Vamos impactar um asteroide para tentar desviá-lo

Tempo de leitura: 3 min.


Um asteroide em rota de impacto com a Terra não precisaria ser enorme para ser um grande problema. Mesmo algo com apenas alguns metros de diâmetro poderia causar devastação generalizada se atingisse uma vila ou cidade.

Vamos impactar um asteroide para tentar desviá-lo
Ilustração de como será o DART ao tentar impactar a pequena lua de Didymos NASA / JOHNS HOPKINS LABORADO DE FÍSICA APLICADA; EDITADO PELO MS. TECH

Para os objetos que podemos rastrear (e muitos escapam sem percebermos até ser tarde demais), os cientistas estimam suas trajetórias e calculam a probabilidade de uma colisão. Tivemos sorte até agora, porque ainda não tivemos que lidar com um cenário em que uma rocha espacial está em uma rota de impacto com a Terra. Se for o caso, poderíamos tentar desviá-lo para um caminho mais seguro – mas nunca tentamos algo assim antes.

Isso mudará em breve. Na semana passada, mais de 130 cientistas se reuniram em Roma para obter mais detalhes sobre uma colaboração informal entre a NASA e a Agência Espacial Europeia (ESA), chamada AIDA, abreviação de ‘Avaliação de Impacto e Deflexão de Asteroides’. AIDA refere-se a um par de missões projetadas para impactar uma espaçonave em um asteroide próximo à Terra e, em seguida, estudar o impacto para ver quão viável pode ser para os humanos afastarem um asteroide de sua trajetória, caso seja necessário.

Ian Carnelli da ESA disse:

Hoje, somos os primeiros seres humanos da história a ter a tecnologia para desviar potencialmente um asteroide do impacto com a Terra.

A principal questão que resta ser respondida é: são as tecnologias e modelos que temos bons o suficiente para realmente funcionarem?

Antes de dirigir um carro, você precisa ter uma apólice de seguro. Bem, AIDA é a apólice de seguro para o planeta Terra.

Começa com o Double Asteroid Redirection Test (DART) da NASA. Um pedaço de meia tonelada de metal será lançado em julho de 2021 e seguirá em direção ao 65803 Didymos, um asteroide binário (composto de um grande asteroide orbitado por uma ‘lua’ menor). Após 16 meses, o DART chegará ao Didymos e colidirá com sua ‘lua’ a mais de 23.000 quilômetros por hora.

A colisão deve ser suficiente para alterar a órbita e a velocidade da pequena lua em torno do corpo primário em uma fração de um por cento – uma quantidade minúscula, mas mensurável pelos telescópios da Terra. Um cubesat de fabricação italiana chamado LICIACube se separará do DART logo antes do impacto e fará imagens diretas da colisão. Se funcionar, será a primeira vez na história que os humanos mudaram fisicamente a trajetória orbital de um objeto espacial.

O DART também testará um par de novas tecnologias de voos espaciais. O primeiro é um novo sistema de propulsão elétrica solar, chamado NASA Evolutionary Xenon Thruster-Commercial (NEXT-C). Ele é baseado em um sistema usado pela primeira vez na missão Dawn, lançada há mais de uma década, para estudar os protoplanetas Vesta e Ceres. O segundo é a Small-body Maneuvering Autonomous Real-Time Navigation (SMART Nav), um novo algoritmo para orientação de naves espaciais e controle de navegação. O SMART Nav será responsável por apontar o DART para a pequena lua.

Nancy Chabot, cientista planetária da Johns Hopkins University e líder de coordenação do DART, disse:

Um dos principais desafios do DART é atingir e impactar de maneira confiável a pequena lua, a 10 milhões de quilômetros da Terra. Cerca de uma hora antes do impacto, o SMART Nav identificará o asteroide certo dos dois e depois direcionará a espaçonave em sua direção.

Enquanto isso, há a missão Hera, da ESA, na colaboração da AIDA. A Hera não será lançada até 2023 e só chegará ao Didymos cinco anos depois.

A missão Hera inclui dois cubesats com seus próprios sistemas de propulsão, um dos quais tentará pousar em Didymos. A sonda usará uma câmera, LIDAR e um termovisor para fazer mais observações da forma da cratera de impacto, e avaliar o que aconteceu com o asteroide após a tentativa de deflexão do DART. Como o DART, a Hera utilizará um sistema de navegação autônomo – nesse caso, para avaliar de forma independente de quais partes do asteroide vale a pena obter imagens e estudar, e descobrir como chegar a essas áreas.

Chabot disse:

[O asteroide] não está no caminho de colidir com a Terra e, portanto, não representa uma ameaça atual para o planeta, mas sua natureza binária permite a demonstração do impactador cinético do DART.

Como a pequena lua já está orbitando o outro objeto, temos um cenário mais controlado para medir quanto o impacto do DART afetará a órbita da pequena lua. Além disso, essa órbita, passando na frente e atrás do corpo principal, também oferece aos telescópios terrestres da Terra a oportunidade de estudar o impacto das melhores perspectivas.

A NASA, a ESA e seus parceiros estão progredindo. Tanto Carnelli quanto Chabot acreditam que o workshop foi um grande sucesso, especialmente quando se trata de desafios de navegação e de formar uma estratégia para permitir que a missão Hera obtenha imagens da cratera DART (que agora acreditamos poder ser muito maior do que as estimativas anteriores sugeridas).

Carnelli disse:

A defesa planetária é realmente um empreendimento mundial.

Além da tecnologia e da ciência, o AIDA também é um experimento muito bom em termos de colaboração entre cientistas e agências em todo o mundo. É o tipo de coisa que seria necessária se um asteroide estivesse em rota de colisão com a Terra.

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.