Grande pirâmide e esfinge são muito mais velhas do que se pensava

Tempo de leitura: 4 min.

A Grande Pirâmide e as pirâmides ao redor do complexo de Gizé têm muito mais de 4500 anos, ao contrário do que afirmam os egiptólogos. Novas pesquisas, conduzidas por cientistas livres para pensar fora da caixa, concordam que o cálculo anterior não está certo.

Grande pirâmide e esfinge são muito mais velhas do que se pensava

Os egiptólogos tradicionais afirmam que as marcações feitas por uma “turma de trabalhadores” na Grande Pirâmide, supostamente da quarta dinastia, citam o Faraó Quéops (Khufu em egípcio antigo). E isso, para eles, prova que ela foi feita durante seu tempo.

Mas esse argumento não é comprovado porque a pedra, nesse caso, o calcário, não pode ser datada por carbono, pois não é um material orgânico. Não há provas concretas de que ela foi construída durante o reinado de Quéops.

Isso significa que, de uma perspectiva epistemológica, a afirmação de que Quéops a construiu é mais semelhante a mito aceito e doutrina acadêmica, do que a um fato comprovado.

This means, from an epistemology perspective, the Khufu claim is more akin to accepted myth and academic doctrine, than substantiated fact.

Por que isso importa?

Existem várias razões pelas quais isso é importante, desde compreender as complexidades dessa civilização antiga até reconstruir o que conhecemos como a história da humanidade e como evoluímos no planeta.

A falta de um argumento baseado em evidências para a idade da pirâmide deixa a porta aberta para outros pesquisadores e aqueles que se manifestaram não nos decepcionaram.

Robert Schoch

Robert M. Schoch é professor da Faculdade de Estudos Gerais da Universidade de Boston, nos EUA. Ele afirma que a Grande Esfinge, que fica em frente ao complexo da Grande Pirâmide de Gizé, tem cerca de 13.500 anos.

Ele cita os padrões de erosão hídrica como prova de que algum tipo de grande catástrofe ocorreu na antiguidade, em que grandes volumes de água estavam lavando o platô.

Os egíptólogos afirmam que a Esfinge foi construída durante o reinado do faraó Quéfren (2558-2532 a.C.). Mas os egiptólogos rejeitam a pesquisa de Schoch, que foi sumariamente ignorada pelos acadêmicos.

No entanto, nenhum argumento de contra argumento válido é fornecido.

Um contra-argumento válido é importante porque, no processo científico, as reivindicações precisam ser baseadas em evidências. Schoch fornece evidências superiores para a idade da Esfinge, citando a erosão climática na própria Esfinge e na face circundante da rocha.

Isso significa que, se os egiptólogos quisessem realmente desmerecer suas alegações, teriam que incorporar suas evidências, ou seja, fornecendo uma explicação melhor de porque existem padrões de erosão hídrica.

Isso sugere que os números de Schoch são os mais precisos, pelo menos até que mais evidências sejam disponibilizadas.

Embora a afirmação de Schoch não esteja diretamente relacionada à idade das pirâmides, acredita-se que elas provavelmente foram construídas pela mesma civilização muito mais antiga.

O que poderia ser essa civilização? Alguns afirmam ter sido a lendária civilização atlante discutida por Platão…

Graham Hancock

Graham Hancock é jornalista e autor, e escreveu vários best-sellers do New York Times. Ele é conhecido por explorar a história antiga.

Nesse caso, Hancock trabalhou com Robert Bauval para criar a Teoria da Constelação de Orion, que afirma que o Complexo da Grande Pirâmide é quase uma combinação perfeita para a Constelação de Orion. Diante disso, Hancock e Bauval afirmam que esses megálitos podem ter pelo menos 12.000 anos de idade.

Outros pesquisadores, como Billy Carson, do site 4BiddenKnowledge, datam a Esfinge até um período ainda mais antigo, 36.000 anos atrás, alegando que Leo era a constelação que a Esfinge estava olhando, e que não seria possível construir a Esfinge há 13.500 anos devido às condições do terreno, já que o planeta estava saindo da era do gelo.

Impacto da Dryas Recente

Vários pesquisadores, incluindo Hancock, citam a teoria do Impacto da Dryas Recente como evidência de que um cataclismo maciço mudou a face da Terra há 12.000.

Além disso, pesquisas regulares sugerem que o deserto do Saara era inundado por chuvas de monções cerca de 10.000 atrás. Poderia esta ser a fonte dos padrões de erosão hídrica mencionados por Schoch?

Legends of Atlântida

Nenhuma discussão sobre as pirâmides estaria completa sem mencionar a Atlântida.

A Atlântida é uma civilização lendária e altamente avançada da antiguidade, que alguns dizem que poderia ter sido uma civilização global.

Platão é a fonte mais citada para isso, mencionando Atlântida em Timeu e Crítias.

Nesse trabalho, Solon, um poeta e legislador, afirma ter visitado Neith, onde sacerdotes que ele conheceu lá o contaram sobre relatos históricos da Atlântida.

Acredita-se que Sólon tenha sido uma pessoa real. E assim, embora os diálogos de Platão sejam fictícios, eles são considerados carregados de verdadeira história.

A Atlântida é amplamente discutida por muitas pessoas, de acadêmicos e arqueólogos, a ovniólogos/ufólogos, espiritualistas e até médiuns. Embora nem todas as reivindicações correspondam, dezenas compartilham a mesma narrativa básica.

A história é que Atlântidais era uma civilização global altamente avançada que apareceu entre 30.000 e 40.000 anos atrás.

Eles usaram tecnologia avançada que consideraríamos mágica, como dispositivos de energia livre, tecnologia de portal, portais estelares e naves espaciais. Alguns até dizem que essa civilização também colonizou planetas e luas em nosso sistema solar.

Os tópicos comuns relacionados a essa discussão são quando e como a Atlântida caiu. Quase todas essas fontes alternativas sugerem que, quando a Atlântida caiu, todo o mundo civilizado da época a acompanhou.

Por milhares de anos, a humanidade foi efetivamente lançada de volta à idade da pedra. E então, aparentemente do nada, a civilização suméria entrou em cena, completa com um sistema financeiro, sistema jurídico, agricultura e tecnologia bastante avançada na época.

Como isso é possível?

Os historiadores tradicionais não podem responder a essa pergunta. Mas qualquer pessoa com bom senso provavelmente concordaria que a cultura suméria certamente foi influenciada por uma civilização muito mais antiga.

Além disso, não faria sentido que os padrões de erosão na Esfinge apontassem para uma época em que a água era mais abundante? E que as pirâmides são provavelmente um artefato de uma civilização avançada muito mais antiga?

Se tudo isso não basta para despertar sua curiosidade, considere esses fatos incríveis sobre a Grande Pirâmide:

  • Existem mais de 2 milhões de blocos de pedra na Grande Pirâmide, pesando de 2 a 50 toneladas cada.

  • A Grande Pirâmide está alinhada 0,067 graus no sentido anti-horário do perfeito alinhamento cardinal do norte verdadeiro. Os edifícios modernos não são construídos com esse nível de precisão.

  • A Grande Pirâmide é ‘à prova de terremotos’ – os blocos irregulares formam uma estrutura quase invencível.

  • A Grande Pirâmide na verdade tem oito faces, com tanta precisão que, durante décadas, os historiadores nunca perceberam.

  • A Grande Pirâmide codifica constantes matemáticas fundamentais, como as razões pi e phi.

  • A Grande Pirâmide e as outras duas adjacentes, como Hancock e Buvaul afirmam, é um reflexo quase perfeito da constelação de Órion.

  • A Grande Pirâmide pode focar energia dentro de suas várias câmaras.

  • E por último nesta lista curta, uma câmara secreta foi detectada recentemente dentro da Grande Pirâmide.
A Grande Pirâmide do Egito possui oito lados.

Esses são apenas alguns fatos misteriosos que deixam os cientistas modernos perplexos.

Conclusão

Apesar do que a grande mídia e a academia afirmam, sabemos muito pouco sobre a mais fascinante das sete maravilhas do mundo antigo.

A filosofia do conhecimento, epistemologia, nos ajuda a separar fatos da ficção. Usando essas ferramentas de análise testadas e comprovadas, as mesmas ferramentas no coração da ciência, a idade aceita da Grande Pirâmide é altamente suspeita.

Há mais evidências para apoiar a afirmação de Schoch do que para confirmar o dogma oficial dos egiptólogos.

A internet deu à humanidade uma capacidade sem precedentes de questionar alegações oficiais. No passado, pesquisadores como Schoch e Hancock provavelmente nunca teriam a chance de compartilhar suas valiosas pesquisas.

(Fonte)

Colaboração: SENAM


Certamente, considerando-se o histórico das teses científicas e arqueológicas, nada como o tempo para mudar suas afirmações.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.