Será que os humanos percebem a realidade como ela de fato é?

Tempo de leitura: 3 min.
Será que os humanos percebem a realidade como ela de fato é?
Crédito: Alexy Préfontaine

Um dos problemas mais profundos da epistemologia é como conhecemos a natureza da realidade. Ao longo dos milênios, os filósofos têm oferecido muitas teorias, desde o solipsismo (só se sabe que existe uma mente) à teoria de que a seleção natural moldou nossos sentidos para nos dar um modelo preciso do mundo.

Agora, uma nova teoria da Universidade da Califórnia em Irvine, o cientista cognitivo Donald Hoffman está ganhando atenção.

Baseado na psicologia evolutiva, é chamada de teoria da interface da percepção (de sigla em inglês, ITP) e argumenta que as percepções agem como uma interface de usuário específica da espécie, a qual direciona o comportamento para a sobrevivência e reprodução, e não para a verdade.

A analogia do computador de Hoffman é que o espaço físico é como um desktop (Área/Mesa de Trabalho) e que os objetos nele são como ícones da área de trabalho, que são produzidos pela interface gráfica do usuário (de sigla em inglês, GUI).

Nossos sentidos, diz ele, formam uma interface de usuário biológica – uma GUI pegajosa – entre nosso cérebro e o mundo exterior, transduzindo estímulos físicos como fótons de luz em impulsos neurais processados ​​pelo córtex visual como coisas no ambiente.

GUIs são úteis porque você não precisa saber o que está dentro de computadores e cérebros. Você só precisa saber como interagir com a interface o suficiente para realizar sua tarefa. A função adaptativa, não a percepção verídica, é o que é importante.

O holótipo de Hoffman é o besouro australiano Julodimorpha bakewelli. As fêmeas são grandes, brilhantes, marrons e com covinhas. Assim, também são as garrafas de cerveja descartadas, e os machos as montarão até morrerem por calor, fome ou comido por formigas. A espécie estava à beira da extinção porque seus sentidos e cérebros foram projetados pela seleção natural para não perceber a realidade (é uma garrafa de cerveja, seu idiota!), mas para acasalar com qualquer coisa grande, marrom, brilhante e ondulada.

Para testar sua teoria, Hoffman realizou milhares de simulações evolutivas de computador, nas quais os organismos digitais, cujos sistemas perceptivos são sintonizados exclusivamente para a verdade, são superados por aqueles sintonizados apenas para a aptidão.

Como a seleção natural depende apenas da aptidão esperada, a evolução moldou nossos sistemas sensoriais em direção a um comportamento mais apto, e não à representação verdadeira.

A ITP merece séria consideração e teste, mas há dúvidas. Primeiro, como poderia uma percepção mais precisa da realidade não ser adaptativa?

A resposta de Hoffman é que a evolução nos deu uma interface para esconder a realidade subjacente porque, por exemplo, você não precisa saber como os neurônios criam imagens de cobras; você só precisa pular para fora do caminho do ícone da cobra.

Mas como o ícone se parece com uma cobra em primeiro lugar? Seleção natural. E por que algumas cobras não-venenosas evoluíram para imitar espécies venenosas? Porque os predadores evitam cobras venenosas reais.

O mimetismo só funciona se houver uma realidade objetiva para imitar.

Hoffman afirmou que “uma pedra é um ícone de interface, não um constituinte da realidade objetiva”. Mas uma rocha verdadeira, cortada em uma ponta de flecha e atirada em uma refeição de quatro patas, funciona mesmo que você não conheça física e cálculo.

Isso não é uma percepção verídica com significado adaptativo?

Para aos besouros, as garrafas de cerveja são o que os etologistas chamam de estímulos supernormais, que imitam objetos que os organismos evoluíram para responder e provocar uma resposta mais forte ao fazê-lo, como (para algumas pessoas) implantes mamários de silicone em mulheres e musculação reforçada com testosterona em homens .

Os estímulos supranormais só funcionam porque a evolução nos projetou para responder aos estímulos normais, os quais devem ser retratados com precisão pelos nossos sentidos, para que nosso cérebro funcione.

Hoffman diz que a percepção é específica da espécie e que devemos levar os predadores a sério, mas não literalmente.

Sim, o ícone de um golfinho para “tubarão” sem dúvida parece diferente de um humano, mas realmente existem tubarões, e eles realmente têm caudas poderosas em uma extremidade e uma boca cheia de dentes na outra ponta, e isso é verdade, não importa como seu sistema sensorial funciona.

Além disso, as simulações por computador são úteis para modelar como a evolução pode ter acontecido, mas um teste real da ITP seria determinar se a maioria das interfaces sensoriais biológicas cria ícones que se assemelham à realidade ou a distorcem.

Os dados dirão.

Por fim, por que apresentar esse problema como uma escolha entre aptidão e verdade? Adaptações dependem em grande parte de um modelo relativamente preciso da realidade.

O fato da ciência progredir em direção a, digamos, erradicar doenças e aterrissar espaçonaves em Marte deve significar que nossas percepções da realidade estão cada vez mais próximas da verdade, mesmo que seja com ‘v’ minúsculo.

(Fonte)

Colaboração: MaryH


Muito a se pensar aqui.

E não conseguimos enxergar a realidade como ela realmente é, como será o dia em que quebrarmos essa barreira? Talvez então os OVNIs se mostrarão inundados em nossos céus, bem como outras coisas estranhas.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais, ou use o botão abaixo:



ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

ALGUÉM ESTÁ COLANDO CHAPÉUS DE CAUBÓI NOS POMPOS EM LAS VEGAS

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.