milhões de pessoas se atingisse o nosso planeta.

Ele será visível da Terra quando passar por nós na sexta-feira, 13 de abril de 2029, e chegar perto o suficiente para ‘raspar’ a região na qual os satélites viajam ao redor do mundo.

Você pode pensar que a humanidade será capaz de dar um suspiro de alívio quando Apophis se afastar de nós e retomar sua jornada solitária pelo vazio. No entanto, há uma chance dele encontrar um dos ‘buracos da fechadura gravitacional’ da Terra durante esse sobrevoo, puxando-o para uma trajetória que resultaria em um ‘impacto devastador’ em 2036.

Agora, um estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), apoiado pela NASA, expôs o risco representado pelos buracos da fechadura do nosso planeta – e também apresentou uma nova maneira de nos protegermos do Apophis ou de qualquer outra rocha espacial apocalíptica que aparecer em nosso caminho.

Sung Wook Paek, principal autor do estudo e ex-aluno do Departamento de Aeronáutica e Astronáutica do MIT, informou:

As pessoas consideram principalmente estratégias de deflexão de última hora quando o asteroide já passou por um buraco de fechadura e está caminhando em direção a uma colisão com a Terra. Estou interessado em impedir sua passagem pelo buraco da fechadura bem antes do impacto na Terra. É como um ataque preventivo, com menos confusão.

Existem duas maneiras de impedir que um asteroide nos atinja. O primeiro envolve atingi-lo com uma bomba nuclear, mas isso levanta o risco de inundar a Terra com precipitação radioativa. O outro envolve esmagar uma nave espacial ‘impactadora cinética’ e, portanto, mudar a trajetória do objeto para que não nos atinja.

Paek considerou esta segunda opção e usou simulações para trabalhar uma maneira de direcionar objetos para um novo percurso e ‘fechar o buraco da fechadura’ para que a rocha espacial não fique presa em uma trajetória que atingiria a Terra.

Paek disse:

Um buraco de fechadura é como uma porta – uma vez aberto, o asteroide impactará a Terra logo depois, com alta probabilidade

Os pesquisadores testaram sua simulação no Apophis e no famoso ‘asteroide do apocalipse’ Bennu, que são dois de apenas um punhado de asteroides pelos quais são conhecidas as localizações de seus buracos da fechadura gravitacional em relação à Terra.

Um gráfico demonstrando o tamanho do asteroide Apophis, à direita. (Imagem: Wikimedia Commons)

Eles simularam várias distâncias entre cada asteroide e seus buracos da fechadura, calculando uma região de ‘porto seguro’ na qual um asteroide teria que ser desviado para evitar um impacto na Terra e evitar outros buracos de fechadura gravitacionais.

A equipe também disse que era muito importante entender a composição dos asteroides do apocalipse, para que possamos descobrir a melhor maneira de desviá-los.

Eles descobriram que, se o Apophis passar por um buraco de fechadura em cinco anos ou mais, há tempo suficiente para enviar uma nave para medir as dimensões do asteroide e outra “para empurrá-lo um pouco para fora dos trilhos como teste”, antes de enviar um “impactador” principal para que ele se afaste da Terra.

Mas se o Apophis colidir com o buraco da fechadura dentro de um ano terrestre ou menos, pode ser tarde demais para nos salvar de um desastre.

Paek alertou:

Mesmo um impactador principal pode não ser capaz de atingir o asteroide dentro desse prazo.

Em ​​vez de alterar o tamanho de um projétil, podemos mudar o número de lançamentos e enviar várias naves espaciais menores para colidir com um asteroide, uma a uma. Ou poderíamos lançar projéteis a partir da Lua ou usar satélites desativados como impactadores cinéticos.

Criamos um mapa de decisão que pode ajudar na criação de protótipos de uma missão.

(Fonte)

Colaboração: tó-zé santos


Lembremos também que se o suposto “contatado” Billy Meier estiver certo, então há muito o que se preocupar a respeito desse asteroide.

Mas eu não me preocuparia com base somente em Meier.

NASA está fatalmente errada sobre o asteroide Apophis

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.