Muro de Kaimanawa: construído por uma antiga civilização ou formação natural?

Tempo de leitura: 3 min.

Em uma imagem panorâmica no site (agora extinto) MysteriousNew Zealand.co.nz, o Muro de Kaimanawa parece irrelevante. Parcialmente coberto por folhagem da Floresta Estadual de Kaimanawa, ao sul do Lago Taupo, o muro mal pode ser visto de longe.

Muro de Kaimanawa: construído por uma antiga civilização ou formação natural?
Algumas pessoas acreditam que o muro de Kaimanawa é uma estrutura artificial de 2000 anos que antecede os maoris.

Um olhar mais atento, no entanto, revela do que se trata a controvérsia. O muro parece uma pilha de blocos de pedra, montados – possivelmente à mão. Além disso, as pedras ‘esculpidas’ parecem antigas; alguns pesquisadores especulam que ele tenha mais de 2000 anos.

Encontrar essa estrutura – especialmente em uma ilha na qual as primeiras pessoas a chegarem à ilha foi cerca de 800 anos atrás – seria motivo de comemoração. Isso sugere que um novo capítulo na história da ilha foi aberto. No entanto, na década de 1990, o muro teve a capacidade de criar uma brecha entre o governo e as tribos nativas maori. Também trouxe muitas dúvidas quando finalmente foi examinado de perto.

Três hipóteses sobre o Muro de Kaimanawa

A Science-Frontier relacionou pelo menos três ‘hipóteses’ para a existência do muro. Elas incluem o seguinte:

  1. O muro foi criado pelas tribos waitahas – a cultura pré-polinésia mencionada por David Childress (como o site aponta que isso tem problemas políticos, considerando que os maoris chegaram há 800 anos e insistem que são os habitantes originais. Importante em termos de receber compensações por terras retiradas dos europeus que chegaram há mais de 200 anos).
  2. O muro tem menos de 100 anos e é tudo o que resta de uma serraria.
  3. O muro é uma formação natural.

A descoberta

Muro de Kaimanawa: construído por uma antiga civilização ou formação natural?

O Muro de Kaimanawa não era um mistério quando foi descoberto. Antes dos anos 90, os habitantes da região conheciam o “muro”. A maioria deles o considerou um afloramento natural de rochas danificadas pelo tempo e pela água. No entanto, à medida que trilhas e estradas abriram a área para turistas, e mais tráfego humano passou, muitos visitantes ficaram impressionados pelos blocos lisos empilhados uns sobre os outros. Para muitos observadores, os blocos pareciam muito perfeitos para a natureza criar.

Dois pesquisadores iniciaram a investigação no muro em 1996. O ‘geólogo’ Barry Brailsford, de Christchurch, Nova Zelândia, foi o principal investigador. Ele foi auxiliado pelo americano David Hatcher Childress, autor de literatura sobre civilizações perdidas.

A equipe chegou à conclusão de que “não havia dúvida de que as pedras haviam sido cortadas (Science-Frontier, 1996).” A equipe também concluiu que a estrutura tinha mais de 2000 anos e vinha de uma cultura pré-polinésia que eles alegaram deixou estruturas megalíticas semelhantes em outras partes do Pacífico e ao longo da costa oeste da América do Sul (Science-Frontiers, 1996).

A datação do Muro de Kaimanawa causou controvérsias

A base para a datação era bastante estranha. De acordo com o site Science-Frontier, os ossos de kiores, um tipo de rato alheio à Nova Zelândia e provavelmente introduzido pelos primeiros assentadores, tinham sido datados de 2.000 anos. Era uma idade muito mais antiga que a primeira chegada registrada dos maoris.

A consideração de que existia uma cultura na ilha antes dos maoris não agradou esse grupo nativo. Isso pode ter afetado as reivindicações de terras que a tribo local Ngati Tuwhatetoa havia feito. Além disso, ameaçou as compensações do governo para os povos indígenas da nação insular.

Outros expressaram sua discordância, principalmente geólogos e funcionários da universidade. Até mesmo a Science-Frontiers retratou sua história original um ano depois, em 1997, depois que foi descoberto que o muro era uma formação natural.

A história do muro desmorona

A revelação do mistério aconteceu depois que o Departamento de Conservação da Nova Zelândia pediu ao geólogo Phillip Andrews que fizesse uma avaliação do muro.

O departamento escreveu:

Ele identificou as rochas como a Rangitaiki Ignimbrite de 330.000 anos de idade… ele revelou um sistema de juntas e fraturas naturais ao processo de resfriamento em folhas de ignimbrita. O que Brailsford considerou ser um corte artificial, blocos empilhados não era mais que um tipo de formação rochosa natural.

O historiador de Taupo, Perry Fletcher, e o professor da Universidade de Victoria, Paul Adds, tinham palavras mais duras para aqueles que propuseram que o muro de Kaimanawa era artificial. Fletcher afirmou que conhecia a estrutura há décadas e nunca pensou nisso. Ele alegou que aqueles que acreditavam ser restos de uma civilização perdida eram vítimas de um boato. Adds afirmou que aqueles por trás disso eram ‘inerentemente racistas’.

As conversas e especulações sobre o muro se acalmaram. Ainda assim, a noção de uma civilização antiga – incluindo uma alegação ultrajante de artefatos viking descobertos na Baía da Abundância – ocasionalmente surgirá e será discutida na Nova Zelândia ou na Internet. Até o momento, não existem evidências de que o muro foi feito pelo homem.

(Fonte)

Colaboração: Bruno Luiz


Embora seja provável que o Muro de Kaimanawa seja mesmo natural, qualquer tentativa de comprovação do contrário foi sufocada pelos interesses políticos.

Mundialmente, a raça humana tem o dom de complicar qualquer progresso de estudo seja em qual área for.

Avançamos, mas muito mais lentamente do que poderíamos.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais, ou use o botão abaixo:



ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

ALGUÉM ESTÁ COLANDO CHAPÉUS DE CAUBÓI NOS POMPOS EM LAS VEGAS

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.