Bolhas gigantescas estão emitindo sinais de rádio perto do centro da Via Láctea

Tempo de leitura: 2 min.


Uma das maiores características já observadas no centro da nossa galáxia, a Via Láctea, foi descoberta por uma equipe internacional de astrônomos.

Bolhas gigantescas estão emitindo sinais de rádio perto do centro da Via Láctea

Trata-se de um par de enormes bolhas emissoras de rádio que se elevam a centenas de anos-luz acima e abaixo da região central da nossa galáxia.

Ian Heywood, da Universidade de Oxford, autor líder do artigo, disse em um comunicado de imprensa:

O centro de nossa galáxia é relativamente calmo quando comparado a outras galáxias com buracos negros centrais muito ativos.

Mesmo assim, o buraco negro central da Via Láctea pode se tornar incomumente ativo, explodindo à medida que periodicamente devora aglomerados maciços de poeira e gás. É possível que um desses frenesis provocou explosões poderosas que inflassem essa característica nunca vista antes.

Essa característica, semelhante a uma ampulheta, que supera todas as outras estruturas de rádio do Centro Galáctico, é provavelmente o resultado de uma explosão fenomenalmente energética que eclodiu perto do buraco negro supermassivo da Via Láctea, alguns milhões de anos atrás.

Usando o telescópio MeerKAT do Observatório de Radioastronomia da África do Sul (SARAO), Ian Heywood e seus colegas mapearam amplas regiões no centro da galáxia, realizando observações em comprimentos de onda próximos a 23 centímetros.

Os cientistas acreditam que encontraram evidências convincentes de que essas características foram formadas a partir de uma erupção violenta que durante um curto período de tempo perfurou o meio interestelar em direções opostas.

O co-autor William Cotton, do National Radio Astronomy Observatory em Charlottesville, Virgínia, disse:

A forma e a simetria do que observamos sugerem fortemente que um evento incrivelmente poderoso aconteceu há alguns milhões de anos muito perto do buraco negro central da nossa galáxia.

Essa erupção foi possivelmente desencadeada por grandes quantidades de gás interestelar que caíam no buraco negro ou por uma explosão maciça de formação de estrelas que enviou ondas de choque atravessando o centro galáctico.

De fato, isso inflou bolhas energéticas no gás quente e ionizado próximo ao centro galáctico, energizando-o e gerando ondas de rádio que podemos detectar aqui na Terra.

(Fonte)


Obviamente, essa explicação é somente uma tese baseada no que os cientistas já descobriram no Universo até agora. Mas não seria de se espantar se a origem de mais essa misteriosa característica de nossa galáxia seja ainda mais estranha.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais, ou use o botão abaixo:



ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

ALGUÉM ESTÁ COLANDO CHAPÉUS DE CAUBÓI NOS POMPOS EM LAS VEGAS

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.